Merrequinha

O prefeito do Rio, Cesar Maia (ex-PFL), desconstrói a propaganda oficial em torno da criação de um piso nacional para os professores da rede pública. Anunciada com pompa, a proposta do governo Lula é elevar o piso gradualmente até R$ 850, em 2010, para os professores em regime de 40 horas semanais: “Mas façamos as contas. A remuneração do professor é calculada para 20 a 22 horas. Se a meta é chegar a R$ 850 para 40 horas, são R$ 425 ou pouco mais para uma jornada usual de 20 horas, ou pouco mais. O salário mínimo já é de R$ 380 reais. Ou seja, uma merrequinha acima do salário mínimo. Será que acham que ninguém sabe fazer conta?”, questiona Maia em seu Ex-blog.

Até Dornelles
Até o senador Francisco Dornelles (PP-RJ) aderiu ao ataque aos juros elevados. Em audiência, terça-feira, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, com o secretário do Tesouro Nacional, Tarcísio Godoy, Dornelles  afirmou que a principal causa de a dívida interna já atingir R$ 1,2 trilhão está nos juros abusivos praticados pelo Banco Central. Para Dornelles, se o Brasil torra bilhões de reais pagando juros e, mesmo assim, a dívida cresce, é por que os juros impõe tal situação. A dívida se alimenta dela mesma, proporcionando lucros aos rentistas que a financiam, criticou.
O senador lembrou que, segundo dados do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a dívida aumenta puxada pelos juros, não por supostos gastos excessivos do governo: “De acordo com o PAC, o pagamento de juros entre 2007 e 2010 será menor que no primeiro Governo Lula, e, mesmo assim a dívida cairá. Motivo: os juros do BC estão em queda e vão continuar recuando”, lembrou Dornelles

Troca cara
Na defensiva, Godoy evitou dizer se considera os juros altos o principal fator de elevação da dívida pública. Ele limitou-se a afirmar que o Tesouro trabalha para se proteger dos efeitos dos juros, diminuindo o peso da dívida indexada à taxa básica de juros (Selic), que corrige cerca de um terço da dívida. O secretário salientou que, na composição da dívida, tem crescido a fatia dos papéis corrigidos por juros prefixados, que, porém, admitiu, têm taxas maiores do que a Selic.

Febre
Em entrevista a uma emissora de rádio, o “especialista em finanças públicas” Raul Velloso, ortodoxo defensor do corte dos gastos dos governos, mostrou-se simpático ao pleito dos governadores de elevar a capacidade de endividamento dos estados.

Emergência
A falta de profissionais nas unidades de saúde estaduais do Rio de Janeiro está longe de terminar, denuncia a diretora do Sindsprev, Clara Fonseca. Segundo a sindicalista, quem procurasse atendimento no Hospital Rocha Faria nesta quarta-feira encontraria apenas pediatras e uma clínica geral na emergência. Os ortopedistas suspenderam o serviço. Segundo Clara, a decisão desses profissionais pode estar relacionada ao atraso nos salários, que dura quase dois meses. Cento e vinte dias após a posse do novo governo, o caos – que, garantiam as manchetes de jornais abastecidas pelo secretário de Saúde, Sérgio Cortes, acabaria – continua.

Midiático
Outro que garantiu espaço na mídia foi o secretário fluminense de Ciência e Tecnologia, Alexandre Cardoso. Ele propôs a transformação de máquinas caça-níqueis em computadores, que seriam doados à Fundação de Apoio à Escola Técnica do Estado do Rio de Janeiro (Faetec). Especialistas em informática consideram a proposta inviável tecnicamente. Mesmo que a questão técnica fosse resolvida, ficaria muito mais caro que comprar um computador. Mas seria interessante ver alunos de escolas técnicas pilotando essas máquinas: para aprender História, por exemplo, poderiam usar um simulador para disputar a Guerra do Paraguai.

Pioneiro
A Pronep, empresa brasileira de soluções em saúde, é a primeira de internação domiciliar fora dos Estados Unidos a receber a certificação de qualidade pela Joint Commission International. O selo, chamado Acreditação, equivale a um ISO para as empresas de saúde. Paralelamente, a companhia lança o livro Governança Corporativa em Saúde – receita de qualidade para as empresas do setor e promove uma jornada para falar de gestão estratégica na área. Informações pelo site www.pronep.com.br

Artigo anteriorJunte-se a eles
Próximo artigoFazendo as malas
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...

Trava política impede recuperação mais forte

Nesta segunda, mercados aqui foram na mesma direção do exterior em recuperação, mas sem mostrar maior tração. 

Sony deixará de vender áudio e vídeo no Brasil

Multinacional japonesa venderá aqui apenas consoles de games importados.

ISM Manufacturing teve a maior leitura desde fevereiro de 2018

Expectativa é de melhora continuada dado o avanço da vacinação, bem como o estímulo fiscal projetado para ser aprovado em meados de março.

Rede estadual de ensino do Rio volta hoje às aulas

Alunos terão aulas remotas e presenciais, com turmas em sala de aula em dias alternados em função da pandemia.