Mercado imobiliário pode impulsionar a recuperação econômica

Por Bruno Gama.

O ano de 2020 começou com a promessa de crescimento do mercado imobiliário, representando o motor do avanço da economia no ano. Ainda no primeiro trimestre, o mundo foi impactado com uma pandemia global que trouxe consequências para a economia como um todo, mudando as perspectivas do ano.

Mas, no mercado imobiliário, o cenário ainda é próspero. Por conta da crise provocada pelo coronavírus, o Banco Central baixou consideravelmente a taxa básica de juros nos últimos meses, deixando a Selic no menor patamar da história, atualmente em 2,25%.

Com a Selic baixa e, consequentemente, reduções nas taxas de juros de financiamento imobiliário nos bancos, o momento tornou-se extremamente favorável para quem tem renda estável e capacidade de pagamento.

Além disso, com as sucessivas reduções da Selic, o custo oportunidade de deixar o valor investido em investimento de renda fixa diminuiu. Há pouco tempo, deixar o montante correspondente ao da entrada de um imóvel em um investimento conservador gerava, muitas vezes, um rendimento mensal suficiente para pagar o aluguel, fazendo o consumidor abrir mão da casa própria, já que a parcela do financiamento seria muito maior.

Para efeito ilustrativo, de acordo com levantamento realizado pela Credihome, há alguns anos, com a taxa Selic mais alta, a média do valor da parcela inicial de um comprador de imóvel – com intuito de financiar R$ 200 mil, em 30 anos – era de, aproximadamente, R$ 2.560. Atualmente, o mesmo consumidor pode conseguir uma parcela mensal de cerca de R$ 1.580. Este menor comprometimento de renda traz novos consumidores ao setor, possibilitando que pessoas com rendas mais baixas sejam capazes de financiar valores mais elevados para adquirir a casa própria.

Deve-se considerar ainda outras facilidades oferecidas pelo mercado em meio à pandemia, como carências maiores e entradas facilitadas, que tornam ainda mais atrativa a compra de imóveis, seja próprio ou para investimento.

Uma segunda alternativa, ainda relacionada com o potencial do mercado imobiliário, que vem crescendo no Brasil nos últimos meses é o crédito com garantia imobiliária, conhecido como home equity. Trata-se de uma modalidade de crédito com juros mais baratos, mas que demanda uma mudança de modo de pensar do brasileiro, de ver o imóvel como uma oportunidade.

Atualmente, o home equity representa cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, o que é muito pouco quando comparado a países desenvolvidos ou até mesmo com alguns vizinhos da América Latina. Com os juros em queda, simplificação da aquisição deste tipo de crédito – que hoje pode ser feito de forma completamente digital – e outros incentivos espera-se que essa modalidade também se popularize.

Todos esses pontos ainda indicam o mercado imobiliário como um dos principais setores responsáveis por alavancar a recuperação da economia no Brasil.

Bruno Gama

CEO da CrediHome.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

2022 e a brasilidade em foco

Por Ranulfo Vidigal.

Implicações da lei de proteção para entregadores de aplicativos

Por Leonardo Jubilut e André Camargo.

Últimas Notícias

Valor da internet em Portugal está mais barato

Dados recentes do Eurostat, Serviço de Estatística da União Europeia, referentes a dezembro de 2021, mostra que Portugal lidera na descida de preços dos...

Modal finaliza aquisição da integralidade do banco digital LiveOn

O Modal, banco de investimento, fechou a aquisição de 100% da infratech LiveOn, operação divulgada em outubro de 2021, e só agora aprovada pelo...

Fitch afirma IDRs BB’ e rating nacional ‘AAA do Itaú Unibanco

A Fitch Ratings afirmou nesta segunda-feira os IDRs (Issuer Default Ratings - Ratings de Inadimplência do Emissor) de Longo Prazo em Moedas Estrangeira e...

Balança comercial registra déficit de US$ 117 milhões

A corrente de comércio (soma de exportações e importações) brasileira cresceu 28% e fechou a terceira semana de janeiro em US$ 28,91 bilhões. Os...

Subida de juros assusta investidores

A segunda-feira (24) foi marcada como um dia de aversão a risco com fortes quedas nas bolsas internacionais, observou Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial...