Mula sem cabeça

“É preciso ter claro que não haverá solução para esta crise sem que se avance nos processos de controle democrático, sobretudo, no controle do sistema financeiro, que virou uma mula sem cabeça.” O diagnóstico é do economista Luiz Gonzaga Belluzzo, ao participar de debate no Fórum Social Mundial (FSM), promovido pelo portal Carta Maior, em Porto Alegre.

A bandalha do Paes
Cariocas que frequentam o Aeroporto Internacional Tom Jobim conhecem de longo tempo os infortúnios de conviver com as cooperativas que, por monopolizarem os serviços de táxi, cobram preços extorsivos em suas tabelas. Sabedores disso, os locais costumam marcam com cooperativas de sua confiança corridas para ir e voltar do aeroporto ou pegarem carona com parentes e amigos. Essas alternativas sempre irritaram os maus profissionais, que chegaram a espancar um colega que atuava fora do esquema, cena transmitida em rede nacional. O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), porém, apropriou-se das imagens que indignaram o país para oficializar o monopólio, proibindo que táxis da preferência dos clientes ou carros particulares sequer circulem pelo local.

Padrão
A queda de três prédios no Centro histórico do Rio alertam que Paes, em vez de defender interesses de monopólios, deveria colocar em funcionamento os serviços de fiscalização da Prefeitura. A propósito, três meses depois da explosão que mandou pelos ares o restaurante Filé Carioca, há menos de dez minutos a pé da nova tragédia, alguém já foi punido?

Ganha, mas paga
Um leitor da coluna, viajante incansável pelos mais longínquos rincões do mundo, mas com má memória para nomes de pessoas e lugares, conta que, num país que visitou recentemente, engenheiros tinham especial predileção pelo trabalho de campo. Um dia descobriu o motivo: em troca de regalos, como diziam os locais, fechavam os olhos para irregularidades, desde grandes empresas a pequenos comerciantes. Quando dessa cumplicidade, porém, resultava alguma tragédia, o engenheiro ia para a cadeia. O leitor diz, que o Brasil, onde o DNA da honestidade, talvez, explique o nível de impunidade, deveria estudar o caso.

Pernas de fora
Com o Rio vivendo, ainda que, com atraso de um mês, um calor senegalês, funcionários do BNDES mobilizam-se por uma reivindicação, digamos, de mudança de costumes: a liberação do uso de bermuda por homens e mulheres durante o verão carioca. A mudança de traje, porém, teria um limite, seria permitido apenas na sobreloja, na FAPES e na garagem do banco.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorComandante
Próximo artigoPrecisa-de de governador

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.