Movimento de cargas crescerá 17% no RJ

Em palestra no seminário intitula “Rio de Janeiro, uma economia dinâmica – Oportunidades de investimentos em transportes”, organizado pela Câmara de Comércio Americana, nesta sexta-feira, o presidente da Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ), Antônio Carlos Soares, revelou que os portos fluminenses deverão fechar o ano de 2004 com crescimento de 17%, comparando com o movimento de cargas registrado no ano passado. Somando os dois anos de gestão regional sob o governo Lula, os portos do estado terão crescido 41% em movimentação de cargas.
Até o final do ano, a Docas do Rio receberá R$ 10,2 milhões, a serem aplicados em obras emergenciais nos portos do Rio de Janeiro e de Sepetiba. Os R$ 2,7 milhões para o Porto do Rio servirão para obras de dragagem, melhorar o acesso ferroviário, construção de uma nova subestação elétrica, instalação de balanças rodoviárias e uma ferroviária, recuperação da pavimentação das vias internas e demolição do armazém frigorífico.
O Porto de Sepetiba receberá, emergencialmente, R$ 7,5 milhões, a serem aplicados em recuperação das vias internas, construção de viaduto de acesso ao porto na BR-101, duplicação da estrada de acesso ao porto, ampliação da capacidade do sistema ferroviário, entre outros pontos.

Agenda

A verba de R$ 10,2 milhões para os portos fluminenses, para liberação ainda este ano, faz parte da Agenda Portos, definida pelo governo federal, como forma de solucionar os principais gargalos da infra-estrutura portuária brasileira. O governo prevê investir mais R$ 220 milhões nos próximos dois anos em obras de infra-estrutura nos 11 principais portos do país, responsáveis por 89% das exportações brasileiras. O presidente da Docas do Rio explicou que as obras emergenciais tornarão possível a expansão das atividades portuárias dos quatro portos sob sua administração – os do Rio, Sepetiba, Angra dos Reis e Niterói.
“Paralelamente, estaremos tocando o nosso Programa de Arrendamento de Novas Áreas Portuárias, que só para Sepetiba prevê investimentos privados da ordem de US$ 626 milhões, gerando cerca de 16 mil empregos diretos e indiretos”, afirma.
O programa de arrendamentos ainda projeta investimentos de US$ 582 milhões para o Porto do Rio, gerando 23 mil novos empregos; US$ 210 milhões para Angra dos Reis, com a geração de 15 mil empregos; e US$ 8 milhões para Niterói, com 2.250 novos empregos.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMe dá o troco aí
Próximo artigoUnivitelinos

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...