Mulheres do vinho sim!

Mudança se acelera à medida que o discurso contra o preconceito ganha força e as mulheres habitam esse universo.

Pascaline Lepeltier

 

Na semana do dia 8 de março, não posso me furtar a falar sobre as mulheres. Atualmente, quase tudo tem um dia, e isso tem relação mais com a criação de motes promocionais do que com a importância das coisas em si, mas, neste caso, há sim uma justificativa sociopolítica fundamental. A relevância do papel da mulher numa sociedade ainda muito machista deve ser exaltada, e seu direito a um tratamento equânime ao dos homens deve sim ser reivindicado. E não é raro haver certa surpresa defensiva por parte de homens e mulheres quando isso é posto, uma vez que a sociedade se acostumou com a naturalizada misoginia nos mais variados campos. No Brasil então, preconceito é sempre disfarçado de “brincadeirinha”.

Dito isso, vamos focar aqui no universo do vinho e falar um pouco do lugar da mulher dentro dele. Já em contato com este setor desde fins dos anos 1990, pude notar desde cedo quão masculino era em seus mais diversos segmentos: produção, comércio, consumo – um verdadeiro Clube do Bolinha!!! Não que as mulheres não estivessem presentes. Eu mesma comecei trabalhando numa importadora com certo protagonismo feminino, com duas profissionais de grande competência e experiência: Ana de Andrade e Dulce Ribeiro, hoje empresárias do vinho.

Assim como elas, o mercado de vinhos e outros mercados sempre contaram com um grande empenho de muitas mulheres para tocar os negócios, mas, estatisticamente, esse número sempre foi inferior ao dos homens, especialmente no que diz respeito aos grandes cargos, à notoriedade e reconhecimento dessas profissionais em termos de status e de retorno financeiro. Creio que a mudança se acelera no século 21, à medida que esse discurso contra o preconceito ganha mais eco na sociedade e se concretiza em ações e conquistas políticas.

Na França, onde o vinho é um item central da economia e da cultura, uma pesquisa em 2020 mostrou que as mulheres enólogas representavam cerca de 1 para cada 4 homens. Será que o trabalho no vinhedo e na cantina seria muito extenuante para os delicados braços femininos? Talvez, para os de algumas mulheres. Mas eu posso te dizer que na roça em que meu pai foi criado e havia um alambique, as mulheres trabalhavam plantando, colhendo, lavando, cozinhando – tanto quanto os homens que eram, sim, os encarregados do alambique e que ganhavam algum dinheiro com isso.

É bom lembrar que nem sempre quem “pega pesado” (homens e mulheres) são os que ganham, mas quem tem postos elevados na administração empresarial. E se às vezes a desculpa é a “delicadeza” (fragilidade) da mulher, por que será que grandes chefs são mais homens, justo no lugar onde impera o feminino tradicionalmente e que requer alta sensibilidade?

Outro espaço em que agora começamos a enxergar mais mulheres é na profissão de sommelier/sommelière. Era raro anteriormente ser atendido por sommelières, mas à medida que avançam, as mulheres se destacam pelo seu talento na análise sensorial. Faltava talvez mais acesso a este lugar. Não que a sociedade impedisse a sua formação, mas o preconceito se materializa em estigmas que constrangem a atuação do sujeito. Na França, raramente “o” Melhor Sommelier eleito é mulher, mas isso vem mudando lá e em outros países. Em 2018, Pascaline Lepeltier fez uma prova impecável e venceu com louvor! Pudera, a mulher é muito fera!!!

No campo dos críticos especialistas, já temos alguns destaques, como a inglesa Jancis Robinson. No Brasil, a jornalista brasileira Suzana Barelli é cada vez mais respeitada, assim como algumas sommelières e, mais recentemente, enólogas. Não podemos esquecer que a Regina Vanderlinde foi a última presidente da prestigiada Organização Internacional da Uva e do Vinho. Isso só para ilustrar. Normalmente, a vida exige tanto das mulheres até chegarem lá que é uma entrada sem volta!

 

Cursos de Vinhos com Míriam Aguiar: saiba mais pelo Instagram @miriamaguiar.vinhos ou blog miriamaguiar.com.br/blog

Míriam Aguiar
Jornalista, educadora e especialista em vinhos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Interlagos vai sediar feira de motos e carros

Eventos priorizam testes para clientes e potenciais compradores.

Romênia e Moldávia: duas faces de uma mesma moeda?

Em alguns aspectos as duas produções se assemelham e, em outros, apresentam diferenças que poderiam até se complementar.

Últimas Notícias

Doria desiste da corrida presidencial

Em seu discurso, tucano diz que 'o PSDB saberá tomar a melhor decisão no seu posicionamento para as eleições deste ano.'

Ministério quer explicações da TecToy sobre carregador

Produto não tem autorização para ser vendido no mercado brasileiro.

Envios de celulares na China alcançam 69,35 milhões de unidades no Q1

As remessas de telefones celulares da China tiveram uma queda anual de 29,2%, chegando cerca de 69,35 milhões de unidades no primeiro trimestre deste ano, de acordo com um relatório da Academia Chinesa de Tecnologia da Informação e Comunicações (CAICT, sigla em inglês).

ONS: chuvas mantêm afluências estáveis

Reservatórios permanecem sem surpresas na terceira revisão de maio; carga de energia aumentou 2,2% em abril em comparação com 2021.

Receita do setor postal da China aumentou 6,3% de janeiro a abril

A indústria postal chinesa registrou um aumento constante na receita de negócios nos primeiros quatro meses deste ano, mostram os dados oficiais.