Momentos de crise exigem uma gestão eficiente

Por Márcio Massao Shimomoto.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Sabemos que qualquer empresa, independentemente do porte ou segmento, enfrentam eventuais crises. Temos como exemplo recente a crise gerada pela pandemia do novo coronavírus, que afetou a vida da sociedade e empresas em geral. Com a suspensão de parte das atividades comerciais e das aglomerações, profissionais autônomos e pequenas empresas foram gravemente prejudicados. Medidas emergenciais foram adotadas como redução de gastos das empresas, adoção do home-office, antecipação de férias para os funcionários, redução de jornada com redução de salário, e a busca de financiamentos emergenciais.

Passado o estágio de calamidade e de forma progressiva as atividades foram sendo retomadas, mas as incertezas ainda perduram. Nem sempre é possível prever uma crise, o que justifica um planejamento estratégico prévio e uma equipe engajada para solucionar e minimizar os problemas. Como viabilizar a retomada à normalidade em um novo normal?

Ficou claro que novos hábitos e comportamentos deverão ser adotados no meio corporativo. É um grande desafio para as empresas e podemos destacar que a adaptação ao home-office foi a que ganhou maior destaque, vale ainda dizer que muitas empresas adotaram de forma definitiva este estilo de trabalho gerando grande economia para as empresas.

Como CEO de uma empresa contábil, tivemos uma grande demanda de trabalho por conta das medidas adotadas pelo governo, momento que o contador foi imprescindível para conduzir as empresas e assegurar decisões assertivas.

Foi importante avaliar caso por caso, afinal cada empresa atua de forma diferente no mercado, portanto conforme a atividade apresentamos soluções para mitigar os efeitos desta crise, acompanhamos de forma precisa a postergação dos impostos, direcionamos as empresas para criarem condições tecnológicas para o trabalho remoto, auxiliar na busca de financiamento governamentais, não esquecendo que com a implementação da LGPD foi necessário avaliar as políticas de trabalho, e identificar fornecedores alternativos para não interromper o funcionamento da empresa, o planejamento é essencial neste momento.

Lembrando que o departamento de recursos humanos teve que se reinventar para responder de forma positiva a todas as mudanças, dentre elas a MP 936. Outro fator importante é preservar a saúde dos funcionários, afinal os funcionários são prioridade. Organização e processos é fundamental, afinal as empresas tiveram que dar respostas rápidas com muita transparência para todos os envolvidos.

Podemos dizer que estamos vivenciando a segunda etapa onde as empresas já estão operando e ajustando os danos causados pela pandemia. Desesperar jamais, estamos partindo para o novo, e o mais importante é ter consciência que tudo passa, e sairemos mais fortes e mais fortes para novas conquistas.

 

Márcio Massao Shimomoto

CEO da King Contabilidade e presidente do Instituto Fenacon – Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor