35.5 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Multa

O Tribunal de Justiça do Rio decidiu a favor da Banerj Seguros em ação onde o proprietário de um estabelecimento comercial queria nova indenização no valor de R$ 400 mil, mesmo tendo recebido R$ 103 mil como fruto de em um acordo. O segurado alegou estar com seu estado emocional abalado por conta do incêndio que destruiu sua loja e ainda porque um dos sócios estava doente e por isso teria aceitado a proposta da seguradora. Os desembargadores entenderam que o segurado não poderia pleitear nada mais em juízo após o acordo e aplicou uma multa de litigância de má-fé ao segurado, no valor de aproximadamente R$ 2 mil. Causa ganha pelo advogado Sergio Barroso de Mello, sócio do escritório Pellon & Associados.

Potência enjaulada
Para quem gosta tanto de metáforas futebolísticas, a derrota prematura da Seleção brasileira deveria deixar uma lição para o presidente Lula. O time de Parreira, apesar de incensado pela grande mídia, esteve sempre muito aquém do potencial do futebol brasileiro. Magras vitórias sobre times fracos ajudaram a manter o clima de oba-oba e a deixar em segundo plano críticos que enxergavam um pouco além das aparências. Mesmo confrontado com a verdade (e o jogo contra o Japão foi exemplar), Parreira insistiu no caminho que apontava para o fracasso.
Da mesma forma, o técnico Lula coleciona duvidosas vitórias, como a queda do risco Brasil ou o magro crescimento médio do PIB inferior a 3% anuais. Lula insiste em manter a tática que leva o país para trás, apesar dos alertas de analistas sobre o custo do desemprego, a falência das empresas, a degradação do tecido social. Com medo de ser feliz, Lula impede que o país desenvolva seu potencial que, tal como na Copa do Mundo, o deveria levar aos primeiros lugares da competição.

Mais do mesmo
Tal como na economia, também no futebol a coleção de derrotas não parece levar ao enterro das táticas retranqueiras. A mesma imprensa que colocava Parreira no panteão dos deuses volta a badalar o nome de Felipão, titular – assumido – do time dos técnicos que exaltam o “futebol de resultados”.
No Brasil em que as reformas neoliberais levaram o país à beira do abismo, a mídia propaga que a saída é ampliar as políticas dos últimos 15 anos.

Blim-blom
Uma dica de segurança simples para quem vai viajar nesta férias, do consultor Juarez Novaes Theodoro, gerente corporativo da empresas Instalarme: “Desligue a campainha; assim você deixa em dúvida quem usá-la apenas para verificar se você está em casa”.

Consumidor
Cumprir a lei não é algo impossível para os bancos. Agências do Itaú e do Real no Centro do Rio receberam nesta segunda-feira fiscais do Procon, junto com deputados da Comissão Especial para o Cumprimento das Leis da Alerj. Elas estavam em dia com as leis, como as que exigem cadeira de rodas para os idosos, a espera na fila por no máximo 20 minutos e a instalação de câmeras de segurança, bebedouro e banheiro para os clientes. As duas agências foram fiscalizadas anteriormente me março e cumpriram as determinações do Procon. Ficou faltando apenas o bebedouro para os clientes e o banheiro para portadores de deficiência no Itaú, que já está em construção. Já em outros bancos, o quadro não foi tão favorável. Foi descoberto até o caso de uma agência que informara ao Procon ter cumprido as exigências feitas em março, mas que nada providenciara. Recebeu auto de infração e o caso será levado ao Ministério Público.

Fogueira e quentão
Quadrilhas, barraquinhas com comida típica e tudo que se espera de uma festa junina no interior pode ser conferido na I Festa Julina de Caxambu, no Parque das Águas, realização do Sindicato de Hotéis e a Associação Comercial daquele município. A festa começou no sábado e continua nos dias 5, 7, 15, 22 e 29, das 17h às 22h,com entrada gratuita. Como cenário, sede da fazenda, prefeitura, escola, igreja, casa paroquial, cadeia, venda, botequim, casa das tias, posto de saúde e duas casas de colono, com a presença de um grupo de teatro, que vai permitir integração dos visitantes ao cenário do evento.

Artigo anteriorEvaporação
Próximo artigoMudo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.