MP extingue fundo administrado pelo Banco Central

A Medida Provisória 909/19 extingue a Reserva Monetária, fundo criado em 1966 com parcela da arrecadação do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). O fundo, que hoje não tem uma função específica, é administrado pelo Banco Central e encerrou o ano de 2018 com R$ 8,7 bilhões em ativos.

Segundo a MP, os recursos do fundo serão transferidos para a Conta Única do Tesouro Nacional e destinados ao pagamento da dívida pública federal. O BC ficará responsável pela liquidação da reserva, cujo patrimônio está ligado, principalmente, a títulos públicos.

A Reserva Monetária foi criada pela Lei 5.143/66 e destinava-se a prover o BC de uma fonte de recursos para atuar nos mercados de câmbio e de títulos, na assistência a instituições financeiras e em outros fins estipulados pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Em 1988, o governo determinou a transferência da cobrança e administração do IOF, antes no BC, para a Secretaria da Receita Federal. Com isso, o fundo deixou de receber novos ingressos. Apesar disso, não foi formalmente extinto, funcionando com o patrimônio até então acumulado.

Em 2016, o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou ao governo realizar estudos para liquidar, por lei, a Reserva Monetária, já que ela não possuía mais objetivos e não prestava serviços à sociedade. Após os estudos, o governo optou por editar a MP 909.

O Congresso Nacional vai criar uma comissão mista para analisar a Medida Provisória. A comissão será presidida por um senador, e o relator principal será um deputado, a serem indicados.

O relatório da comissão será votado posteriormente nos Plenários da Câmara dos Deputados e do Senado.

 

Agência Câmara Notícias

Artigos Relacionados

Diesel fechou 2020 acima da média dos 11 últimos meses

Nos primeiros dias de janeiro, combustível segue a patamares próximos do período pré-pandemia.

Inspeção resgatou 942 trabalhadores análogos à escravidão em 2020

Desde 1995 são mais de 55 mil resgatados e mais de R$ 109 milhões recebidos a título de verbas salariais e rescisórias.

SP: custo de vida de família baixa-renda subiu 6,54% em 2020

Inflação dos alimentos pesou muito mais no bolso das classes E e D do que nas de rendas mais altas, segundo Fecomércio-SP.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom: próxima decisão dependerá de dados e cenário fiscal

BC deu mais detalhes sobre os fatores que podem levar à retirada de estímulos monetários.

EUA: bens duráveis avançaram abaixo do esperado

Segundo analista, encomendas excluindo-se transportes surpreenderam positivamente e teve revisão altista na leitura anterior.

Mercado aguarda Fomc e estímulo nos EUA

No Brasil, receio fiscal e incertezas quanto a vacinação contribuíram para que a Bolsa não suportasse as máximas do dia.

NY à espera de balanços da Apple, Boeing e Facebook

Índices futuros das Bolsas nova-iorquinas estão operando mistos à espera de mais balanços trimestrais de grandes empresas dos EUA.

Rio começa nova fase de vacinação contra Covid

Expectativa da prefeitura é vacinar 66 mil pessoas.