Monsanto agora é 100% é Bayer

“Nossas metas ligadas a sustentabilidade são tão importantes quanto nossas metas financeiras”, disse CEO da...

Mercado Financeiro / 20:26 - 7 de jun de 2018

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

“Nossas metas ligadas a sustentabilidade são tão importantes quanto nossas metas financeiras”, disse CEO da Bayer  


A Bayer finalizou nesta quinta-feira todos (7) a conclusão do processo de aquisição da Monsanto tornando-se o único acionista da empresa. A Bayer obteve todas as aprovações exigidas pelas autoridades regulatórias.  As ações da empresa americana não serão mais negociadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque, agora que a Bayer é a única proprietária da Monsanto. Os acionistas da Monsanto receberão 128 dólares por cada ação. A J.P. Morgan auxiliou a Bayer a concluir o processo de pagamento desta que foi a maior aquisição da história da empresa e que envolveu US$ 63 bilhões de investimento. A união significa o surgimento da maior empresa agrícola do mundo.

De acordo com a aprovação condicional do Departamento de Justiça dos Estados
Unidos, a integração da Monsanto com a Bayer poderá acontecer assim que os
desinvestimentos para a BASF estejam concluídos. É esperado que o processo de
integração comece em aproximadamente dois meses.

"Hoje é um ótimo dia: para os nossos clientes – agricultores ao redor do
mundo, aos quais seremos capazes de ajudar a manter e aumentar cada vez mais
suas colheitas; para nossos acionistas, pois essa transação tem o potencial de
criar valor significativo; e para os consumidores e a sociedade como um todo,
pois estaremos melhor posicionados para ajudar os agricultores de todo o mundo a
cultivar alimentos mais saudáveis e acessíveis e de maneira sustentável. Como
um motor líder em inovação na agricultura, nós oferecemos aos colaboradores
mundialmente empregos atrativos e oportunidades de desenvolvimento," disse
Werner Baumann, Presidente do Conselho de Administração da Bayer.

O executivo também ressaltou em nota sobre a importância da sustentabilidade nos projetos da empresa. "Nossas metas ligadas a sustentabilidade são tão importantes quanto nossas metas financeiras. Nosso objetivo é estar em linha com as responsabilidades que uma
posição de liderança na agricultura implica e aprofundar o nosso diálogo com
a sociedade."

Segundo Baumann, a aquisição da Monsanto é um marco estratégico para o fortalecimento do portfólio de negócios da empresa.

"O anúncio de hoje representa um importante marco rumo ao objetivo de criar
uma empresa líder na agricultura, ajudando os agricultores em seus esforços de
serem mais produtivos e sustentáveis, beneficiando nosso planeta e os
consumidores," disse Hugh Grant, atual Presidente e CEO da Monsanto. "Estou
orgulhoso do caminho que percorremos como Monsanto e estou ansioso para como a
nova companhia poderá impulsionar a agricultura moderna." Liam Condon, membro do Conselho de Administração da Bayer, irá liderar a divisão Crop Science quando a integração começar. Até lá, a Monsanto e a Bayer continuam a operar de forma independente.

 

Marca polêmica desaparece

Com a aquisição, a marca Monsanto desaparece do mapa. Aliás, acredita-se que extinção da marca Monsanto – que atraiu críticas contundentes de ativistas ambientais nos últimos anos por sua promoção de organismos geneticamente modificados-- deve ajudar a superar a imagem negativa da empresa, acredita a compradora.

Os produtos adquiridos manterão suas marcas e farão parte do portfólio da Bayer. "A aquisição da Monsanto é um marco estratégico para o fortalecimento de nosso portfólio de negócios líderes em saúde e nutrição. Dobraremos o tamanho de nosso negócio agrícola e criaremos um motor líder de inovação na agricultura, permitindo atender melhor nossos clientes e liberando o potencial de crescimento de longo prazo setor", disse recentemente Werner Baumann, presidente do Conselho de Administração da Bayer AG.

A aquisição agrega valor significativo aos negócios e projetos de expansão da Bayer. A empresa aguarda uma contribuição positiva ao lucro básico por ação a partir de 2019. A partir de 2021 essa contribuição deverá ser de dois dígitos percentuais, acredita a empresa. Em quatro anos, a Bayer espera que as sinergias proporcionem contribuições anuais de US$ 1,2 bilhão ao EBITDA antes de itens especiais.

A compra da Monsanto envolveu esforços da Bayer que obteve um financiamento inicial de US$ 57 bilhões. Esse montante está sendo refinanciado por meio de uma combinação de operações de ações e dívidas, algumas das quais já foram concluídas.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor