Mudanças no câmbio abrem caminho para o Pix internacional

A Consulta Pública 79 do Banco Central propõe uma série de mudanças na regulamentação cambial, visando a modernização do sistema de câmbio e a introdução de novas tecnologias. As alterações são vistas como o ponto de partida para a implementação do Pix internacional, que permitirá a transferência em tempo real de recursos do Brasil para o exterior. O assunto foi discutido no webinar “CP 79: A Evolução dos Facilitadores de Pagamento Internacionais”, transmitido nesta terça-feira pela Associação Brasileira de Internet (Abranet).

“Do ponto de vista de regulamentação de câmbio, quando a gente olha para esse edital de Consulta Pública, ele já é um passo na direção ao Pix internacional. Temos iniciativas que já estão alinhadas com o Pix internacional. É um projeto iniciado e que envolve várias áreas do Banco Central, para que no futuro seja possível viabilizar esse tipo de pagamento”, afirmou o chefe do Departamento de Regulação Prudencial e Cambial (Dereg) do Banco Central, Lucio Oliveira.

Para a head do Departamento Jurídico do Paypal, Mônica Leite, a implementação do Pix internacional é uma evolução natural. Segundo ela, a implementação do sistema de transferência instantâneo envolvendo transações ao exterior seria benéfico tanto para a utilização de pessoas físicas, quanto para empresas de pequeno, médio e até mesmo grande porte.

“Tem vários entraves que podem ser solucionados com o Pix internacional. Ainda é bastante complicado, mas deve ser possível e sim vai trazer benefícios para a população, especialmente quando se fala de transferências unilaterais ou de pequeno valor. Mas que possa, no futuro, ser utilizado para fins comerciais para empresas de pequeno e médio porte ou até em grande escala”.

O Projeto de Lei 5387/19, chamado de PL Cambial foi aprovado pela Câmara e está em tramitação no Senado. A proposta deve se somar às mudanças propostas pela Consulta Pública e pavimentar o caminho para a implementação do Pix internacional nos próximos anos. “Quando o PL Cambial for aprovado passamos a ter novas condições e será possível ampliar essas possibilidades”, enfatizou Oliveira.

Diante desse cenário, o associado sênior do Pinheiro Neto Advogados e especialista em direito do setor financeiro, Raphael Salomão, entende que o PL Cambial tem tudo para ser, em parceria com a Consulta Pública 79, um marco para a modernização do sistema de câmbio brasileiro. “Vejo com grande entusiasmo essa oportunidade com o PL Cambial e a CP 79. O Pix internacional seria a possibilidade de realizar uma transferência em segundos, 24 horas por dia e sete vezes por semana”.

Pilares

Lançada pelo Banco Central em novembro do ano passado, a Consulta Pública 79 recebeu mais de 300 sugestões até o final de janeiro e está em processo final de ajustes ante de seguir para deliberação do colegiado. A proposta é ancorada em três grandes pilares: remittances, que são recursos enviados, sem contrapartida, para familiares no exterior por emigrantes aos seus países de origem; instituições e contas de pagamento no mercado de câmbio; e modernização da regulamentação de serviços de pagamento ou transferência internacional no mercado de câmbio.

“O Banco Central tem acompanhado de perto a evolução de novas tecnologias e modelos de negócios, especificamente no mercado de cambio e pagamentos eletrônicos. Temos percebido que, nos últimos anos, esse processo de inovações e novos modelos acelerou o surgimento de novos players. A partir desse diagnóstico, identificamos oportunidades de aperfeiçoar o mercado de câmbio”, explicou Lucio Oliveira.

Segundo o diretor Jurídico Regulatório do Ebanx e Coordenador do GT de Facilitadores da Abranet, Gilberto Martins, as mudanças propostas pelo Banco Central foram bem recebidas pelo mercado. “A consulta trata da modernização do sistema de câmbio e a introdução de novas tecnologias nesse ecossistema de negócios e está sim alinhada ao mercado. Tive uma percepção muito particular de que a maioria não são críticas, são pontos de melhorias e sugestões que o mercado olhou”.

Leia também:

Três perguntas: Febraban avalia os impactos do Pix e do Open Banking

Artigos Relacionados

B3 lucra R$ 1,25 bi no trimestre, aumento de 22,5%

“As pessoas têm movimentado as suas carteiras em artigos de maior risco, mas quando olhamos mais adiante ainda há incertezas sobre a retomada econômica”....

Andrade Gutierrez diz que irá alienar os papéis da CCR

Os papéis da companhia de infraestrutura CCR puxavam as altas da B3 nesta sexta-feira após a Andrade Gutierrez Participações S.A. (AG Participações) anunciar intenção...

De olho na Eletrobras, setor privado não investe

Ação da estatal vale quase metade do que valia há 11 anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

Quase 80% não trabalham totalmente remoto na pandemia

Segundo levantamento sobre adaptação ao modelo de teletrabalho, 49,7% dos entrevistados estiveram na empresa semanalmente.

Tunísia pretende exportar 80 mil toneladas de frutas

País produz pêssegos, nectarinas, damasco, ameixa e estima aumento de 7% na safra de frutas em 2021; grandes importadores são Líbia, França e Itália.

Rio acaba com toque de recolher

Novas medidas têm validade até o dia 20 de maio; medidas podem ser revistas.