Mercado local cai em meio a preocupações dos investidores com estatais

No exterior, as Bolsas mundiais operam no vermelho.

A segunda-feira deve ser de perdas nos ativos locais após a interferência do presidente da república, Jair Bolsonaro, no comando da Petrobras. O nome escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro foi o do general da Reserva Joaquim Silva e Luna para assumir a presidência da companhia. Esse ato gerou uma onda de pessimismo em relações as estatais, principalmente a Petrobras, Eletrobrás e Banco do Brasil. Sendo assim, as ações das mesmas tendem a cair bastante no pregão de hoje. Além disso, a semana traz uma agenda interna agitada com IPCA-15, muitos balanços, como os da Vale e Petrobrás. Entrando brevemente na política brasileira, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para destravar o auxílio emergencial ao presidente do Senado deve ser pautada na próxima quinta-feira. O Supremo Tribunal Federal (STF) encaminhou ao procurador-geral da República, Augusto Aras, uma acusação do PDT contra o presidente Jair Bolsonaro por difusão de cloroquina para tratar covid-19. No momento, o futuro do índice Ibovespa está caindo 4,51% e o dólar está subindo 2,57% em relação a abertura.

No exterior, os índices futuros das Bolsas de Nova Iorque estão no vermelho, à medida que os juros dos Treasuries de mais longo prazo mantêm a tendência recente de alta com o possível aumento da inflação e com as expectativas de recuperação econômica.

Às 7h20, no mercado futuro, o Dow Jones caía 0,59%, o S&P 500 recuava 0,73% e o Nasdaq se desvalorizava 1,11%. Entre os Treasuries, o rendimento da T-note de 2 anos aumentava a 0,104%, o da T-note de 10 anos avançava a 1,373% e o do T-bond de 30 anos subia a 2,167%. Na Europa, as Bolsas também recuam seguindo o mau humor de Wall Street. Às 7h19, a Bolsa de Londres caía 0,82%, enquanto a de Frankfurt recuava 0,64% e a de Paris cedia 0,65%. O euro estava em US$ 1,2117, de US$ 1,2122 no fim da tarde de sexta-feira. A libra era cotada a US$ 1,4022, de US$ 1,4006. Na Ásia, as Bolsas fecharam em baixa nesta segunda-feira devido uma preocupação de que o banco central chinês volte a apertar sua política monetária. O Xangai Composto recuou 1,45%. O Hang Seng caiu 1,06% em Hong Kong, e o sul-coreano Kospi se desvalorizou 0,90% em Seul. O japonês Nikkei subiu 0,46% em Tóquio. Na Oceania, o S&P/ASX 200 caiu 0,19% em Sydney. Às 7h18, o dólar estava em 105,59 ienes, de 105,47 ienes no fim da tarde de sexta-feira em NY.

.

Equipe Travelex Bank

Leia mais:

Queda da Petrobras altera mercados

Dia de temores quanto a desdobramento na Petrobras

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mercado financeiro aumenta previsão de inflação para este ano

Segundo o Boletim Focus, do BC, IPCA, inflação oficial do país, deve fechar 2022 em 5,15%.

Aversão ao risco retornando

Semana abre com aversão ao risco retornando aos mercados do mundo, com o acirramento de tensões entre Rússia e Ucrânia.

Últimas Notícias

Valor da internet em Portugal está mais barato

Dados recentes do Eurostat, Serviço de Estatística da União Europeia, referentes a dezembro de 2021, mostra que Portugal lidera na descida de preços dos...

Modal finaliza aquisição da integralidade do banco digital LiveOn

O Modal, banco de investimento, fechou a aquisição de 100% da infratech LiveOn, operação divulgada em outubro de 2021, e só agora aprovada pelo...

Fitch afirma IDRs BB’ e rating nacional ‘AAA do Itaú Unibanco

A Fitch Ratings afirmou nesta segunda-feira os IDRs (Issuer Default Ratings - Ratings de Inadimplência do Emissor) de Longo Prazo em Moedas Estrangeira e...

Balança comercial registra déficit de US$ 117 milhões

A corrente de comércio (soma de exportações e importações) brasileira cresceu 28% e fechou a terceira semana de janeiro em US$ 28,91 bilhões. Os...

Subida de juros assusta investidores

A segunda-feira (24) foi marcada como um dia de aversão a risco com fortes quedas nas bolsas internacionais, observou Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial...