Mister P

O ex-prefeito Cesar Maia se defende – atacando – da acusação de que deixou um buraco na prefeitura do Rio de Janeiro. Diz ele que, em 2001, o FunPrevi (fundo de previdência dos servidores municipais) tinha R$ 1 bilhão em caixa; em 2008, este valor teria chegado a R$ 2 bilhões. “Mas a gestão – digamos, imprudente – da atual prefeitura levou à perda de R$ 300 milhões em dois anos. Como é possível isto ter acontecido?”

Furacão chileno
Para os que, após o fim da ditadura do verdugo Pinochet, visitaram o Chile, é sinônimo de júbilo a retomada do movimento estudantil, capaz de reunir 150 mil jovens, seus pais e professores. Diferentemente da sociedade fervilhante, politizada e mobilizada de antes do golpe, os 17 longos anos do fascismo que assolou aquele país, associado à administração despolitizante e neoliberal da Concertação, transformaram o Chile num país quase anódino em relação aos grandes temas nacionais e internacionais.
Ver a volta dos seu jovens às ruas é motivo de comemoração, para muito além das bandeiras que levantam em defesa da Educação, mas por celebrar a retomada do protagonismo das ruas em contraponto aos conchavos de gabinete que tornou a alternância do poder, na grande maioria dos países, mera troca de guarda nos condomínios que administram a vida da grande maioria do mundo, mantendo a essência das políticas financistas.

O rei está nu
A retomada da luta estudantil no Chile converge com o avanço de movimentos de Indignados, em vários países da Europa – fenômeno que apenas o dogmatismo da mídia ainda dominante impede que seja batizado de Primavera Européia. A irrupção desses grupos em lugares tão variados, como Espanha, Grécia e Portugal, não é mera coincidência. Em todos eles, a exemplo do Chile, os partidos que se alternam no poder nas duas últimas décadas não têm, salvo sutis nuanças na aplicação das políticas neoliberais – e claro, a briga pela chave do butim – qualquer diferença essencial entre o que oferecem a seus povos.
A expressão farsesca mais acabada dessas políticas siamesas é que, ao partido derrotado nas urnas por suas medidas antipopulares, segue-se outra agremiação – que, formalmente, se reivindica mais à direita ou à esquerda – mas que aplica o mesmo receituário, quando não o aprofunda. Et por cause, é apeado do poder, para que, então, a ele retornem os que anteriormente haviam sido derrotados pelas mesmas razões.
A presença dos Indignados nas ruas é um aviso de que as populações cansaram-se desse bipartidarismo engessado por regras que excluem outros atores das disputas eleitorais. Seu grande desafio será apresentar alternativas às políticas caquéticas, além da sua combativa oposição a estas medidas. Ainda que não avancem nessa direção, cumpriram o papel, só aparentemente óbvio, de dizer que o rei está nu.

Abastece
O segmento de lojas de conveniência em postos de gasolina deve crescer 10% este ano, ultrapassando a marca de 10 mil estabelecimentos, estimam os organizadores da ExpoPostos & Conveniência, que acontecerá em agosto, no Expo Center Norte, em São Paulo. Entre 2009 e 2010, as lojas tiveram um aumento de receita 5%.

Biomassa
Estudo realizado pela Embrapa Solos em parceria com a ONG Instituto BioAtlântica (IBio) quantificou a biomassa (quantidade total de matéria viva existente) de um florestas na Área de Proteção Ambiental Rio Macacu (RJ). Foram estimadas de 40 a 200 toneladas de biomassa por hectare. Isso equivale a algo em torno de 18 a 90 toneladas de carbono sequestrados ao ambiente. Esse estudo da biomassa florestal cria uma referência técnica para a regulamentação de pagamentos por serviços ambientais, previstos em decreto aprovado na Assembléia Legislativa do Rio. O estudo está disponível em www.cnps.embrapa.br/solosbr/pdfs/bpd163_2010_estimativas_biomassa.pdf

Esconjuro
Uma repórter deste jornal entrou em contato com a assessoria de imprensa do Itaú para saber se o banco integra a Sete Brasil, empresa constituída para financiar plataformas de petróleo para o pré-sal. São acionistas Petrobras, Caixa, Bradesco, BTG Pactual, outros bancos e fundos de pensão. A resposta do Itaú foi, no mínimo, intrigante: “Não comentaremos o assunto”. Medo de quê?

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNo galope da bolsa
Próximo artigoPadrão

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Reforma da Previdência desestimulou contribuição

Por Isabela Brisola.

Guedes fica mesmo avaliado com nota baixa

Apesar de abrir a possibilidade de aumentar a crise econômica e do desrespeito ao teto de gastos ou outras regras fiscais para bancar medidas...

Ex-ministro de Temer substituirá Funchal

O ex-ministro do Planejamento Esteves Colnago assumirá o comando da Secretaria Especial de Tesouro e Orçamento da pasta. A nomeação foi confirmada nesta sexta-feira...

Receita Federal abre consulta a lote residual de Imposto de Renda

A Receita Federal abriu nesta última sexta-feira consulta a lote residual de restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) relativo ao mês...

Vendas do Tesouro Direto superam resgates em R$ 1,238 bi em setembro

As vendas de títulos do Tesouro Direto superaram os resgates em R$ 1,238 bilhão em setembro deste ano. De acordo com os dados do...