“Muy” amigo

Depois de décadas de “ajuda ao desenvolvimento” por parte do Banco Mundial (Bird) e do FMI, um sexto da população mundial vive com menos de US$ 0,77 centavos por dia. A observação é do sociólogo Boaventura de Sousa Santos, em artigo publicado na edição eletrônica da Agência Carta Maior. E alerta que, com a adoção do receituário do FMI, a crise européia vai se agravar de forma explosiva: “O que vai acontecer a Portugal (no seguimento do que aconteceu à Grécia e à Irlanda e irá acontecer à Espanha, e talvez não fique por aí) aconteceu já a muitos países em desenvolvimento. A intervenção do FMI teve sempre o mesmo objetivo: canalizar o máximo possível do rendimento do país para o pagamento da dívida. A “solução da crise” pode bem ser a eclosão da mais grave crise social dos últimos 80 anos”, adverte Santos.

Os eleitos
O sociólogo português observa que a intervenção do FMI é a principal razão a explicar que “os 500 indivíduos mais ricos do mundo tenham uma riqueza igual à da dos 40 países mais pobres do mundo, com uma população de 416 milhões de habitantes”, em contraste com as perdas de direitos sociais e trabalhistas impostas aos países europeus.

Prevenção
Imagens por satélite poderão ajudar a Defesa Civil a evitar e gerenciar a recuperação pós- desastres. A Associação Brasileira de Telecomunicações (Abtelecom) apresentou o projeto Geo Pictures (www.geo-pictures.eu), uma tecnologia que integra comunicações por satélite, de campo e troca de informações entre os locais afetados e os centros de gestão, proporcionando uma ampla visão para rápida tomada de decisões. O alvo é a monitoração de condições ambientais para evitar tragédias. Projeto-piloto será testado no Amazonas, sem custo para o governo.

Doações
Entidades e empresas se mobilizam para receber e entregar doações às vítimas da catástrofe na Região Serrana do Rio:
– A Junta Comercial (Jucerja) recebendo donativos na Av. Rio Branco, 10.
– A Associação dos Magistrados (Amaerj) abriu uma conta para receber doações em dinheiro: Itaú, agência 6002, conta corrente 37428-5. Materiais podem ser entregues no 4º andar do Bloco J, da Lâmina II do Fórum do Tribunal de Justiça (Av. Erasmo Braga, 115, Centro).
– Furnas recebe doações na sede da empresa (Rua Real Grandeza, 219, Botafogo, Zona Sul). Na última sexta-feira, a empresa disponibilizou um helicóptero para apoiar as ações de socorro às vítimas das enchentes.

Pedágio
Nem tudo é solidariedade. A concessionária da Ponte Rio-Niterói, que propagandeia estar recolhendo donativos para vítimas das enchentes e ainda isentar de pedágio o transporte de materiais doados, só beneficia órgãos públicos ou empresas. Pessoas físicas que pretendem levar donativos a vítimas das chuvas na Região Serrana arcam com a – salgada – tarifa normal. Um grupo de friburguenses que arrecadou doações e seguia para a cidade serrana na tarde desta segunda-feira teve que pagar R$ 146,20 por cinco caminhões e mais duas picapes.

Artigo anteriorA salvo
Próximo artigoCulpados
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Cem anos de Celso Furtado

A atualidade de um dos mais importantes intelectuais do planeta.

A Disneylândia espacial dos trilionários

Jornada nas estrelas escancara a desigualdade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Taxar dividendos aumentou investimentos na França

Redução, nos EUA e na Suécia, só elevou distribuição de lucros.

Petroleiro tem maior produtividade da indústria no Brasil

Mesmo com setor extrativista, participação industrial no PIB caiu de 25% para 20%.

Exportação cresce, mas só com produtos pouco elaborados

Superávit de quase US$ 7 bilhões até a quarta semana de julho.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.