Moro vai confirmar as acusações?

Sergio Moro ocupou 45 minutos de pronunciamento para se lançar candidato. Depois de ano e meio apagado no Governo Bolsonaro e bombardeado pela Vaza Jato, ele sai – perante seus apoiadores – menor do que entrou; perante seus adversários, deu o que se esperava dele.

A trajetória do ex-juiz e ex-ministro estará muito ligada ao que fará amanhã: reafirmará as acusações contra Bolsonaro, que motivaram o procurador-geral da República, Augusto Aras, a pedir ao Supremo abertura de inquérito, ou recuará?

Alguns fatos atribuídos pelo ex-ministro a Bolsonaro podem ser desmentidos pelo presidente, a menos que Moro tenha guardado alguma prova (a requisição do inquérito sobre o laranjal do PSL, solicitado por Bolsonaro quando estava em visita ao Japão, por exemplo).

Mas uma das acusações depende apenas de Moro, quando diz que não assinou a demissão do diretor-geral da Polícia Federal. Houve, portanto, um crime de falsidade ideológica.

Também ex-juiz federal, o governador do Maranhão, Flávio Dino, tuitou: “O depoimento de Moro sobre aparelhamento político da Polícia Federal como base para o ato de exoneração do delegado Valeixo constitui forte prova em um processo de impeachment.” E prosseguiu o governador: “Um dos mais confusos pronunciamentos presidenciais já vistos no país. E a questão substantiva é: por que pedir para interferir em investigações criminais? Por que pedir informações de inteligência da Polícia Federal?” A sentença: “Moro fez delação, e Bolsonaro fez confissão. Tudo muito grave. Lamentável.”

 

Habeas preventivo

Ao citar a família, especificamente os filhos, Bolsonaro está fazendo – na linguagem de mercado – um hedge para o chumbo grosso que vem por aí?

 

A Viúva paga

Mais novo integrante das estatísticas de desemprego, Sergio Moro afirmou no discurso que fez uma única exigência: como estava abandonando 22 anos de contribuição para previdência, queria que sua família fosse amparada caso algo acontecesse com ele, insinuando que poderia ser alvo de atentado.

Para o governador do Maranhão, Flávio Dino, “Moro, infelizmente, confessa mais uma ilegalidade: pediu pensão ou algo similar pra aceitar um cargo em comissão. Algo nunca antes visto na história. E tal condição foi aceita? Não posso deixar de registrar o espanto”.

Se não queria deixar dona Rosângela desamparada, Moro poderia ter feito o que todo chefe de família com recursos faz: um seguro de vida.

 

Privados unidos com SUS

Construído em 19 dias, o Hospital de Campanha Lagoa-Barra abrirá suas portas nesse sábado, de forma escalonada. Estarão em funcionamento antecipado 30 leitos, sendo 10 de UTI e 20 de enfermaria. O hospital, voltado exclusivamente para atender pacientes do SUS, vítimas da Covid-19, terá 200 leitos no total, sendo 100 de UTI. Os pacientes serão encaminhados pela Secretaria Estadual de Saúde.

A Rede D’Or lidera a construção e operação do Hospital, sendo que os profissionais de saúde são todos da empresa. O investimento total é de R$ 45 milhões, dos quais a Rede arca com R$ 25 milhões; R$ 20 milhões estão sendo custeados pela Bradesco Seguros, Lojas Americanas, Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP) e Banco Safra, em partes iguais.

 

Sem lógica

Pessoa que foi próxima ao ex-ministro Gustavo Bebianno, falecido em março, diz que ele comentava que Bolsonaro e sua trupe tomavam atos sem a menor explicação lógica. Nem todos os rompantes são parte de uma estratégia.

 

Rápidas

A Ordem dos Advogados do Brasil, em parceria com a Associação dos Advogados de São Paulo (Aasp) e apoio de várias instituições, realizará a 1ª Videoconferência Nacional do Direito de Defesa e Advocacia Criminal. A programação terá início nesta segunda-feira, e vai até 1º de maio, sempre às 14h. A abertura contará com a participação do ministro Dias Toffoli, presidente do STF, e o encerramento com o ministro Gilmar Mendes *** O grupo Tholl, especializado em técnicas circenses, apresentará o espetáculo Exotique nesse fim de semana nas redes do Teatros Uerj. Acesse o canal do YouTube *** O IAG – Escola de Negócios da PUC-Rio promove webinar sobre liderança na próxima quarta, às 18h. O evento será transmitido pelo canal do IAG no YouTube. Inscrições aqui.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ANS determina que planos cubram novos remédios, exames e cirurgias

Novos exames e tratamentos passaram a fazer parte da lista obrigatória de assistência, que deverá ser observada a partir de abril.

Ibovespa futuro sobe no momento, mas com muita cautela

No exterior, Bolsas globais recuam em meio a preocupações com a inflação nos EUA.

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...

Trava política impede recuperação mais forte

Nesta segunda, mercados aqui foram na mesma direção do exterior em recuperação, mas sem mostrar maior tração. 

Sony deixará de vender áudio e vídeo no Brasil

Multinacional japonesa venderá aqui apenas consoles de games importados.