Mercosul e árabes: Brasil quer retomar diálogo por acordos

Bloco iniciou conversas sobre tratados de livre comércio com vários países árabes, mas a maioria ainda não foi concluída.

O governo brasileiro tem interesse de retomar as negociações de acordos de livre comércio entre o Mercosul e países árabes como Marrocos, Tunísia e Líbano, com os quais as tratativas iniciaram, mas ainda não foram concluídas. O Brasil está na presidência pro tempore do Mercosul desde julho e o Itamaraty informou à ANBA por e-mail na metade de agosto sobre a disposição de continuar as conversas. Na foto acima, porto do Marrocos.

“O Mercosul almeja aprofundar seu relacionamento comercial com países árabes e acredita que haveria grande complementaridade de interesses em acordos de livre comércio com esses parceiros”, disse o Ministério das Relações Exteriores do Brasil. O bloco formado por Brasil, Uruguai, Paraguai e Argentina só tem acordo de livre comércio em vigor com um país árabe, o Egito. Ele passou a valer em setembro de 2017 após longo período de negociações.

O ministério informou também que, por meio da sua embaixada em Rabat, está consultando autoridades do Marrocos sobre a possibilidade de retomada do diálogo sobre negociações comerciais com o Mercosul, interrompido em 2018.  Também há disposição para seguir as conversas com outro país árabe, a Tunísia. “As negociações de acordo de livre comércio entre o Mercosul e a Tunísia foram suspensas em 2017. O Mercosul tem interesse em retomá-las tão logo haja espaço em sua agenda negociadora”, informou o Itamaraty.

O Mercosul também começou as tratativas por um acordo de livre comércio com o Líbano. As conversas estavam interrompidas em função do início da pandemia, mas foram retomadas em dezembro do ano passado. Como presidente pro tempore do bloco e coordenador das negociações pelo Mercosul, o Brasil pretende realizar nova rodada negociadora virtual neste semestre e tem expectativa de concluir o acordo em 2022.

Um tratado também foi assinado em 2011 pelo Mercosul com a Palestina, mas está pendente a ratificação dos demais membros do bloco para que entre em vigor. O Congresso Nacional brasileiro aprovou o acordo em setembro de 2018, segundo o MRE. O acordo com a Palestina contempla comércio de bens, regras de origem, salvaguardas bilaterais, regulamentos técnicos, normas e procedimentos de avaliação e conformidade, medidas sanitárias e fitossanitárias, cooperação técnica e tecnológica, disposições institucionais e solução de controvérsias, segundo o Itamaraty.

“As ofertas de acesso a mercado de bens do acordo preveem eliminação de tarifas para praticamente todo o comércio entre as partes, com período de desgravação de até 10 anos. O acordo conta também com cláusula evolutiva, que prevê a possibilidade de entendimentos futuros em matéria de serviços e investimentos”, informou o MRE.

 

Agência de Notícias Brasil-Árabe

Leia também:

Canadá: emprego para imigrante em áreas de enfermagem, engenharia e TI

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.

Taxação de refrigerantes é aprovada em comissão do Senado

Senadores querem aumentar a taxação como forma de combater obesidade infantil e diabetes.

Faetec: aluno não quer militarização. Quer valorização do modelo atual

Alerj estuda levar debate às escolas.

Últimas Notícias

Solidus Aitech arrecadou mais de US$ 10,5 mi de fundos com tokens

Serviço de computação de alto desempenho (HPC) quer 'democratizar a IA'.

Pão pita tradicional poderá ser feito em escala industrial

Novo sistema é capaz de produzir até 1.000 quilos/hora de pita.

Policiamento reforçado em terreiros de umbanda e candomblé de Itaboraí

Terreiros foram ameaçados por pastor evangélico em show gospel.

Rodoviária do Rio inicia a 24ª Campanha do Agasalho

Desde a 1ª edição, em 1999, quase 1 milhão de peças já foram doadas.

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.