Mirem-se no exemplo

Mais de 90% dos aposentados chilenos recebem menos do que meio salário mínimo (o equivalente a R$ 730). É o retrato da privatização da Previdência imposta pelo ditador Pinochet, a partir de 1981. A mudança teve alto custo econômico para o Estado – durante a transição, chegou a atingir 5% do PIB em alguns anos – e também social, como agora se vê. As Administradoras de Fondos de Pensiones (AFPs), para as quais os trabalhadores contribuem com 10% de seus salários, estão quase todas quebradas. As aposentadorias dependem do sucesso dos investimentos feitos pelas empresas privadas. Além disso, o que cada um receberá por mês depende da expectativa de vida. As AFPs buscam esticar este prazo ao máximo para não correr o risco de os recursos serem todos pagos antes do falecimento do aposentado.

As manifestações se sucedem. Os chilenos querem um sistema semelhante ao brasileiro – o tradicional, não este que o Governo Temer quer empurrar goela abaixo com os métodos que, na Lava Jato, todos criticam, inclusive a mídia que apoia a reforma. Na Argentina, Menen introduziu, na década de 1990, um sistema semelhante ao chileno, que foi reestatizado pela presidenta Cristina Kirchner. A experiência dos vizinhos já é suficiente para mostrar que é um sistema em que se perde na saída e no retorno. Quem defende a proposta do governo brasileiro não poderá alegar depois – se aprovada, o que é cada vez mais difícil – desconhecimento.

 

Em toda parte

A Escola de Direito do Rio de Janeiro (FGV Direito Rio) criou o Núcleo de Estudos China-Brasil, que vai analisar os aspectos regulatórios daqui e os desafios que impõem às empresas chinesas. O Centro também se debruçará sobre os traços do Direito Regulatório dos Brics, com ênfase na evolução do Estado de Direito na China.

Os chineses têm dificuldades em compreender a legislação tributária e trabalhista brasileira e a regulação no que concerne aos investimentos externos. A China é um importante investidor, só até meados de abril deste ano, o país investiu US$ 5,67 bilhões no Brasil”, afirmou o professor Evandro Menezes de Carvalho, que está à frente do Núcleo. Uma das inciativas previstas para este ano é a elaboração de uma pesquisa de campo com as principais empresas chinesas para, entre outros objetivos, mapear os maiores entraves ao investimento no Brasil apontados por elas.

 

Cinturão e Rota

Falando em China, Beijing está a postos para a realização do Fórum do Cinturão e Rota para Cooperação Internacional, 14 e 15 de maio. O evento será realizado no Centro Nacional de Convenções da China e no Centro de Convenções Internacionais do Lago Yanqi, na periferia a norte da capital.

A iniciativa Cinturão e Rota, proposta pela China em 2013, consiste no Cinturão Econômico da Rota da Seda e a Rota de Seda Marítima do Século XXI. A proposta almeja construir uma rede de comércio e infraestrutura que conecta Ásia, Europa e África. É um desafio à preponderância da economia financeira, resgatando o desenvolvimento a partir de produção e comércio ao longo das rotas.

 

Preço

A inflação caiu a patamares mínimos. Para o professor da Faculdade Fipecafi, George Sales, a queda do IPCA está atrelada ao aumento do desemprego, que chegou a 14,2 milhões de pessoas este ano. “Tais fatores continuam influenciados pela queda do consumo, resultante do grande número de desempregados e, consequentemente, pela redução de atividade econômica acumulada dos últimos dois anos”, afirma Sales.

Para alcançar o feito com esta tática, não precisava convocar economista e ex-presidente de bancos; qualquer cacique daria conta do recado. Na aldeia morubixaba, nunca houve inflação – nem produção, nem emprego…

 

Rápidas

A Olimpíada Brasileira de Robótica recebe inscrições até 20 de maio em www.obr.org.br. Mais informações também em www.facebook.com/OBRobotica *** Carlos Pires deixa a vice-presidência e assume a presidência da Ball Embalagens para Bebidas América do Sul *** A FGV realiza nesta quinta, das 8h30 às 11h, o seminário Novas Habilidades no Trabalho: Desenvolvimento de Competências Levando ao Crescimento Econômico. Será no Tivoli São Paulo – Mofarrej (Alameda Santos, 1437, Cerqueira César) *** O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) sedia nesta sexta-feira, em Brasília, treinamento para auditores que atuaram ou vão atuar como revisores. O curso terá edição simultânea no Rio de Janeiro. No dia 19 de maio, será a vez de Curitiba (PR) e Recife (PE). Inscrições: eletrônicocre@cfc.org.br *** O Grupo Nova Edição comanda o Samba no Pátio, nesta sexta, no Shopping Jardim Guadalupe (RJ) *** A evolução da tatuagem como arte e sua adaptação no mercado de trabalho será abordada no Tattur – Tatuagem e Comportamento, dia 25 próximo, pela manhã, na Facha – Faculdades Integradas Hélio Alonso, unidade Botafogo. Mais informações: http://bit.ly/2qvJhtI

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

Mudar preços implica parar venda de refinarias

Mercado financeiro cobrará deságio, e Petrobras precisa de ativos para poder operar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.

Confiança da indústria e dos serviços caem em fevereiro

Níveis de Utilização da Capacidade Instalada também recuaram: o da indústria caiu 0,8 ponto percentual; e do serviço, 1 ponto.

Mau humor alastrando

Ontem, o mau humor dos investidores se fez presente no mundo e trouxe reviravolta para os mercados.