Militares tentaram esconder meningite na ditadura

Epidemia só começou a regredir com vacinação, após Geisel substituir Médici.

Militares e saúde não são exatamente amigos íntimos, e não pela óbvia ligação de guerras com mortos e feridos. Na década de 1970, a ditadura brasileira tentou encobrir a epidemia de meningite, que atingiu o país com uma taxa de letalidade muito superior à da Covid-19, embora com uma transmissão muito menor. As autoridades sanitárias negavam a existência da epidemia. De 1970 a 1972, a letalidade na cidade de São Paulo variou entre 12% e 14% dos casos, declinando a partir de 1973, atingindo 7% em 1974. O maior número de óbitos foi observado em 1975, quando foram registrados 411, média de 1,15 ao dia.

Os médicos e professores José Cássio de Moraes e Rita de Cássia Barradas Barata, autores de O livro da meningite, uma doença sob a luz da cidade, em conjunto com a jornalista Cristina Fonseca, relatam em artigo para o Conselho de Medicina de São Paulo (Cremesp) como a ditadura não conseguiu esconder a epidemia. “A troca de presidente, com a entrada do general Ernesto Geisel, em 1974, facilitaria a mudança de atitude das autoridades. Em julho de 1974 foi criada a Comissão Nacional de Controle da Meningite, encarregada de traçar a política de vigilância epidemiológica. O número de casos registrados em janeiro de 1975 foi seis vezes maior do que o mesmo mês de 1974. Ironicamente, a meningite que tem o início de sua história na contaminação de soldados em postos militares, parecia não querer dar tréguas ao regime”, anotam.

Em março de 1975 foi elaborado o plano básico de operações para garantir a vacinação de 10 milhões de pessoas em apenas quatro dias. A parte operacional da campanha esteve a cargo do exército. Apesar de eficaz, não se forneceu qualquer comprovante às pessoas vacinadas, nem houve registro do número de vacinados. Para conhecer a proporção de vacinados, o IBGE realizou um inquérito por amostragem domiciliar. A cobertura foi estimada em cerca de 93% na cidade. A partir de abril, o número de casos começou a declinar. O número de casos só retornou a valores endêmicos dois anos depois.

 

Fiel da balança

No entendimento do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, provedores não podem ser compelidos a excluir material apenas porque seus mecanismos de busca localizam conteúdo. A 13ª Câmara Cível manteve decisão do juiz José Maurício Cantarino Villela, da 29ª Vara Cível de Belo Horizonte, que beneficia Google Brasil, Microsoft e Yahoo do Brasil. Com base no direito à informação, as empresas estão livres da obrigação de retirar de seus arquivos conteúdos referentes à operação da Polícia Federal denominada Panaceia.

Sopesados os direitos envolvidos e o risco potencial de violação de cada um deles, o fiel da balança deve pender para a garantia da liberdade de informação”, ponderou o relatório aprovado pela 13ª Câmara.

 

Saúde em 2º lugar

Enquanto os europeus recebem médicos de todo o mundo, Cuba e China inclusive, o cartório de Medicina no Brasil vai à justiça para barrar médicos formados no exterior, ignorando a necessidade de profissionais, especialmente agora que a Covid-19 ruma para o interior.

 

Rápidas

A FGV EPGE realiza nesta sexta o webnário “Pandemia e o papel do gasto público”, com o senador Antonio Anastasia (PSD-MG) e o secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues. A partir das 18h pelo Zoom. Inscrições aqui *** “Revisitando os desafios da economia criativa na pandemia” é o tema do webinar “Papo com o IAB”, nesta sexta-feira, às 12h, no canal IABTV no YouTube *** O Centro Universitário IBMR, do Rio de Janeiro, liberou mais de 100 cursos gratuitos na sua plataforma online *** Executivos de marcas como iFood, McDonald’s Brasil, Reclame Aqui e Renault participrão da 2ª Semana da Humanidade Aumentada, da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), entre 25 e 29 de maio. As inscrições, gratuitas, estão abertas *** A Kia Motors do Brasil nomeou Anselmo Borgheti, 54 anos, para o cargo de diretor comercial *** Compras públicas para enfrentamento da Covid-19 é o tema do webinar gratuito que a Aasp realiza nesta sexta-feira, às 17h. Inscrições aqui *** O Senac RJ reunirá nesta sexta-feira quatro especialistas para uma live sobre “O “novo normal” do comércio pós-pandemia, no canal do YouTube.

 

 

 

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Últimas Notícias

As rotas do Ártico: meta estratégica prioritária

Por Edoardo Pacelli.

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

Com ações no zero a zero, TC busca culpados da especulação

Em fato relevante, companhia afirma que tem sido alvo de uma campanha de desinformação

Criptomoedas: avaliações sobre o 1º semestre e perspectivas para o 2º

Alta dos juros e Ucrânia derrubaram cotações, dizem especialistas.

Energia solar: Minas é líder com mais de 16% da participação nacional

Estado atinge marca histórica de mais de 2 GW em operação da fonte solar, um aumento de 13%.