Música machista, não!

Por Wagner Cinelli de Paula Freitas.

Faço minha caminhada virtual matinal e esbarro com uma sigla que não conhecia: MMPB. Não, não é MPB, mas MMPB, mesmo, e significa Música Machista Popular Brasileira. Entrei no site e percebi que o objetivo é expor o machismo impregnado em algumas canções. Não se trata de expor para divulgar, mas para conscientizar.

O machismo está na sociedade e é a base de ideias e práticas que valorizam o homem e desvalorizam a mulher. As artes refletem a sociedade, mas isso não quer dizer que estejam deliberadamente a serviço de uma causa machista. No caso da música, haverá composições com essa conotação, como também haverá canções exprimindo o contrário, ou seja, pela igualdade e contra a discriminação. Afinal, a arte é onde surgem movimentos de vanguarda, que questionam preconceitos e tabus.

Entendi então que o mmpb.com.br é apenas uma proposta para uma leitura crítica de músicas com carga machista. É uma contribuição para o debate da igualdade de gênero e do respeito à mulher. O próprio site se explica: “Por trás de toda música ‘inocente’, o reflexo de uma sociedade machista”. E segue: “Ah, o poder da música… Há quem ainda ignore, mas a música é um produto cultural que retrata e reflete o quanto nossa sociedade caminha a passos lentos com relação ao respeito à mulher enquanto indivíduo.”

Teclo no ícone “dá um shuffle” e vem a música Já já, do compositor Sinhô, cuja primeira estrofe é: “Se essa mulher fosse minha / Apanhava uma surra ‘já já’ / Eu lhe pisava todinha / Até mesmo eu lhe dizê ‘chegá’”.A mulher aqui é tratada como propriedade do homem e como se ele tivesse o direito de a agredir. Depois vem outra ameaça: “O teu cabelinho à inglesa / Eu mandava raspar ‘já já’ / Depois lixava a cabeça / Até ela gritar ‘chegá’”.

Mas essa obra é antiga, tanto que seu autor faleceu há quase 1 século. O próprio site destaca essa relação no sentido de quanto mais antiga a canção maior a chance de conteúdo dessa natureza. A antiguidade, entretanto, não desfaz a mensagem.

Novo shuffle e aparece uma música bem mais recente, Taca cachaça, de MC EdyLemond, cujo refrão é “Taca cachaça que ela libera”, que não deixa dúvida: embriagar a mulher para conseguir sexo. De um lado, a mulher-objeto, de outro, o homem predador se valendo de qualquer artifício para submetê-la à sua vontade. Outra busca e temos Lei do retorno, de MC Don Juan, com o verso “vou te comer e abandonar”, a dispensar comentário.

Mais uma chamada e surge Cabocla Tereza, com letra de João Pacífico, que, gravada por diversos famosos, traz a história de um feminicídio contada pelo vingador assassino. A lista é longa, e nela há músicas nas quais o preconceito de gênero aflora já no título, como Mulher não manda em homem, Vai, faz fila e Ajoelha e chora.

Nas artes, na literatura, na política, onde for, rejeitemos o machismo que nos circunda e muitas vezes nos chega de forma subliminar. É erva daninha que nos emaranha e sufoca. Façamos isso por uma sociedade menos desigual. E façamos isso já.

 

Wagner Cinelli de Paula Freitas é desembargador do TJRJ.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Bolsonaro: destruidor do futuro

Por Samuel Pinheiro Guimarães.

A Otan e o novo equilíbrio global

Por Edoardo Pacelli.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais