Mudanças nas classes CDE vieram para ficar

No mês passado, a coluna divulgou alguns dados do livro O Brasil mudou mais do que você pensa: um novo olhar sobre as...

No mês passado, a coluna divulgou alguns dados do livro O Brasil mudou mais do que você pensa: um novo olhar sobre as transformações das classes CDE (Editora FGV). Esta avanço ocorreu em várias áreas. Em 1995, pré-escola, ensino médio e superior eram realidade apenas para classes AB. Em 2015, o acesso à educação para crianças e jovens das classes DE supera o patamar de 80%; para crianças entre 6 e 14 anos, o atendimento escolar chegou a 98%, revelam pesquisadores Lauro Gonzalez, Mauricio de Almeida Prado e Mariel Deak, do Centro de Estudos em Microfinanças e Inclusão Financeira da FGV (GVcemif) e do Instituto Plano CDE.

Os últimos 20 anos foram de profundas mudanças na área socioeconômica para a população brasileira. Na habitação, houve aumento de mais de 100% nas residências de 3 a 5 cômodos das classes CDE. Ao mesmo tempo, diminuição de mais de 30% nas residências de 1 a 2 cômodos. Durante o período, nas classes DE, a presença de geladeira passou de 40% para pouco mais de 90%. Já na classe C, esse percentual foi de quase 70% para 95%. A máquina de lavar praticamente não estava na casa dos brasileiros em 1995, enquanto que em 2015, esse número já estava em 35%. Em 1995, 10% da classe C tinha uma máquina de lavar, e em 2015 mais de 50% já possuíam o produto.

No segmento financeiro, cresceu o número de adultos com algum tipo de relacionamento com o sistema bancário. Em 1995, o crédito representava menos de 25% do PIB. Em 2015, a despeito da crise, o volume de crédito representava 46% do PIB. Os trabalhos dos pesquisadores mostram mudanças positivas pouco conhecidas de grande parcela da população. Na visão dos organizadores do livro, a crise atual, embora traga desalento e tenha efeitos conjunturais negativos, não altera o fato de que novos patamares foram alcançados pelas classes CDE nas últimas décadas.

 

Pressão no real

O Banco Central Europeu deverá dar continuidade aos planos para normalizar a política monetária na União Europeia. As compras de títulos serão reduzidas até dezembro. O mesmo deverá ocorrer com o reinvestimento dos títulos que forem vencendo. Em seguida, o BCE elevará a sua taxa básica de juros. Finalmente, reduzirá sua carteira de títulos.

Esta é a análise feita pela Mapfre Investimentos, a partir da expectativa de aumento da inflação na União Europeia, que já supera a meta perseguida pela autoridade monetária por conta da alta do preço do petróleo. Mesmo o núcleo da inflação, sem preços de alimentos e de energia, deve caminhar em direção à meta, chegando a 1,8% até 2020.

O que isso pode significar para o Brasil? Tirando o quadro político, existem “vetores mais condizentes com depreciação da moeda brasileira. Nesse contexto, a moeda brasileira tenderá à desvalorização independentemente do próximo presidente a ser eleito”, projeta a Mapfre.

 

Semana de atividades

Sob o tema “Mercado de Trabalho: novos caminhos, novas possibilidades”, a Facha realizará semana que vem, nos campus de Botafogo e Méier, a III Semana Acadêmica, com as participações de especialistas em áreas como Administração, Jornalismo, Publicidade, Direito, Cinema, Recursos Humanos, Turismo e Relações Públicas, dentre outras. Serão realizadas mais de 30 atividades gratuitas entre painéis, rodas de conversa e oficinas, além de apresentações culturais.

No Campus Botafogo, a abertura do evento, dia 8, às 9h, abordará o tema “Mulheres no Brasil, Aborto e Feminicídio”. Seguem-se,até dia 11, painéis sobre Concursos Públicos, Marketing de Influência, Mercado Cultural, Cinema, Turismo, Vídeos na Web e Eventos. No dia 11 acontece roda de conversa sobre “Os Novos Endereços de Emprego para os Estudantes de Comunicação”. A noite será encerrada com o Papo de Samba: Paulinho do Cavaco e convidados.

No Campus Méier, dia 8, às 19h, haverá a oficina “Propósito: sentidos do trabalho e da carreira”. No dia seguinte, será abordado o tema “Diversidade no Mercado de Trabalho em Jornalismo”. À noite, acontecerá a roda de conversa sobre Mudanças Disruptivas.

A programação completa está no site da Facha www.facha.edu.br

 

Rápidas

A Epson anunciou três executivos no Brasil: Glauco Ferreira é o novo diretor de Vendas no Canal de Distribuição; Claudio Galante assume a gerência de Negócios; e Denise Franciscato é a nova chefe de Recursos Humanos *** A Banda Certa voltará ao Caxias Shopping nesta sexta-feira, às 19h30.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Taxa de carbono vai custar quase € 800 mi à Turquia

Os exportadores turcos de produtos com alto consumo de energia, como cimento, aço e alumínio, poderão enfrentar custos adicionais exorbitantes quando as propostas legislativas...

Sonho da casa própria fica mais distante

Contratação de moradias com recursos do FGTS cai ano após ano.

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...