Mercados caminham para fechar a semana do lado positivo

Bolsas e moedas são destaque, mas o que vale mais a pena ressaltar é a redução no juro futuro nos EUA.

Mais um dia de poucas novidades no noticiário e os mercados caminham para fechar a semana do lado positivo. Bolsas e moedas são destaque, mas o que vale mais a pena ressaltar é a redução no juro futuro nos EUA. A treasury de 10 anos, por exemplo, abriu o mês próxima a 3,00% e flerta com o 2,70% hoje.

O alívio vem essencialmente da inflação implícita na curva, que cede em todos os vértices até o vencimento de 30 anos. O movimento fica mais interessante se considerarmos que a maioria das commodities acumulam alta em maio — exceção das metálicas.

Incialmente, a nossa hipótese era que o risco de recessão crescia no cenário, especialmente depois dos dados de vendas de imóveis novos nos EUA no começo da semana, o que não justificaria o otimismo das bolsas. A queda na curva de juro real essa semana talvez justifique as duas tendências dicotômicas. Vale considerar, por exemplo, que o juro real subia ao longo de maio e mudou de sinal apenas esses dias.

Se por um lado, parte da atividade norte-americana acentua os riscos de alguma recessão, no Brasil os indicadores mensais sugerem uma atividade mais pujante no primeiro trimestre. Na quinta-feira (dia 2 de junho), o IBGE divulga o PIB do 1T22, para o qual projetamos um avanço de 1,5% ante o trimestre anterior, influenciado pela alta do segmento de serviços (que engloba, também, o comércio), com destaque para os serviços de transporte de carga e outros serviços, que acompanha a retomada da mobilidade.

Em relação às pressões inflacionárias de curto prazo, o IPCA-15 divulgado na quarta sugere uma inflação oficial de 0,61% em maio. Se isso for verdade, o IPCA fecha 2022 em 9,2%. Portanto, seguimos atentos ao noticiário que cobre o Projeto de Lei 211/21, texto que estabelece um limite de 17% no ICMS de bens e serviços. A proposta agora depende do Senado, mas se aprovada, poderia reduzir a inflação em até 1.5 p.p. para o final do ano.

.

Marco Caruso

Economista-chefe

Eduardo Vilarim

Economistas

Banco Original

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mercado de trabalho nos próximos meses pode continuar frágil

Segundo especialistas, no segundo semestre, oportunidades poderão se concentrar no mercado de trabalho informal.

Acusações de palhaça e possível ação da CVM fazem ação da TC desabar

Papéis chegaram a recuar mais de 25% no pregão desta quinta-feira.

Últimas Notícias

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

EUA: tiroteio em escola bate maior número em 20 anos

Segundo relatório, houve apenas 23 incidentes com vítimas fatais durante o ano letivo de 2000/2001.

Bebidas Online busca captar R$ 2 milhões com pessoas físicas

Com crescimento projetado de 19% para 2022, startup de delivery de bebidas usará recursos nas áreas de marketing, desenvolvimento de produtos e expansão do time