MPT do Ceará vai investigar irregularidades cometidas pelo McDonald’s

O Ministério Público do Trabalho (MPT) do Ceará decidiu reverter a decisão após o Sinthoresp pedir a correta investigação no que diz respeito à jornada de trabalho do McDonald’s, o pagamento de salários inferiores ao mínimo legal, a realização das rescisões contratuais, o acúmulo de função e as condições do meio ambiente do trabalho, entre outras irregularidades. Além disso, alertou para os acordos de Participação nos Lucros e Resultados (PLR), que “suprimem direitos trabalhistas e concedem benefícios fiscais sem a devida contraprestação”.
Desta forma, o procurador Antonio de Oliveira Lima solicitou à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE/CE) a fiscalização no McDonald’s para verificação das condições de trabalho a que estão submetidos os empregados da rede de fast-food.
A decisão do Ministério Público do Trabalho no Ceará soma-se a uma série de iniciativas que ocorrem em diversos estados em prol dos trabalhadores do McDonald’s. Em Pernambuco, o procurador do Trabalho Leonardo Osório Mendonça solicitou a formação de uma força-tarefa para fiscalizar o acordo assinado pela empresa em 2013. Os principais itens a serem fiscalizados são: a jornada móvel variável, a concessão de intervalo intrajornada no tempo correto, o respeito ao período de intervalo entre duas jornadas e a não realização de mais de duas horas-extras por dia. No Paraná, a procuradora Margaret Matos de Carvalho é autora de uma ação civil pública em setembro de 2013, contra as práticas da empresa, a partir de uma denúncia do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) sobre trabalho de adolescentes. A procuradora pede a condenação da Arcos Dourados pela utilização de mão de obra de menores em atividades insalubres, o que é proibido por lei.
Em São Paulo, três movimentos importantes. O procurador da República em São Paulo, Marcos José Gomes Correa, instaurou na semana passada um inquérito civil contra o McDonald’s no Brasil. O MPF atuará em duas frentes: ordem tributária e econômica. Na primeira, serão investigados o pagamento de royalties para a McDonald’s Corporation pela Arcos Dourados Comércio de Alimentos Ltda. e franqueados, a fraude pela formação de grupo econômico de empresas com o objetivo de recolher menos impostos e as atividades imobiliárias supostamente ilícitas envolvendo a franqueadora máster no Brasil. A investigação de crime contra a ordem econômica decorre das denúncias sobre práticas anticoncorrenciais e fraude na formação de grupo econômico.
Na Assembleia Legislativa de São Paulo, após audiência pública liderada pelo Deputado Carlos Gianazzi, em outubro de 2015 transita o pedido de abertura de CPI – Comissão Parlamentar de Inquérito Estadual para investigar o trabalho degradante no McDonald’s, principalmente envolvendo milhares de adolescentes.
E, na Câmara de Vereadores de São Paulo, o vereador Arselino Tato (PT), líder do governo, requereu também, a constituição de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar denúncias contra o McDonald’s. No alvo desse pedido de investigação estão o desrespeito à legislação trabalhista e o descumprimento de obrigações tributárias. Ações civis públicas movidas tanto pelo Ministério Público do Trabalho em diversos estados e quanto por entidades sindicais, além do elevado número de ações individuais contra a empresa, motivaram o requerimento da CPI.
A empresa tem sido alvo de denúncias não só no Brasil. Na Europa, a multinacional é investigada pela Comissão Europeia por evasão fiscal de 1 bilhão de euros entre 2009 e 2013.
Todas as iniciativas corroboram a campanha Sem Direitos Não é Legal (#semdireitosnãoélegal), que busca contribuir para que empregados da rede de fast food tenham melhores condições de trabalho.

Artigos Relacionados

Petrobras informa sobre acordo com a CEA

A Petrobras informa que assinou com a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), acordo judicial para encerramento de litígio e recuperação de crédito pela...

Entidade cobra ao Facebook indenização de meio bilhão

Instituto contesta nova política de privacidade do WhatsApp.

Quebra da lei atingirá cerca de 3,4 mil patentes de medicamentos

Pela lei, o prazo de exclusividade de patentes é de 15 ou 20 anos, conforme o tipo de produto, mas pode ser estendido por até dez anos diante da demora na aprovação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Aprovado projeto que asfixia o direito da minoria em sessões da Câmara

Mudanças começam a valer a partir desta quinta-feira.

Confiança da indústria está maior em maio

'Em meio à crise gerada pela pandemia, Estado tem que ser indutor do crescimento econômico', afirma presidente da CNI.

EUA: CPI teve variação acima do esperado

Foi o maior avanço mensal da leitura subjacente desde a década de 80 do século passado.

Latino-americanos viajam aos EUA em busca de imunização

Um anúncio de uma agência de viagens oferece promoções para que mexicanos viajem aos EUA a fim de receber a vacina contra a Covid-19....

Comportamento é misto na Europa nesta manhã

Nesta manhã, Paris opera em queda de 0,10%.