Monopólios

A entrada da Telefónica de España no Brasil não se limita a mera expansão dos seus negócios no setor de teles. Tendo como principais braços financeiros os bancos Santander e BBVA, a Telefónica tornou-se um dos principais players dos negócios mundiais. Além da América Latina, ela investiu pesado no mercado norte-americano, comprando 38% das ações da Lycos.
Dessa associação, resultou a Terra Lycos, uma empresa com atuação em 40 países e detentora de 81 portais, 61 milhões de assinantes e 33 milhões de visitantes por mês e a produção de 200 milhões de páginas por mês. Esse gigante é abastecido pelas duas mil empresas com as quais mantém associações em todo o planeta.
Monopólios II
Num mundo cada vez mais controlado por poucos oligopólios, a busca pelo lucro crescente permite que rivais em alguns mercados se associem em outros. Com a compra da Lycos, a Telefónica se tornou sócia da alemã Bertelsmann, que controla a Lycos na Alemanha e é associada minoritária na França.
Um dos cinco maiores megagrupos de infoentretenimento, a Bertelsmann, faturou US$ 15 bilhões, em 1997, amealhando lucro líquido de US$ 595 milhões. Proprietária de 50 empresas, atua em 54 países em parcerias com 600 empresas. Seus negócios incluem rádio, TV, revistas, jornais, gráficas, indústria de papel, gravadoras, editoras, produtoras de filmes e vídeos, operadoras de TV por assinatura, firmas multimídias e serviços on line.  

Fonte
Se apenas 10% do que ACM e Jáder Barbosa dizem um do outro for verdade, o Congresso Nacional pode estar diante de uma fonte alternativa para financiar o aumento do salário mínimo.

Que idéia!
Um dos principais baluartes do pensamento crítico no meio acadêmico, a Unicamp parece ter sucumbido à retórica globalizante. Na próxima terça-feira, a Conpec, empresa júnior de computação da Unicamp, promove o 1º …. Idea”s Adventure! Como o objetivo é debater iniciativas empreendedoras com estudantes e profissionais brasileiros e empresas nacionais ou instaladas no país, o nome em inglês soa a pedantismo incompreensível.
Peso
O neoliberalismo se infiltra mesmo em locais onde se esperava algum sopro de vida independente. A turma deste ano do curso MBA Executivo do Coppead – órgão da Universidade Federal do Rio de Janeiro – escolheu como patrono o presidente do Banco Central, Armínio Fraga. O release que divulga o nome “de peso” acrescenta que ele foi escolhido “por representar uma nova postura do Estado diante do setor empresarial”. A frase diz pouco, mas permite supor que, tendo Fraga saído dos fundos do megaespeculador Soros direto para o BC, os alunos desta turma são chegados a uma globalização financeira.

Autoridade
O motorista do microônibus da Polícia Militar do Rio de Janeiro placa 12-0089 não se contentou em trafegar na Ponte Rio-Niterói pela pista da esquerda e acima da velocidade máxima de 80 km/h, na última sexta-feira, por volta de 13h40. Ele quase abalroou um corsa ao mudar perigosamente de pista. A torcida é para que o PM não seja lotado no Grupamento de Trânsito.

Pirueta
Jornalistas que incursionaram pelo campo da aviação este ano podem se inscrever para o Prêmio Santos Dumont de Jornalismo. Curioso é o prêmio destinado ao vencedor: uma viagem aos EUA e ao Canadá para conhecer a Bombardier, principal municiadora da artilharia aérea canadense contra o Brasil na Organização Mundial de Comércio (OMC). Como o evento é organizado pelo Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica talvez fosse o caso de mudar o nome do prêmio para Irmãos Wright.

Em campo
O ex-jogador Raí, tetracampeão do mundo em 1994 pela seleção brasileira de futebol, é a mais recente estrela a confirmar presença no Fórum Social Mundial (FSM), que será realizado, em janeiro, em Porto Alegre. Coordenador de uma fundação que trabalha junto à juventude, Raí deve falar sobre o seu novo trabalho depois que abandonou os gramados. O FSM é fórum de debates permanente de alternativas ao neoliberalismo.

Comando
Elizabeth Garbayo, com passagem pelo BNDES e CVM, assumirá a superintendência da primeira clearing especializada em mercado de renda fixa. Criada pela Associação Nacional das Instituições do Mercado Aberto (Andima), a nova empresa de liquidação (sociedade anônima de capital fechado) está sendo licitada , também, pela Febraban, para executar guarda e liquidação das operações do sistema bancário.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHegemonia
Próximo artigoIncomodado

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Receita apreende mercadorias piratas avaliadas em R$ 1 milhão

Foram apreendidos na operação 170 volumes de mercadorias englobando videogames e acessórios, roteadores, entre outros.

Prorrogada a CPI dos royalties do Rio por 30 dias

Prorrogação do prazo se deve à complexidade da matéria e aos vários documentos requisitados que ainda estão sendo recebidos pela comissão.

Governo dos EUA se prepara para paralisação na semana que vem

Em outra frente de luta, líder democrata Nancy Pelosi anuncia acordo sobre pacote de Biden.

Alimentos são direito, não mercadoria, diz ONU

Três bilhões de pessoas não podem pagar uma dieta saudável.

PEC 32: Comissão da Câmara aprova texto-base da reforma administrativa

Proposta do relator tem terceirização e privatização do serviço público.