Mercados caem globalmente

Bolsas em baixa, com receios em torno da demanda de petróleo e dia de dados importantes nos EUA.

Os mercados europeus fecharam a quarta-feira mistos. Os investidores continuaram a digerir os números de inflação divulgados nos EUA. No continente, a inflação do Reino Unido chegou a 2,5%, a maior alta desde fevereiro de 2018, colocando pressão nas expectativas dos agentes em relação às mudanças na política monetária do país insular, ao passo que a economia reabre e os gargalos nas cadeias de suprimentos se intensificam. Na Zona do Euro, a produção industrial decepcionou as expectativas, caindo 1,0% em maio. Mesmo com o dado negativo, o Banco Central Europeu (BCE) considera que a economia do continente está em retomada, embora a variável delta continue sendo um fator de risco.

Após a volatilidade em Wall Street, com os investidores aguardando a fala de Powell e digerindo os números de inflação, a fala do presidente do Fed contribuiu para acalmar os ânimos. O representante da autoridade monetária do país, em seu discurso, disse que o Banco Central continuará a estimular a economia do país até que ela se recupere completamente, mantendo a perspectiva de que o a inflação é transitória. Tal posicionamento fez com que os rendimentos dos títulos de dez anos caíssem e os mercados voltassem a operar em alta.

Ontem, a Bolsa brasileira fechou em alta, de olho no bom humor de Nova Iorque. No Brasil, fatores limitadores, como os ruídos políticos em torno da CPI da Covid-19, continuaram no radar dos investidores. A fala de Paulo Guedes referente à intervenção nos preços no mercado de aço fez com que os setores de mineração, siderurgia e metalurgia fechassem em queda. Quanto à conjuntura econômica, o IBC-Br registrou queda de 0,43%, abaixo da expectativa de alta de 1%.

Hoje, na Ásia e na Oceania, os principais índices fecharam em alta, com os investidores de olho nos dados acima do esperado para a indústria e o varejo na China e repercutindo o discurso dovish de Powell, embora o PIB do segundo trimestre indique menor avanço da economia do país.

Na Europa, os mercados operam em queda generalizada, com a queda no petróleo em meio aos receios à demanda por parte da Opep+, enquanto os agentes esperam nova fala de Powell. Quanto aos dados de conjuntura do dia, destacam-se os dados do mercado de trabalho do Reino Unido, com a taxa de desemprego saindo de 4,70% para 4,80%.

Nos EUA, os futuros também operam em queda, seguindo os temores em torno da Opep+ e aguardando novo discurso de Jerome Powell. Ao longo do dia, também serão divulgados os pedidos semanais por seguro-desemprego e dados da produção industrial.

No Brasil, os futuros abrem em queda, seguindo os pares globais. Os investidores também estarão atentos aos desdobramentos políticos em torno da CPI da Covid-19 e ao processo de vacinação. Ainda de olho em Brasília, o Congresso avaliará o projeto para viabilizar o programa que tem o objetivo de substituir o Bolsa Família.

O BC fará leilões de swap cambial a partir das 11h30. E o Tesouro fará ofertas de LTNs para os vencimentos 2022, 2023 e 2025; NTN-Fs para 2027 e 2031; e LFT para 2023 e 2027.

.

Matheus Jaconeli

Economista da Nova Futura Investimentos

Artigos Relacionados

Aneel pode reajustar ainda mais tarifa de energia em agosto

IPCA deve ser em todo o mês de julho de +0,88%, sendo maior devido a todo o impacto do reajuste dentro da bandeira vermelha nível 2.

Crescimento do mercado de cosméticos na crise

Setor já é o quarto maior consumidor do segmento no mundo.

Olimpíada Big Brother: todos são vigiados

Biometria facial utilizada nos Jogos garante desde cumprimento de medidas de combate ao contágio do coronavírus até segurança de atletas e torcedores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

KPMG é alvo de críticas por auditorias em bancos ingleses

A KPMG, empresa que presta serviços de auditoria, enfrenta uma nova onda de críticas sobre a qualidade das seus trabalhos nos bancos, depois de...

Airbus inaugura projeto de aeronaves A350 na China

A Airbus inaugurou seu projeto de aeronaves A350 em seu centro de conclusão e entrega de fuselagem larga em Tianjin, norte da China. É...

Plataforma P-70, na Bacia de Santos, alcança capacidade de projeto

A P-70, localizada no campo de Atapu, na porção leste do pré-sal da Bacia de Santos, atingiu em 12 de julho sua capacidade de...

BC amplia iniciativas de ESG para suporte ao crédito

As recentes iniciativas regulatórias do Banco Central do Brasil (BC) para intensificar as divulgações relacionadas a questões ambientais, sociais e de governança (Environmental, Social...