Modernismo, auto-estima e o Brasil

Moderno é tudo que está na moda. Para muitos europeus, o que importa não é o moderno, mas o que é eterno. Todavia, para nós brasileiros o moderno importa muito.
O termo modernismo foi utilizado, internacionalmente, para designar uma ampla tendência vanguardista, de romper com padrões rígidos e produzir uma criação mais livre, verificada a partir do final do século XIX. É uma reação às academias de arte e causa o surgimento de diversos movimentos como o expressionismo, o cubismo, o dadaismo, o realismo e o futurismo.
A primeira exposição moderna no Brasil foi realizada, em 1913, por Lasar Segall. Em 1917, Anita Malfatti se tornou a primeira brasileira a expor arte moderna., causando uma grande controvérsia.
Contudo, no Brasil o termo modernismo não seguiu seus cânones universais e teve vida própria. Modernismo denomina o movimento desencadeado pela Semana de Arte Moderna de 1922, na qual foi defendida a mescla de certos movimentos artísticos internacionais à cultura nacional, incorporando-os como se nossos fossem, o que escandalizou público e crítica.
Este escândalo na verdade nos fez capaz. Mais que isto, nos deu auto-estima. Até então, cem anos passados da independência, o Brasil não era independente culturalmente. A Semana de Arte Moderna de 1922 foi só o início de um processo que nos fez sentir capazes de construir um novo processo histórico, de construir uma nova civilização nos trópicos, de nos sentirmos criadores e não criaturas. Em 1924, Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral lançam o Manifesto Pau-Brasil, que enfatiza a criação de uma arte brasileira, com a absorção crítica de tendências européias. O Manifesto Antropofágico, de 1928 radicaliza essas idéias propondo a “digestão” de influências e valores estrangeiros para impor um caráter brasileiro à arte e à literatura. No mesmo ano, Gilberto Freyre lança o Manifesto Regionalista. Já o Grupo da Anta, liderado por Menotti del Picchia e Cassiano Ricardo, segue outro rumo. Fecham-se às vanguardas européias e iniciam um movimento denominado verde-amarelismo, no qual aderem à idéias políticas que prenunciam o integralismo.
O principal veículo de idéias modernistas foi a Revista Klaxon, lançada em maio de 1922. Citaremos os mais marcantes autores do movimento modernista no Brasil e suas principais obras, na publicação de textos: Oswald de Andrade (Serafim Ponte Grande; Pau-Brasil; Memórias Sentimentais de João Miramar; O Homem e o Cavalo; O Rei da Vela); Mário de Andrade(Há uma Gota de Sangue em Cada Poema-Pré-Modernista-; Paulicéia Desvairada; Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter; A Escrava que não é Isaura; Lira Paulistana; Belazarte); e nas belas artes: Lasar Segall (Guerra; Pogrom; Navio de Imigrantes); Anita Malfatti (A mulher de cabelos verdes [1917]; O homem amarelo [1917]); Tarsila do Amaral (Mamoeiro; Os operários; O Abaporu [1928]; Segunda Classe); Di Cavalcanti (Samba [1928];Cinco moças em Guaratinguetá [1930]; Mulata Sentada [1936]; Ciganos [1940]; Cenas da Bahia [1960]); Cândido Portinari (Café; Os Retirantes; Tiradentes; Chegada de Dom JoãoVI; Descobrimento do Brasil; Guerra e Paz [sede da ONU]); Ismael Nery (Dois Amantes; Casal; Homem com Foice; Mulher e Cão; Duas Figuras; Paisagem com Casas); Victor Brecheret (Monumento às Bandeiras; Ídolo; Depois do Banho; O Índio e Sasuapara). Destes citamos as obras e fomos injustos não citando, também, as daqueles outros integrantes principais, que adiante listaremos do movimento que redescobriu o Brasil, algo que só não fazemos pela exiguidade de espaço. Os outros brasileiros que nos levaram a acreditar no Brasil foram, na literatura: Monteiro Lobato; Menotti Del Picchia; Graça Aranha e Cassiano Ricardo; e nas artes plásticas: Flávio de Carvalho; Celso Antônio; Bruno Giorgi; Oswaldo Goeldi; Lívio Abramo; Regina Graz; Jonh Graz; Cícero Dias; Vicente do Rego Monteiro; Alberto Guignard; Milton da Costa; Alfredo Volpi e Rebolo.
Estes homens e mulheres criaram, no campo da cultura, valores que nos transformaram. Criaram um Brasil novo que se amava. Sob a égide deste Brasil novo, nos cinqüenta anos que vão de 1930 a 1980, nos desenvolvemos como nenhuma nação deste planeta. Entretanto, a partir da década de oitenta, o deslumbramento com o moderno, vindo do norte, envelheceu o que era novo, tornando tudo velho. Hoje, o Brasil não se sente capaz. Certamente é muito mais capaz do que quando aqueles pioneiros acreditaram no Brasil. Contudo, não se sente capaz. Para haver desenvolvimento vários fatores são necessários, mas um é primordial,: ter auto-estima, sentir-se capaz. Por isto aproveito este artigo e conclamo as secretarias de Cultura dos governos estaduais daqueles que continuam a acreditar no Brasil e não se globalizaram, como Minas Gerais, Rio de Janeiro ou Rio Grande do Sul, a promoverem, no ano 2000 ou 2001, uma Semana de Arte do Brasil, que promova os grandes escritores e artistas que nós temos e os nossos valores, nos demais campos da cultura. Se assim o fizermos, retomaremos nossa auto-estima; que teimam em tentar nos retirar e nos descobriremos muito mais capazes, capazes até de nos tornarmos o centro do mundo no século XXI.

Darc Costa
Membro do Conselho Editorial do MONITOR MERCANTIL e do Conselho Diretor do Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos (Cebres).

Artigos Relacionados

Independência para quem afinal?

Por Ranulfo Vidigal.

Os tropeços de Úrsula von der Leyen

Por Edoardo Pacelli.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Bolsonaro pressionado

Março começa com presidente pressionado por recordes de óbitos pela Covid-19 e ainda sem definição sobre auxílio emergencial.

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.