Mudança para valer

A revolução sustentada pelo povo egípcio, nos quase 20 dias em que ocupou as ruas do país, não pode ser apropriada e diluída por qualquer aventureiro ou potências que, durante cerca de 30 anos, sustentaram política, militar e financeiramente a ditadura de Mubarak. A energia e bravura mostrada pelos diferentes atores sociais que enfrentaram o governo, dificilmente, aceitaram que, mais uma vez, prevaleça o conselho de Tancredi ao príncipe Salina, em O leopardo, de Luchino Visconti: “Algo precisa mudar, para que tudo permaneça igual.” Os egípcios, como confirmar o crescimento das multidões nas ruas, após concessões de oposicionistas vacilantes à ditadura decadente, querem a mudança do modelo, não apenas do ditador de plantão.

Intertemporal
O árido mundo do economês ganhou mais um contributo conceitual. Semana passada, durante o seminário Medidas Alternativas de Custo de Vida, organizado pelo Banco Central com a participação de coordenadores de institutos de pesquisas de preços do país e integrantes da academia internacional, o professor português Ricardo Reis apresentou o indicador que batizou de Metodologia de Índices de Preços Dinâmicos, o qual “sustenta um Índice de Custo de Vida, ainda embrionário, levando em consideração a substituição intertemporal”.

Reinventando a roda
Traduzido para a linguagem dos mortais, o estudo de Reis significa que, quando o consumidor se depara com o aumento temporário do preço de um produto ou serviço de uso costumeiro, pode optar por adiar a compra, para aplicar o dinheiro num ativo financeiro e se capitalizar, para, quando o valor voltar ao patamar anterior, enfim, comprar o objeto desejado. Descontando a retórica do academicismo, trata-se de uma variante do velho boicote a altas súbitas de preços, muito adotado, por exemplo, por donas de casa de países com estabilidade monetária, como Estados Unidos e Alemanha.

Pirotecnia
Sem entrar no mérito das acusações, “que serão julgadas pela Justiça”, o presidente da Associação dos Delegados de Polícia do Rio de Janeiro, Wladimir Reale, protestou contra a forma como foi conduzida a chamada “Operação Guilhotina”, com “invasão de delegacias, revistas infrutíferas e prisões ilegais de policiais com trabalho e endereço certo”. Segundo Reale, houve “claro abuso de poder, usado de forma pirotécnica, tratando-se policiais de forma indigna”. A operação promete uma “limpa” na polícia do Rio.
Realmente, sem entrar no mérito, a forma difere muito da utilizada pelo Governo Sérgio Cabral com os traficantes cariocas, avisados com 48 horas de antecedência da ocupação de favelas pela polícia. A justificativa é que assim evita-se ferir inocentes num conflito. O outro resultado é que nenhum bandido é preso.

Opções
Ano passado, Cuba baixou a mortalidade infantil para apenas 4,5 crianças para cada mil nascidas. A taxa é quase um quinto abaixo da média da América Latina, de 19 por mil. Certamente, não foi atingida por políticas de ajuste fiscal.

Eldorado
Com a facilidade de manter uma balança comercial favorável graças ao real anabolizado, a Índia, que, em 2010, exportou para o Brasil cerca de US$ 4,2 bilhões e importou menos de US$ 3,4 bilhões de importações, quer ampliar ainda mais seus negócios com nosso país. Para isso, a Confederação das Indústrias Indianas promove, pela primeira vez na América Latina, o Índia Show, evento que deve reunir cerca de 100 companhias do país asiático para apresentação de produtos e rodada de negócios com empresários brasileiros, entre 11 e 14 de março, no Expo Transamérica, em São Paulo. Está confirmada a participação do grupo Tata e de três gigantes do setor de óleo e gás – Bharat Petroleum, Hindustan Petroleum e Oil India.

É o cacete!
A tentativa de se importar para o Brasil a comemoração de Halloween felizmente anda por baixo. Mas elites com a cabeça unicamente no exterior insistem. Um hotel no Litoral Norte de São Paulo propõe aos casais comemorarem, nesta segunda-feira, o Valentine”s Day, o Dia dos Namorados estadunidense. Tudo bem que até o Carnaval vive-se uma espécie de baixa temporada, mas não precisa apelar tanto.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorBolha pega via férrea
Próximo artigoCaro

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Acusações de palhaça e possível ação da CVM fazem ação da TC desabar

Papéis chegaram a recuar mais de 25% no pregão desta quinta-feira.

Aqui, na terra, a coisa está preta

Por Paulo Alonso.

Setor público registrou superavit de R$ 358 bi em 2021

O setor público brasileiro registrou um superavit orçamentário de R$ 358 bilhões em 2021, resultado que deriva dos cerca de R$ 6,3 trilhões em...

Triste realidade

Em cada 4 bairros do Rio, 1 tem milicianos ou traficantes

Pré-candidatura de Ceciliano ao Senado ganha apoio na Região Serrana

Prefeito do PSB vira as costas para candidato do partido.