Movimento de cargas crescerá 17% no RJ

Em palestra no seminário intitula “Rio de Janeiro, uma economia dinâmica – Oportunidades de investimentos em transportes”, organizado pela Câmara de Comércio Americana, nesta sexta-feira, o presidente da Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ), Antônio Carlos Soares, revelou que os portos fluminenses deverão fechar o ano de 2004 com crescimento de 17%, comparando com o movimento de cargas registrado no ano passado. Somando os dois anos de gestão regional sob o governo Lula, os portos do estado terão crescido 41% em movimentação de cargas.
Até o final do ano, a Docas do Rio receberá R$ 10,2 milhões, a serem aplicados em obras emergenciais nos portos do Rio de Janeiro e de Sepetiba. Os R$ 2,7 milhões para o Porto do Rio servirão para obras de dragagem, melhorar o acesso ferroviário, construção de uma nova subestação elétrica, instalação de balanças rodoviárias e uma ferroviária, recuperação da pavimentação das vias internas e demolição do armazém frigorífico.
O Porto de Sepetiba receberá, emergencialmente, R$ 7,5 milhões, a serem aplicados em recuperação das vias internas, construção de viaduto de acesso ao porto na BR-101, duplicação da estrada de acesso ao porto, ampliação da capacidade do sistema ferroviário, entre outros pontos.

Agenda

A verba de R$ 10,2 milhões para os portos fluminenses, para liberação ainda este ano, faz parte da Agenda Portos, definida pelo governo federal, como forma de solucionar os principais gargalos da infra-estrutura portuária brasileira. O governo prevê investir mais R$ 220 milhões nos próximos dois anos em obras de infra-estrutura nos 11 principais portos do país, responsáveis por 89% das exportações brasileiras. O presidente da Docas do Rio explicou que as obras emergenciais tornarão possível a expansão das atividades portuárias dos quatro portos sob sua administração – os do Rio, Sepetiba, Angra dos Reis e Niterói.
“Paralelamente, estaremos tocando o nosso Programa de Arrendamento de Novas Áreas Portuárias, que só para Sepetiba prevê investimentos privados da ordem de US$ 626 milhões, gerando cerca de 16 mil empregos diretos e indiretos”, afirma.
O programa de arrendamentos ainda projeta investimentos de US$ 582 milhões para o Porto do Rio, gerando 23 mil novos empregos; US$ 210 milhões para Angra dos Reis, com a geração de 15 mil empregos; e US$ 8 milhões para Niterói, com 2.250 novos empregos.

Artigo anteriorMe dá o troco aí
Próximo artigoUnivitelinos
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Se mirar Nordeste, Bolsonaro atingirá o próprio pé

Região tem menor média de casos e óbitos causados pela Covid.

Neodefensores do trabalhador ignoraram crise

Desemprego já era estratosférico em 2019, e apoiadores de Guedes nem ligavam.

Argentina fechará com China parceria do Cinturão e Rota

Iniciativa pode ser pontapé inicial para desenvolvimento e integração da América Latina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.

Exterior abre em alta e futuros no Brasil operam com cautela

China atinge crescimento de 18,3%; na Europa, Índice de Preços ao Consumidor amplo de março teve avanço de 1,3% ao ano.

Economia da China expande 18,3% no trimestre

A economia da China cresceu anualmente 18,3% no primeiro trimestre de 2021, à medida que as fortes demandas doméstica e externa impulsionaram a recuperação...

Estaleiro de SC investe meio milhão em linha de produção exclusiva

Estaleiro irá entregar até quatro vezes mais rápido e atender à crescente procura por embarcações novas.