MP denuncia Alckmin por lavagem de dinheiro, caixa 2 e corrupção

Uma semana depois de indiciado, o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) foi denunciado pelo Ministério Público nesta quinta-feira por lavagem de dinheiro, falsidade ideológica eleitoral (caixa dois) e corrupção passiva no âmbito da Operação Lava Jato, chamada Lava Jato Eleitoral. De acordo com a denúncia, o tucano recebeu, de forma indevida, R$ 2 milhões da empreiteira Odebrecht na campanha ao governo estadual em 2010 e R$ 9,3 milhões quando disputou a reeleição, em 2014.

Segundo a Folha de S. Paulo, "além do ex-governador, foram denunciados Marcos Monteiro, ex-tesoureiro do PSDB, e Sebastião Eduardo Alves de Castro, ex-assessor de Alckmin, e ex-executivos da Odebrecht que firmaram acordos de colaboração. As investigações foram iniciadas com base nas delações da Odebrecht e aprofundadas com outros elementos de prova pela Polícia Federal. Também usa depoimentos do ex-diretor do Metrô, Sérgio Brasil, que fechou acordo de delação premiada."

Na semana passada, quando foi indiciado, o PSDB, divulgou nota em defesa de Alckmin. "Governador quatro vezes de São Paulo, quase cinco décadas de vida pública, médico, Geraldo Alckmin sempre levou uma vida modesta e de dedicação ao serviço público. É uma referência de correção e retidão na vida pública. Tem toda a confiança do PSDB."

Os advogados de Alckmin consideram, na ocasião, o indiciamento "injustificável e precipitado". "A ele foram negados o prévio conhecimento dos fatos que teriam ensejado a instauração do inquérito, além do direito fundamental de se defender, assegurado pela Constituição a todo cidadão brasileiro. O ex-governador sequer foi chamado a prestar esclarecimentos que poderiam ter evitado o seu indevido e imerecido indiciamento" diz a nota assinada pelos advogados Marcelo Martins de Oliveira e José Eduardo Rangel de Alckmin.

"Por meio desta nota, além de expressar a sua indignação e reiterar o seu compromisso com os princípios de seriedade, transparência, probidade e modéstia pessoal com que sempre procurou atuar na vida pública, confirma a sua confiança na verdade, que haverá de prevalecer", acrescentam os advogados.

 

Com informações do Brasil 247, Folha de S. Paulo e Agência Brasil

Serra é alvo, de novo, de operação sobre doação ilegal de campanha

Artigos Relacionados

Municípios têm saúde financeira agravada com reajuste do mínimo

Para economista, ainda que justo e necessário, municípios não têm condições de bancar aumentos; acabam se tornando ainda mais dependentes da União.

Comissões do Senado voltam às atividades após um ano paradas

Depois de um ano inteiro sem funcionar devido à pandemia, das 13 existentes, sete recomeçam hoje os trabalhos.

Câmara aprova prisão de deputado que defende a ditadura

Foram gravíssimas as falas do parlamentar”, ressaltou, após ler as mensagens de ameaças, desonra pessoal e xingamentos contidas no vídeo gravado pelo parlamentar bolsonarisa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preços dos carros mais vendidos subiram 9,4% em média em um ano

Com 18,23% de variação, Renault Kwid foi o que mais subiu de preço entre os 13 mais vendidos.

PEC Emergencial pode sair da pauta do Senado desta quinta

Parlamentares resistem a cortes na saúde e educação e propõem votar apenas questão do auxílio emergencial.

Desdobramentos da intervenção na Petrobras

Percepção é de que o 'superministro' de Bolsonaro pode estar ficando cada vez mais isolado.

IPCA-15 de fevereiro ficou abaixo da expectativa

Índice mostra variação mais fraca que o esperado em alimentação, educação; já saúde e transportes vieram mais fortes que a expectativa.

Tentativa de superação

Ontem foi dia de recuperação da Bovespa, liderada pelas ações da Petrobras, Eletrobrás e setor bancário.