Muito rápido

O diretor-geral do FMI, Rodrigo Rato, não poderia ter escolhido momento mais emblemático para, ao elogiar a política econômica do governo Lula, quinta-feira passada, assegurar que “políticas ortodoxas produzem resultados muito rápidos”. De fato, no dia seguinte, a Cepal aduziu que a festejada – externamente – política ortodoxa de Lula garantirá ao Brasil o quarto pior crescimento este ano na América Latina e no Caribe. Atrás do Brasil, apenas três países nos quais os efeitos da ortodoxia foi ainda mais rápido: Haiti, Jamaica e Guiana.

Impasse anunciado
Alguém acreditou mesmo que a reunião da Organização Mundial de Comércio (OMC) fosse ter um final diferente? Qualquer acordo implicaria mudança radical de paradigmas entre os países desenvolvidos e os em desenvolvimento. Aos primeiros convém arrancar ainda maiores concessões dos mercados industriais e de serviços das nações de Terceiro Mundo, o que acarretaria a desindustrialização daquelas cuja resistência à aplicação das política liberalizantes impediu que indústria nacional fosse um conceito perdido na história.
Já os países em desenvolvimento cujos governos se conformam em pleitear maiores espaços no mercado agrícola – que concentra apenas 6% do comércio mundial – topam escancarar ainda mais os mercados de seus setores mais dinâmicos. Em troca, pedem apenas a redução de subsídios agrícolas. Como, no entanto, nem essas migalhas os ricos concedem, o impasse era previsível.

Alô registrado
As concessionárias de telefonia fixa em operação no Estado do Rio de Janeiro poderão ser obrigadas a instalar contadores de pulsos – e, a partir da mudança sorrateiramente introduzida pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), minutos – em cada ponto de consumo. Projeto nesse sentido foi aprovado pela Assembléia Legislativa do Rio em primeira instância. Caso o projeto 855/03, de autoria do deputado Domingos Brazão (PMDB), seja transformado em lei, o consumidor pagará apenas o valor da assinatura mensal, se o medidor não for instalado.

Mau negócio
Defensora da auditoria da dívida externa, a Campanha Jubileu Sul classifica a antecipação do pagamento de US$ 15 bilhões ao FMI como um “desrespeito à inteligência” dos brasileiros: “Caso estes US$ 15,5 bilhões fossem destinados à recompra de títulos da dívida externa ou interna, a economia de juros seria muito maior que os US$ 900 milhões anunciados pelo governo. O governo pratica a maior taxa de juros reais do mundo para atrair os investidores internacionais, pagando a eles cerca de 14% ao ano. Nos títulos da dívida externa, chega a pagar juros de cerca de 10% ao ano em dólares – comprometendo-se inclusive com taxas flutuantes! – juros estes muito superiores aos cobrados pelo FMI, de cerca de 4% ao ano”, critica em documento.

Binária
O engenheiro Amílcar Brunazo Filho, especialista em urnas eletrônicas, alerta sobre importante limitação das unidades brasileiras. “A urna eletrônica brasileira é projetada somente para números e o eleitor se atrapalha se tiver de votar sim ou não em um plebiscito, por exemplo. Na época do plebiscito sobre o desarmamento, convidei representantes das duas frentes ao TSE e chamei, sem sucesso, a atenção para o fato.”


Esta coluna apóia o aumento das vendas do comércio e a alegria das pessoas em dar e receber presentes, mas crê que o nó criado na Avenida Presidente Vargas, no Rio, nos últimos dias, reclama solução urgente. A ausência do poder público faz com que bandalhas e desrespeito generalizado às leis de trânsito sejam a regra na curta distância entre o Sambódromo e a Praça da República, que, em tempos natalinos, leva de 20 minutos a 25 minutos para ser percorrida.

Deputado Noel
Um surto que mistura labuta e criatividade parece ter baixado sobre a Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro neste fim de ano. A julgar pela quantidade de projetos de lei e outras iniciativas de Suas Excelências divulgadas pela assessoria da Casa, os parlamentares fluminenses armazenaram energia no resto do ano para garantir a supersafra legislativa de Natal.

Artigo anteriorAvenida Brasil
Próximo artigoTELECOMUNICAÇÕES
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Cortes poupam petroleiras e ‘bolsa refrigerante’

Para liberar auxílio emergencial, governo prejudica setores essenciais.

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Investimento chinês em pesquisa aumentará 7% ao ano até 2025

País divulga 14º Plano Quinquenal; desde 1953, PIB cresceu 1.232 vezes.

FMI: orçamento deve atender direitos das mulheres

No Egito, por exemplo, houve mais recursos para serviços públicos de creche.

Planos registram maior número de beneficiários desde dezembro de 2016

Dados de janeiro foram divulgados hoje pela ANS e confirmam tendência de crescimento no país.

MP-RJ pede júri popular para Flordelis e mais oito réus

Deputada é acusada de mandar matar o marido; 11 réus respondem ao processo, mas o MP pediu para não se pronunciar sobre dois deles.

Payroll de fevereiro surpreendeu positivamente as expectativas

Soma-se às surpresas a revisão no número anterior de 49k para 166k e, principalmente, a criação de vagas no setor privado em 465k.