Mercado financeiro se descola da economia real

Enquanto economistas discutem o formato da curva da atual crise – se em V, em W, U ou L – o mercado financeiro já se encontra na segunda perna do V. O descasamento entre as finanças e a economia real chamou a atenção do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Em artigo e entrevista nesta quinta-feira, Tobias Adrian, diretor do Departamento Monetário e de Mercado de Capitais do FMI, afirmou: “Os investidores parecem estar apostando que um forte apoio duradouro dos bancos centrais manterá uma recuperação rápida, mesmo que os dados econômicos apontem para uma desaceleração mais profunda do que o esperado, como mostra o World Economic Outlook Update de junho de 2020.”

A desconexão entre os mercados financeiros e a economia real pode ser ilustrada pela recente dissociação entre as bolsas de valores dos EUA e a queda da confiança do consumidor, dois indicadores que historicamente se movem juntos, levantando questões sobre a sustentabilidade do rali, se não pelo impulso proporcionado pelos bancos centrais. Os principais BCs do mundo lançaram pacotes de liquidez que juntos ultrapassam US$ 6 trilhões.

Essa divergência aumenta o espectro de outra correção nos preços dos ativos de risco, caso a atitude dos investidores mude, colocando uma ameaça à recuperação”, adverte Adrian. Altas sequenciais em mercado de ações de urso (pessimista) ocorreram no passado durante períodos de pressões econômicas significativas, apenas para mudar rapidamente.

O diretor do FMI chama atenção para vulnerabilidades financeiras preexistentes que estão sendo reveladas pela pandemia. Tanto nas economias de mercado avançadas como nas emergentes, os encargos das dívidas das empresas e das famílias podem se tornar incontroláveis em uma severa contração econômica.

A dívida corporativa agregada tem aumentado ao longo de vários anos e agora está em níveis historicamente altos em relação ao PIB. A dívida das famílias também aumentou em muitas economias, algumas das quais agora enfrentam uma desaceleração econômica extremamente acentuada. “A deterioração dos fundamentos econômicos já levou a um rebaixamento dos ratings corporativos, e existe o risco de um impacto mais amplo na solvência de empresas e famílias”, adverte.

Artigos Relacionados

OCDE ensina gestão às estatais brasileiras

O Ministério da Economia participou nesta terça-feira do lançamento de um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que traz recomendações...

Migrantes detidos no México sofrem com pobreza e violência

Cerca de 70 mil pessoas ainda estão em situação de vulnerabilidade extrema, segundo Médicos Sem Fronteiras.

Corrente comercial do Brasil com árabes cresceu 17%

No primeiro mês do ano, a receita da exportação do país ao bloco também aumentou, desta vez em 7,4% frente janeiro de 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Planta da BRF é habilitada a exportar empanados para Omã

Companhia informou que sua unidade de Toledo foi habilitada pelo governo do país árabe a exportar empanados de frango.

Migrantes detidos no México sofrem com pobreza e violência

Cerca de 70 mil pessoas ainda estão em situação de vulnerabilidade extrema, segundo Médicos Sem Fronteiras.

ANS determina que planos cubram novos remédios, exames e cirurgias

Novos exames e tratamentos passaram a fazer parte da lista obrigatória de assistência, que deverá ser observada a partir de abril.

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...

Trava política impede recuperação mais forte

Nesta segunda, mercados aqui foram na mesma direção do exterior em recuperação, mas sem mostrar maior tração.