Modelo dependente

Há coisa de três semanas este jornal tratou da perda de fatia de mercado da Petrobras na distribuição de...

Há coisa de três semanas este jornal tratou da perda de fatia de mercado da Petrobras na distribuição de combustíveis, o que levou ao aumento da ociosidade nas refinarias da estatal – a estimativa é que hoje estejam operando a 75% da capacidade. Junto a isso, veio também o aumento nas importações de combustíveis, com forte impacto na balança comercial.

Agora, Miguel do Rosário, do site Cafezinho, faz importante levantamento sobre as compras externas de derivados do petróleo, especialmente do diesel. Este combustível é essencial para mover o Brasil – dada a opção, lá atrás, por influência externa, pelo modal rodoviário – e nossas refinarias não conseguem atender à demanda de mercado, devido às características do petróleo extraído no país. O resultado é que o mercado está sendo ocupado pelos Estados Unidos, cujas exportações de diesel para cá cresceram 177% em um ano. Os norte-americanos passaram a responder por 83% das vendas do derivado para o Brasil. Com isso, os EUA voltaram a encabeçar a lista de países dos quais mais compramos, superando a China (sim, apesar de todo seu desenvolvimento, é o combustível o principal produto da pauta de exportação norte-americana para o Brasil). O Cafezinho mostra ainda que os EUA ocuparam mercado que era, por exemplo, da Índia. Este país continua exportando normalmente, tem disponibilidade, mas viu suas vendas para o Brasil diminuírem.

Com o óleo extraído do pré-sal, mais leve, o Brasil tem condições de melhorar sua curva de produção e atender ao mercado interno – se dispuser de refinarias próprias para tal. Mas não é isso que está nos planos da atual direção da Petrobras. Motivada pelos problemas causados pela Lava Jato e por decisões tomadas pela diretoria, a estatal praticamente abandonou o investimento em refinarias. Nos últimos seis anos, as importações brasileiras de diesel somaram US$ 37 bilhões. Calcula o Cafezinho que seria suficiente para construir duas refinarias como a de Abreu Lima, que teria capacidade para processar 230 mil barris por dia. Mas a unidade no Nordeste está paralisada pelo tacão da acusação de propina. O que o país colhe com isso é exportação de óleo cru e importação de derivados – uma conta, obviamente, desfavorável tanto financeiramente, quanto economicamente e estrategicamente.

 

Alvo certo

As centrais sindicais realizarão nesta terça-feira, às 10 horas, ato contra os juros altos. O protesto acontecerá em frente ao prédio do Banco Central, na Avenida Paulista, 1804, em São Paulo.

 

Boleia pesada

Dos 4.063 motoristas avaliados no primeiro semestre pelo Programa Estrada para a Saúde do Sistema Anhanguera-Bandeirantes e Castello-Raposo, desenvolvido pelo Instituto CCR, 3.209 (79%) estão acima do padrão de Índice de Massa Corpórea (IMC) definido como ideal pela Organização Mundial de Saúde. Esta terça-feira, 25 de julho, é o Dia do Motorista.

 

Preço amedronta mais

Apesar da crise na segurança, este não é o principal ponto negativo apontado pelo turista português que visita o Rio de Janeiro. Dois terços colocaram os preços altos como o maior problema, seguido pela limpeza (28%) e população de rua (17%). Apenas 10% mencionaram a falta de segurança.

A pesquisa, iniciativa da Associação dos Embaixadores de Turismo do RJ, presidida por Claudio Castro, foi realizada na primeira quinzena de julho com 800 portugueses que visitavam a cidade. Coordenado por Bayard Boiteux e Gustavo Delesderrier, o levantamento mostra que 35% visitavam a cidade pela primeira vez, e 50% já estavam na segunda ou terceira visita. Metade fica de quatro a sete dias no Rio, e o gasto médio diário é de 90 a 140 euros (segundo 45% dos entrevistados).

O turista foge do perfil preconcebido: três em cada quatro estão na faixa etária entre 18 e 45 anos. Quanto à aprovação da Cidade Maravilhosa, 90% retornariam.

 

Rápidas

A Total abriu vagas para a filial de Exploração e Produção no Rio de Janeiro. Um sinal de que o setor pode estar se recuperando, ou então que as companhias estrangeiras estão ocupando espaço da Petrobras. Inscrições em www.careers.total.com *** A Facha – Faculdades Integradas Hélio Alonso está com as inscrições abertas para as turmas dos cursos de extensão e pós-graduação. Entre os destaques estão os MBA em Comportamento do Consumidor, Direito Médico e Hospitalar e Branding. Informações e inscrições: http://extensao.facha.edu.br/ http://pos.facha.edu.br/home *** A FGV EAESP, Escola de Administração de Empresas da FGV, nesta quarta, a partir das 19h, debate sobre o futuro das relações entre empresas e governo no Brasil. Inscrições: http://portal.fgv.br/eventos/futuro-relacoes-entre-empresas-e-governo-brasil

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEsquerda toda a vida
Próximo artigoPiratas e corsários

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais