Modus operandis

O veto do presidente FH à correção da tabela do Imposto de Renda em 17,5%, que será confirmada pela edição de uma medida provisória, revela outra faceta deste governo: a de mau perdedor, que tenta apresentar como concessão sua o que foi aprovado contra sua vontade pelo Congresso. Essa é a interpretação mais favorável. Pior que isso seria acreditar que, somente aos 45 minutos do segundo tempo, o governo teria descoberto a possibilidade de um fantástico rombo de R$ 100 bilhões – cerca de 10% do PIB do país – caso a correção da tabela fosse estendidas às pessoas jurídicas.

Lotado
Na esteira da alta do dólar (problema reduzido no final de 2001) e dos atentados contra os EUA em setembro, o turismo interno brasileiro se fortalece. Os hotéis administrados pela Accor no Rio de Janeiro e Nordeste estão lotados até o Carnaval. Ao todo, nesta alta temporada, os hotéis da cadeia em todo o Brasil estão registrando aumento de 20% na ocupação em relação ao mesmo período do ano passado. Na região Sul, onde os hotéis são dirigidos ao turismo de negócios, apesar da crise argentina não foi registrada retração até o momento. Segundo estimativa da Embratur, do começo de 2001 até o Carnaval de 2002, 50 milhões de turistas brasileiros terão viajado pelo país, 5 milhões a mais do que o previsto antes dos atentados terroristas. A empresa prevê também que 5,38 milhões de estrangeiros visitarão o Brasil nesse período, 40,4% deles com a família, passando, em média, uma semana no país.

À vista
Donos de automóveis no Rio de Janeiro não devem perder a oportunidade – se tiverem dinheiro aplicado – de pagar o IPVA à vista com desconto de 10%. Se parcelado, nenhuma aplicação consegue, em dois meses (a primeira parcela é paga à vista), tamanha remuneração – salvo nova arremetida do dólar. Tamanha generosidade do Governo do Estado tem explicação: o dinheiro que entrar no caixa agora ainda tem chance de ser usado pelo governador Anthony Garotinho antes de deixar o cargo para concorrer à Presidência. Para a vice Benedita, que assumirá o cargo, sobrarão os caraminguás de quem parcelar o imposto.

Inimigos
Estão prontos os cartazes com fotos dos deputados do estado do Rio de Janeiro que votaram com o governo no projeto que muda a CLT. O trabalho foi feito pela CUT-RJ e será distribuído aos sindicatos filiados à central, que se encarregarão de reproduzir e colar o cartaz.

Piratas?
Empresas vêm oferecendo ao setor corporativo serviços de telecomunicação de longa distância internacional. Prometem preços inferiores aos da Embratel e Intelig e apresentam tabela em dólares. Garantem que o serviço é legalizado. Consultada, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) respondeu laconicamente que o encaminhamento de chamadas telefônicas internacionais só pode ser feito por empresa operadora de STFC (telefonia fixa, mas a burocracia adora uma sigla) de longa distância, Embratel e  Intelig.

Blefe
O anúncio de que as empresas de telefonia vão criar um cadastro único de inadimplentes confirma notícia publicada pelo MONITOR MERCANTIL de que a ameaça feita pelas companhias – especialmente a Embratel – de colocar os nomes dos devedores no SPC não passava de ameaça infundada, engolida por uma parte da imprensa pouco acostumada a apurar fatos. A reportagem do MM procurou, na ocasião, o Clube dos Diretores Lojistas do Rio, que descartou a possibilidade de incluir no SPC os inadimplentes do setor de telefonia.

Fervor
Quem ouve o ministro Pedro Malan invocar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para rebater qualquer reivindicação de DNA não financeiro não tem mais a menor dúvida: Malan é o mulá-mor do tucanato e a LFR é a sua bíblia.

Paternidade
Sem tirar a responsabilidade de Fernando de la Rúa – que além de desrespeitar os votos que obteve foi incompetente e até ingênuo – esta coluna tem um lembrete para os recém convertidos críticos à paridade argentina: os responsáveis (internos) pelo desastre no país vizinho são Menen e Cavallo – não necessariamente nessa ordem.

Artigo anteriorCinderela às avessas
Próximo artigoConta do chá
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Imposto maior sobre corporações poupa ricaços

Piketty calcula que tributação sobre grandes fortunas poderia render 10 vezes mais.

Governo quer reduzir indústria naval a desmonte de ferro-velho

Deputados cobram a utilização e a inovação do parque industrial instalado no Rio.

Juntar 2 meses e meio de auxílio para comprar cesta básica

Não só a pandemia, mas inflação é ameaça às pretensões de Bolsonaro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Emirados Árabes e Líbano compraram arroz do Brasil em março

Segundo associação do setor, os dois países estiveram entre os destinos internacionais do arroz brasileiro no mês passado.

Indústria tenta se recuperar no primeiro trimestre

Setor de bebidas se destacou no trimestre, com 53,8% de crescimento no período e 16,7% no acumulado de 12 meses.

China produzirá 3 bilhões de vacinas até fim do ano

Sinovac, que produz a Coronavac, promete entregar 2 milhões de doses.

Rio aumenta incentivo para cultura e esporte

Restituição do ICMS aumenta para 2% e 0,5% .

TCU relata abuso de poder no combate a Covid-19

Relatório do Tribunal de Contas da União (TCU), concluído em abril, mostra que o governo alterou documentos para se eximir da responsabilidade de liderar...
Monitor Mercantil