Mercado de trabalho: OIT revisa para baixo previsão para 2022

Guy Ryder: 'já estamos vendo danos duradouros ao mercado de trabalho, juntamente com um aumento preocupante da pobreza e da desigualdade.'

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) revisou para baixo a previsão de recuperação do mercado de trabalho em 2022, projetando um déficit de horas trabalhadas globalmente equivalente a 52 milhões de empregos em tempo integral, em relação ao quarto trimestre de 2019. A estimativa anual anterior para o ano, realizada em maio de 2021, projetava um déficit de 26 milhões de empregos em tempo integral.

Embora esta última projeção traduza uma melhoria da situação em 2021, permanece quase 2% abaixo do número de horas globais trabalhadas no período pré-pandemia, de acordo com a publicação da OIT Perspectivas Sociais e de Emprego no Mundo – Tendências 2022 (World Employment and Social Outlook Trends 2022 -WESO Trends)

As previsões indicam que o desemprego global permanecerá acima dos níveis pré-pandemia até, pelo menos, 2023. O nível de desemprego para 2022 está estimado em 207 milhões, comparado com 186 milhões em 2019. O relatório da OIT também alerta que o impacto geral sobre o emprego é significativamente maior do que o representado por esses números, uma vez que muitas pessoas deixaram a força de trabalho. Em 2022, a taxa global de participação da força de trabalho deverá permanecer 1,2 ponto percentual abaixo do índice de 2019.

A revisão para baixo das previsões para 2022 reflete o impacto que as variantes Delta e Ômicron estão causando no mundo do trabalho, bem como uma incerteza significativa sobre o curso futuro da pandemia.

O relatório adverte para as diferenças marcantes dos efeitos da crise entre grupos de trabalhadores, trabalhadoras e países. Essas diferenças estão aprofundando as desigualdades nos países e entre os países, enfraquecendo o tecido econômico, financeiro e social de quase todas as nações, independentemente do nível de desenvolvimento. Esse dano provavelmente levará anos para ser reparado, com potenciais consequências de longo prazo sobre a participação na força de trabalho, na renda familiar e na coesão social e – possivelmente – na política.

Os efeitos estão sendo sentidos nos mercados de trabalho em todas as regiões do mundo, embora os padrões de recuperação sejam muito divergentes Europa e América do Norte mostram sinais de recuperação mais encorajadores, enquanto Sudeste Asiático, América Latina e Caribe apresentam perspectivas mais negativas. Em nível nacional, a recuperação do mercado de trabalho é mais forte nos países de alta renda, enquanto as economias de renda média-baixa estão em pior situação.

Segundo o relatório, o impacto desproporcional da crise no emprego das mulheres deve durar nos próximos anos. O fechamento de instituições de educação e treinamento “terá um efeito dominó” no longo prazo para jovens, especialmente para quem não tem acesso à internet.

“Após dois anos de crise, as perspectivas permanecem frágeis e o caminho para a recuperação é lento e incerto”, disse o diretor-geral da OIT, Guy Ryder. “Já estamos vendo danos potencialmente duradouros ao mercado de trabalho, juntamente com um aumento preocupante da pobreza e da desigualdade. Em muitos casos, os trabalhadores estão sendo forçados a mudar para um tipo diferente de trabalho, por exemplo, em resposta à queda prolongada nas viagens internacionais e no turismo.”

“Não pode haver recuperação real desta pandemia sem uma ampla recuperação do mercado de trabalho. E para ser sustentável, essa recuperação deve se basear nos princípios do trabalho decente, incluindo saúde e segurança, equidade, proteção social e diálogo social”.

O relatório inclui projeções abrangentes sobre o mercado de trabalho para 2022 e 2023. Ele avalia como a recuperação do mercado de trabalho tem acontecido em todo o mundo, refletindo diferentes abordagens nacionais para a recuperação da pandemia e analisando os efeitos sobre diferentes grupos de trabalhadores, trabalhadoras e setores econômicos.

O documento mostra que, como em crises anteriores, em alguns casos, o emprego temporário serviu para amortecer o impacto da pandemia. Enquanto muitos empregos temporários foram extintos ou não renovados, outros alternativos foram criados, incluindo aqueles para trabalhadores e trabalhadoras que perderam um emprego permanente. Em média, a incidência de trabalho temporário não se alterou.

Leia também:

Economia do Brasil será a 3ª pior do mundo em 2022

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mais de um terço das famílias relata queda da renda mensal

Estudo destaca comportamento das pessoas sobre gastos e dívidas no primeiro trimestre; mais impactados são famílias de menor renda.

Saques extraordinários já somam 20% do patrimônio do FGTS

Para deputado, 'a nobreza do gasto não justifica o desvio do seu uso'.

Projeção do governo mostra inflação rumo a 2 dígitos

Ministério de Guedes eleva estimativa para 8%.

Últimas Notícias

Proteste: PL prejudica consumidor de menor poder aquisitivo

Entidade pede veto a pontos de PL que inviabiliza pagamento por aproximação no Rio; em SP, Fecomércio encaminha sugestões sobre segurança.

Diesel: novo reajuste pode afetar preço do frete

Já gasolina subiu 1% e fechou quinzena a R$ 7,599; valor médio do combustível no Brasil foi de R$ 7,599 nos primeiros 15 dias de maio.

SP é o segundo estado com maior potência de energia solar em telhados

Geração própria de energia solar no Rio ultrapassa 49,8 mil conexões em telhados e pequenos terrenos.

Mais de um terço das famílias relata queda da renda mensal

Estudo destaca comportamento das pessoas sobre gastos e dívidas no primeiro trimestre; mais impactados são famílias de menor renda.

Despesas de planos médicos atingiram R$ 206 bi na pandemia

Estudo mostra que aumento de 24% durante um ano está relacionado com a retomada de procedimentos médicos a partir de 2021.