Mercado interno monitora CPI, presidente do BC e ministro da Economia

No exterior, Wall Street opera em leve baixa, enquanto Bolsas europeias sobem.

A terça-feira inicia o dia com a divulgação do IGP-DI e os dados do varejo de abril e logo após ocorrerá uma palestra em webinar do JP Morgan com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Os investidores nacionais também monitoram o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que vai à CPI da Covid para novo depoimento hoje. No mercado acionário, o índice Ibovespa poderá ser beneficiado pelo positivismo das Bolsas externas, porém, as ações ligadas ao setor de telefonia ficam no foco dos investidores devido aos EUA informarem que querem aprofundar a cooperação econômica e de segurança com o Brasil, após a reunia com o ministro das Comunicações brasileiro sobre a tecnologia 5G. Em relação ao mercado de juros e de câmbio, a tendência é que o mercado não fique muito volátil durante os próximos dias até a divulgação do IPCA de maio e a reunião do Copom, que deve direcionar melhor esses mercados com a nova definição da taxa Selic. No momento, o índice futuro do Ibovespa está recuando 0,03% e o dólar futuro está subindo 0,13%.

No mercado externo, os índices futuros das Bolsas de Nova Iorque estão operando mistos, enquanto os investidores agurdam a divulgação dos dados de comércio exterior e empregos dos EUA e o índice de preços ao consumidor do país, que será apresentado nesta quinta-feira. Às 7h22, no mercado futuro, o Dow Jones caía 0,32%, o S&P 500 perdia 0,18% e o Nasdaq tinha viés de alta de 0,02%. O rendimento da T-note de dois anos caía a 0,1567, de 0,156% no fim da tarde de ontem; o da T-note de 10 anos recuava a 1,5492, de 1,569%; e o do T-bond de 30 anos diminuía a 2,2281%, ante 2,236%. O índice DXY subia 0,18%, a 90,112 pontos. Na Europa, as Bolsas operam em alta, mas perderam um pouco da força após a frustação dos investidores com os dados da economia da Alemanha. Às 7h29, a Bolsa de Londres subia 0,12%, mas a de Paris caía 0,02% e a de Frankfurt, -0,24%. O euro caía a US$ 1,2175, ante US$ 1,2196 no fim da tarde de ontem. A libra recuava a US$ 1,4132, de US$ 1,4183. Na Ásia, as Bolsas fecharam em baixa com os investidores atentos aos riscos inflacionários no continente. No Japão, a queda anualizada do seu Produto Interno Bruto (PIB) entre janeiro e março foi revisada, de 5,1% para 3,9%. O índice japonês Nikkei caiu 0,19% em Tóquio, enquanto o Hang Seng registrou perda marginal de 0,02% e o sul-coreano Kospi se desvalorizou 0,13% em Seul. Na China continental, o Xangai Composto teve baixa de 0,54%. Na Oceania, a Bolsa australiana contrariou o tom negativo da Ásia e o S&P/ASX 200 avançou 0,15% em Sydney. Às 7h30, o dólar subia a 109,41 ienes, ante 109,25 ienes no fim da tarde de ontem.

.

Equipe Travelex Bank

Artigos Relacionados

Everardo Maciel: os projetos de reforma tributária são ruins

'Se querem diminuir a carga tributária de instituições financeiras e alguns setores industriais, vamos fazer a discussão sem agenda oculta'

Relatório de inflação foi bem semelhante ao do comunicado do Copom

Selic atingiria nosso nível neutro estimado de 6,50% já em outubro deste ano e se estabilizaria nesse patamar a partir de então.

Mercado local pode se beneficiar do exterior

No Brasil, atenções ficam voltadas ao tabuleiro político; lá fora, acordo bipartidário nos EUA fomenta viés de baixa no dólar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ENS e Ministério da Agricultura fazem live para lançar curso gratuito

Live no dia 7 de julho terá a participação de representantes do MAPA e especialistas em agronegócio.

Carta Fabril lança o papel higiênico premium Cotton Folha Tripla

Novidade foi desenvolvida para levar mais maciez com preço justo ao consumidor

LDZ Escola abre curso de animação digital 2D da ToonBoom Animation

Arte digital e cultura nerd beneficiam saúde e qualidade de vida.

Vendas Club traz conteúdo exclusivo para todo o Brasil

Propósito é prestar serviço para profissionais se manterem atualizados sobre o cenário de vendas.

Imóveis comerciais: segmento deve reaquecer de forma gradual

Desaquecimento por imóveis comerciais ocorreu por causa do home office imposto pelas restrições sanitárias.