Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que o partido Rede Sustentabilidade, do senador Randolfe Rodrigues (AP), protocolou contra o presidente Jair Bolsonaro, nesta sexta-feira, no Supremo Tribunal Federal, (STF).

A reação é vista como resposta a live desta quinta-feira (29), em que Bolsonaro questionou a lisura das eleições brasileiras. “Como demonstra sua conduta, o senhor Presidente da República não respeita os Poderes da República, sendo necessária a imediata aplicação de pena de multa por evento de descumprimento a cada nova manifestação que faça acerca da inverídica”, aponta o pedido enviado ao STF.

O senador Randolfe Rodrigues já tinha protocolado no STF queixa-crime de difamação quando o presidente divulgou um vídeo em suas redes sociais afirmando haver esforço do senador para a importação das vacinas Covaxin e Sputnik.

O Tribunal Superior Eleitoral, por sua vez, se preparou para reagir contra as acusações de Bolsonaro. Membros do tribunal, inclusive, estudam se Bolsonaro cometeu crime de responsabilidade ao fazer tais acusações.

Sem provas

Na sua campanha pela defesa da instituição do voto impresso, Bolsonaro havia prometido divulgar em sua tradicional live nas redes sociais provas de fraudes nas eleições brasileiras. Não só o presidente não mostrou tais provas, como também admitiu que não as têm

Na live que tradicionalmente fez quinta-feira, Bolsonaro admitiu não ter provas para afirmar que haja risco de fraude no sistema atual de urnas eletrônicas – ou que as últimas eleições realizadas no país tenham sido fraudadas. Ele convocou veículos de imprensa e usou a emissora pública de televisão para uma transmissão em tempo real na qual, segundo anunciou, seriam mostradas “provas” das fraudes.

A transmissão se estendeu por mais de duas horas e Bolsonaro tratou de diversos temas não relacionados às eleições. Em vez de provas, no entanto, o presidente apresentou uma série de notícias inverídicas e vídeos que já foram desmentidos diversas vezes por órgãos oficiais. Ao se defender disse que “os que me acusam de não apresentar provas, eu devolvo a acusação. Apresente provas de que ele não é fraudável”, declarou Bolsonaro em determinado momento.”

E ameaçou: “Vamos deixar isso continuar acontecendo? Acabando as eleições, a gente vai judicializá-la? Quem vai julgar? Os mesmos que tiraram Lula da cadeia, tornaram-o elegível e contaram os votos. Digo mais: não temos provas, para ficar bem claro, mas indícios de que eleições para senador e deputado pode ocorrer a mesma coisa”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

TCU aprova contas de Bolsonaro de 2021 com ressalvas

Entre as impropriedades apontadas está o desvio de finalidades na aplicação de recursos da Seguridade Social.

Rejeição ao governo atingiu os níveis mais altos do ano

Com prisão de Milton Ribeiro, menções sobre corrupção, nas postagens que falam de Bolsonaro, aumentou pela terceira semana seguida.

Datafolha, com poucas mudanças, confirma vitória de Lula no 1º turno

Simone Tebet não consegue sair de 1%.

Últimas Notícias

Triste realidade

Em cada 4 bairros do Rio, 1 tem milicianos ou traficantes

Pré-candidatura de Ceciliano ao Senado ganha apoio na Região Serrana

Prefeito do PSB vira as costas para candidato do partido.

Informalidade atinge 40,1% da população ocupada

Segundo IBGE, desemprego caiu para 9,8%; rendimento fica estável.

Empresas buscam alternativas para captar recursos

Por Luciano Camargo Neves.

Bacen chinês enfatiza importância de apoio financeiro à economia real

O banco central da China disse nesta quarta-feira que irá construir um mecanismo eficaz para fornecer apoio financeiro à economia real.