MP extingue fundo administrado pelo Banco Central

A Medida Provisória 909/19 extingue a Reserva Monetária, fundo criado em 1966 com parcela da arrecadação do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). O fundo, que hoje não tem uma função específica, é administrado pelo Banco Central e encerrou o ano de 2018 com R$ 8,7 bilhões em ativos.

Segundo a MP, os recursos do fundo serão transferidos para a Conta Única do Tesouro Nacional e destinados ao pagamento da dívida pública federal. O BC ficará responsável pela liquidação da reserva, cujo patrimônio está ligado, principalmente, a títulos públicos.

A Reserva Monetária foi criada pela Lei 5.143/66 e destinava-se a prover o BC de uma fonte de recursos para atuar nos mercados de câmbio e de títulos, na assistência a instituições financeiras e em outros fins estipulados pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Em 1988, o governo determinou a transferência da cobrança e administração do IOF, antes no BC, para a Secretaria da Receita Federal. Com isso, o fundo deixou de receber novos ingressos. Apesar disso, não foi formalmente extinto, funcionando com o patrimônio até então acumulado.

Em 2016, o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou ao governo realizar estudos para liquidar, por lei, a Reserva Monetária, já que ela não possuía mais objetivos e não prestava serviços à sociedade. Após os estudos, o governo optou por editar a MP 909.

O Congresso Nacional vai criar uma comissão mista para analisar a Medida Provisória. A comissão será presidida por um senador, e o relator principal será um deputado, a serem indicados.

O relatório da comissão será votado posteriormente nos Plenários da Câmara dos Deputados e do Senado.

 

Agência Câmara Notícias

Artigos Relacionados

Quase todo o auxílio emergencial é usado para comprar comida

Alimentos da cesta básica são os mais procurados; dinheiro que 'sobra' vai para o pagamento das contas.

Kit intubação: só um em 10 hospitais privados saiu da zona crítica

Diminuição na taxa de ocupação da rede particular reflete em melhora módica no cenário de falta de medicamentos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Emirados Árabes e Líbano compraram arroz do Brasil em março

Segundo associação do setor, os dois países estiveram entre os destinos internacionais do arroz brasileiro no mês passado.

Indústria tenta se recuperar no primeiro trimestre

Setor de bebidas se destacou no trimestre, com 53,8% de crescimento no período e 16,7% no acumulado de 12 meses.

China produzirá 3 bilhões de vacinas até fim do ano

Sinovac, que produz a Coronavac, promete entregar 2 milhões de doses.

Rio aumenta incentivo para cultura e esporte

Restituição do ICMS aumenta para 2% e 0,5% .

TCU relata abuso de poder no combate a Covid-19

Relatório do Tribunal de Contas da União (TCU), concluído em abril, mostra que o governo alterou documentos para se eximir da responsabilidade de liderar...
Monitor Mercantil