“My land”

Com negócios naquele país que antecedem à chegada do nome mais famoso do clã à presidência dos Estados Unidos, nos anos 60, a família Kennedy continua a manter fortes laços econômicos com a Argentina. Com um variado porfólio de negócios agrícolas, o clã é um dos maiores proprietários de terra na província de Córdoba.

Na justa medida
Entrou para o anedotário internacional a dor de consciência que acompanhou até o fim dos seus dias o japonês que acionava a descarga do banheiro de casa quando explodiu a primeira bomba atômica arremessada pelos Estados Unidos sobre Hiroshima. A noção de onisciência, infelizmente, não se limita ao universo do jocoso, como demonstra a condição de panacéia a que foi elevada a reforma política. Essa demanda excessiva e deslocada se origina no diagnóstico equivocado que restringe ao sistema partidário o estado terminal em que se encontra a vida política nacional.
A putrefação moral em que chafurda a representação política está longe de ser uma anomalia em um país de fundamentos virtuosos. Ela é reflexo da ausência prolongada de um projeto nacional que mobilize o país e coloque em suas devidas – e restritas dimensões – os anões de jardim da pequena política. Uma década sem estadistas, porém, permitiu que esse vácuo fosse ocupado pelo lupensinato da política, alimentados e engordados por chefes de Executivo portadores de baixa estatura política.
Nessas condições, tudo que a reforma política pode fornecer é esparadrapo para fechar alguns dutos que alimentam a baixaria institucional, sendo a principal e mais urgente a perda automática de mandato daquele que, em qualquer nível, eleito por determinada legenda se desencaminhe para outra. Esse fechamento de janelas de oportunidade$ para os trânsfugas políticos desestimularia em grande medida as grandes jogadas do baixo clero financiadas pelo Executivo. Em segundo lugar, o estabelecimento de fidelidade partidária, que não seja fruto de maiorias ocasionais, nem muito menos – por inaceitável – antagônicas às promessas de campanha. Com isso, se reestabelece, no essencial, as condições mínimas de civilidade do quadro partidário.
No entanto, depositária de esperanças que não pode atender, por muito além dos seus limites, a reforma política corre o risco de se tornar instrumento de contrabandos políticos dos que pretendem, a exemplo do intentado na política econômica que há cerca de uma década mantém o país em estado de semiparalisia, engessar a correlação de forças partidárias. O desejo, insano, é impedir a erupção de partidos que não compartilhem do fatalismo neoliberal ou confiná-los ao gueto. Como ensina, porém, recorrentemente a história, toda vez que foi imposta por período prolongado, a panela de pressão foi removida por força contrária e proporcional à utilizada pelos que tentavam sufocar as mudanças indispensáveis.

Pais
Os centros educacionais e comunitários, escolas e lares para crianças da Legião da Boa Vontade (LBV) programaram várias atividades para esta semana que antecede o Dia dos Pais. Serão jogos, oficinas, gincanas, apresentações artísticas e festa de confraternização. No Rio, informações podem ser obtidas pelo telefone (21) 2501-0247.

Tijolo
No primeiro semestre, os preços de materiais de construção no Rio de Janeiro subiram 0,79%. A alta somente em julho, porém, quase equiparou todos os seis primeiros meses do ano, alcançando 0,59%. Isso “parece sinalizar uma mudança no comportamento dos preços dos materiais de construção”, comenta Antônio Carlos Mendes Gomes, diretor-executivo do sindicato da construção (Sinduscon-Rio), que calcula o Custo Unitário Básico da Construção Civil (CUB Residencial). Mês passado, a alta ficara em 0,26%, porque o valor da mão-de-obra não variou pelo terceiro mês consecutivo.

“Ex-friends”?
O cientista político Theotônio dos Santos identifica um esgotamento da ação dos Estados Unidos no Oriente Médio: “Já perceberam que têm que buscar uma solução negociada, conquistando parte do Sul do Líbano para negociar uma saída com posição de força maior. O generais do Pentágono há muito tempo exigem a queda de Ramsfeld. Se Bush mantivê-lo ficará isolado”, comentou.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Empresa pode dar justa causa a quem não se vacinar?

Advogado afirma que companhias são responsáveis pela saúde no ambiente de trabalho.

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

A cabeça do dragão

Por Gustavo Miotti.

Portugueses pedem extensão das moratórias bancárias

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) está pleiteando a prorrogação das moratórias bancárias até 31 de março de 2022”. O...

China libera reservas de metais não ferrosos para reduzir custos

A China disse que continuará a liberar suas reservas estatais de cobre, alumínio e zinco para garantir preços estáveis para as commodities e aliviar...