Miséria latino-americana

Informe sobre o Desenvolvimento Humano (1997) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD – nos dá conta de que 11% da população latino-americana não chegará aos 40 anos de vida; 55 milhões de pessoas não têm acesso a serviços de saúde e 110 milhões à água potável. O percentual da população que vive abaixo do nível internacional de pobreza ( o equivalente a um dólar ao dia) aumentou de 22% em 1987, para 24% em 1993.
Existem outras cifras, igualmente impactantes, que não aparecem neste informe das Nações Unidas, mas que figuram em estudos feitos por outros organismos internacionais sobre a estrutura social da região e que contribuem para aumentar a inquietude como aquelas que nos revelam que, nos últimos 15 anos, os índices de pobreza sofreram um incremento de 40 milhões de pessoas no atual e doloroso universo de 170 milhões de pobres, o que representa, indubitavelmente, o problema de maior relevância e de maior gravidade de nosso Continente. Lamentavelmente, constata-se que neste significativo número de pessoas apresadas pela miséria figuram milhões de brasileiros.
Como superar esta angustiante situação? Como vencer a pobreza e alcançar um desenvolvimento equilibrado? É uma utopia o crescimento com equidade?
A realidade tem demonstrado que não é uma quimera a aspiração de abater a pobreza e crescer simultaneamente. Para isto é necessário por ênfase especial no desenvolvimento humano pois quanto maior for o progresso das pessoas, mais rápido será o banimento da pobreza crítica, e mais fácil será a tarefa de aplicar programas econômicos que garantam uma significativa rentabilidade social e um alto grau de desenvolvimento econômico.
O Chile tem sido um exemplo inconteste desta afirmativa. Este país superou com um crescimento de 7,5% a média anual de toda a região que foi de 3%, entre 1991 e 1995, e se converteu em líder do continente em expectativa de vida, sistema educacional e nível decente de vida.
Para o Continente e para o Brasil em particular, vencer a pobreza crítica é o desafio maior, a meta mais importante, a que não pode ser postergada sob pena de condenarmos esta imensa massa humana de excluídos ao eterno sofrimento.
Com este propósito, deve ser prioritário e imprescindível em todas as nossas estratégias de crescimento – posto que o homem é sujeito e fim de todo desenvolvimento – não desanimar na tarefa de transformar, urgentemente, as estruturas de nossa economia e, concomitantemente, realizar programas sociais que assegurem um crescimento eqüitativo e que garantam, em suma, que a penosa situação de sobrevivência com desespero de milhões de seres humanos seja permutada por um nível de vida com dignidade e esperanças.
Preocupemo-nos com a perversa e perigosa miséria em nossa região antes que seja tarde demais…

Manuel Cambeses Júnior
Coronel-aviador R/R e membro do Corpo Permanente da Escola Superior de Guerra.

Artigos Relacionados

Independência para quem afinal?

Por Ranulfo Vidigal.

Os tropeços de Úrsula von der Leyen

Por Edoardo Pacelli.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.