Moedas digitais se espalham, e os riscos também

FMI defende governos no controle.

As contas em dinheiro eletrônico não só estão crescendo muito mais rapidamente nos países de renda baixa e média do que nos ricos, mas agora também são mais numerosas. A África, em particular, está liderando o caminho, afirmam Tobias Adrian, diretor, e Tommaso Mancini-Griffoli, economista do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Os stablecoins (moedas digitais apoiadas por ativos externos, como dólares), esotéricos há dois anos, triplicaram de valor nos últimos seis meses (de US$ 25 bilhões para US$ 75 bilhões), enquanto os criptoativos (como o bitcoin) dobraram (de US$ 740 bilhões para US$ 1,4 trilhão).

De acordo com dados do FMI, as CBDCs (moedas digitais do banco central emitidas publicamente) estão sendo analisadas de perto, testadas ou provavelmente serão emitidas em pelo menos 110 países. Os exemplos vão desde as Bahamas já em uso, ao projeto-piloto eCNY do Banco do Povo da China, ou países como os Estados Unidos, onde os benefícios e desvantagens de um dólar digital ainda estão sendo estudados.

Iniciativas privadas também estão proliferando, como eMoney (como o serviço de transferência de dinheiro móvel do Quênia, MPesa) e as stablecoins. Os menos estáveis do lote, que dificilmente se qualificam como dinheiro, afirma os economistas do FMI, são as criptoativos que não têm lastro e “estão sujeitas aos caprichos das forças do mercado”.

Ainda que listem vantagens nas moedas digitais, Adrian e Tommaso alertam para os riscos: “As implicações de maior alcance são para a estabilidade do sistema monetário internacional. O dinheiro digital deve ser projetado, regulado e fornecido para que os governos mantenham o controle sobre a política monetária para estabilizar os preços e sobre os fluxos de capital para estabilizar as taxas de câmbio.”

As novas formas de dinheiro devem permanecer confiáveis, proteger a riqueza dos consumidores, estar seguras e ancoradas em estruturas legais sólidas e evitar transações ilícitas, advertem. “Os desafios são significativos, assim como a recompensa potencial. Mas a ação política deve começar imediatamente. Este é o momento de estabelecer uma visão comum para o futuro do sistema monetário internacional e para fortalecer a colaboração internacional, recomenda o FMI.

Leia também:

Três perguntas: Pix – como está, próximas fases e perspectivas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Ômicron se espalha pelo mercado financeiro

Bolsas caem com especulação sobre efeitos da nova variante.

Últimas Notícias

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...

STF desbloqueia bens de Lula

Por maioria de três votos a um, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta sexta-feira, desbloquear os bens do ex-presidente Lula...