Milagre da criação de empregos

Em texto enviado a deputados do Rio de Janeiro, o ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, estava tão entusiasmado com as promessas para os setores naval e de petróleo e gás que garantiu que serão construídos mais de 20 plataformas do tipo FPSO, sendo que 12 já estão em construção e 10 em vias de (opa, 12+10 não daria 22?). “Isso representa a retomada da geração empregos na indústria de petróleo e gás. Mais do que isso, é a retomada da indústria naval brasileira e a geração de mais de 600 mil empregos no Brasil só nesses últimos três anos nesses dois setores”, reafirmou o ministro.

Fidelidade aos números não é o forte do Governo Bolsonaro. Tanto pelo desmonte do setor público (caso do eSocial, substituto do Caged, que estimou haverem sido criados 142.690 vagas com carteira assinada em 2020, números que depois foi revisto para demissão de 191.500 trabalhadores), quanto pelos fake numbers, estatísticas que só existem na cabeça dos integrantes do governo.

Vamos aos números, utilizando os dados oficiais disponíveis. Somando 2019 com 2020 e 2021 (até outubro), foram criados 3.445.477 postos de trabalho com carteira assinada. Para chegar aos 600 mil propagandeados, significaria que pouco mais de 1 em cada 6 empregos foram criados nos setores naval e de petróleo. Impensável. Na sua melhor fase, na década de 2010, a indústria naval alcançou um estoque de 80 mil empregados. A Petrobras, principal empresa petrolífera, vem enxugando o quadro de funcionários. Nem se levar em consideração os empregos indiretos, e mesmo os sem carteira, a conta não passa nem perto.

Para ter uma noção melhor de como os números do ministro são descolados da ralidade, se somarmos todos os empregos com carteira gerados na área extrativa e na indústria de transformação nos 3 anos de governo, e assumindo que estejam corretos, temos 655.641. Ou seja, os “mais de 600 mil empregos” que Bento Albuquerque enxergou só nos setores naval e de petróleo e gás foram gerados em toda a indústria manufatureira. E olhe lá.

 

Dr. Strangelove

Muito se fala de Meryl “Trump–Bolsonaro” Streep no filme Não Olhe para Cima, mas merece atenção Peter Isherwell (representado pelo britânico Mark Rylance), uma mistura dos trilionários das empresas de tecnologia, sempre prontos a ações altruístas – só que em benefício próprio.

 

Rápidas

Uma viagem pelas primeiras décadas da história do Maracanã é a proposta da exposição virtual Histórias do Maracanã antigo, criada pelo Arquivo Nacional, que leva os visitantes a viajar pelas primeiras décadas de existência do Estádio Jornalista Mário Filho. São imagens das décadas de 1950, 1960 e 1970, que podem ser visitadas aqui *** A Inloop, holding do mercado imobiliário com foco na cidade de São Paulo, tem um novo diretor financeiro: Sérgio Benini.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorODS
Próximo artigoO milionário leilão do Estaleiro Caneco

Artigos Relacionados

Vários tons de verde

PIB cresce mesmo que sociedade utilize processos intensivos em energia baseada em recursos renováveis.

R5, a nova onda dos Brics

Paulo Nogueira Batista Jr. defende impulso a uso de moedas nacionais nas relações do bloco.

Leilão da Casa de infância de Elvis Presley

Imóvel foi desmontado e encontra-se em um trailer.

Últimas Notícias

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fundos de investimento: R$ 8 bi de captação líquida

Renda fixa foi o destaque do primeiro semestre

Petrobras faz oferta de recompra de títulos globais

Interessados têm prazo até 12 de julho

Inscrições para Prêmio de Inovação em Seguros da CNseg

Premiação acontecerá em dezembro para três categorias

Abavt apresenta propostas para Dpvat

Ministério da Economia cria grupo de trabalho para discutir solução