Não há espaço para um Europe First

Armado com o privilégio de imprimir dólar, Trump olha os fluxos de comércio com o resto do G7 e chega a uma conclusão inevitável: ele não pode perder uma guerra comercial contra países que têm superávits tão altos os EUA (por exemplo, Alemanha, Itália, China), ou que (como o Canadá) pegarão pneumonia no momento em que a economia norte-americana pegar um simples resfriado. Assim descreve Yanis Varoufakis, ex-ministro grego e um dos principais articuladores da esquerda atual, a estratégia do presidente norte-americano.

Em artigo publicado no The Guardian, Varoufakis pergunta: pode a União Europeia criar um “Europe First”, uma aliança talvez envolvendo a China? “A resposta já foi dada, após a anulação de Trump do acordo nuclear com o Irã. Minutos depois da declaração da chanceler Angela Merkel de que as empresas europeias permaneceriam no Irã, todas as corporações alemãs anunciaram que estavam se retirando.”

O ex-ministro grego lembra que nada disso é novo. “Richard Nixon também confrontou o establishment europeu em 1971, enquanto Ronald Reagan espremeu brutalmente os japoneses em 1985. Mesmo a linguagem não era menos incivilizada”. E cita as palavras do secretário de Tesouro de Nixon, John Connally: “Minha filosofia é que todos os estrangeiros querem nos ferrar, e é nosso trabalho ferrá-los primeiro.”

Para Varoufakis, os Estados Unidos não têm como continuar operando como antes de 2008, financiando os superávits comerciais dos parceiros através da colocação de bônus no exterior. Além do mais, a Europa está desunida. Trump olha tudo isso e conclui que, se os EUA não podem mais estabilizar o capitalismo global, ele pode explodir as instituições multilaterais existentes e construir do zero uma nova ordem global, com os Estados Unidos ao centro e os demais países como os raios de uma roda.

O líder da esquerda vê como alternativa uma união dos progressistas norte-americanos, britânicos e europeus para colocar na agenda um New Deal Internacionalista. “Em meus raros momentos otimistas, imagino uma aliança de Bernie Sanders, Jeremy Corbyn e nosso Movimento Democracia na Europa, o DiEM25, desafiando a Internacional Nacionalista liderada por Trump. Há alguns anos, um triunfo de Trump nos EUA, na Europa e além parecia ainda mais improvável do que isso. Vale a pena tentar”, finaliza Varoufakis.

E vale ler o artigo na íntegra (em inglês): https://www.theguardian.com/commentisfree/2018/jun/11/trump-world-order-who-will-stop-him

 

Servilismo

A imposição dos objetivos de Trump aos europeus trouxe à lembrança discurso de Vladmir Putin feito há pouco mais de uma década. O presidente russo alertou os líderes europeus, que então impuseram sanções à Rússia por conta da crise na Ucrânia, que a briga era entre todos contra os EUA.

O movimento de Washington pela hegemonia global, alertou Putin em 2007, levaria ao caos da lei e da ordem internacional. É o que acontece quando alguém se curva com demasiado servilismo às ambições dos EUA, advertiu.

Agora, Putin se volta à Ásia e reagiu com calculado desdém à surpreendente proposta de Donald Trump de ter a Rússia de volta ao G7.

 

Namoro ou amizade?

O pré-candidato a presidente da República Ciro Gomes (PDT) estará às 10h30 desta terça-feira na sede da Força Sindical, em São Paulo. A central convidou seis pré-candidatos para expor suas propostas para Brasil. Ciro foi o primeiro a confirmar a presença.

 

Orçamento

As ações de controle realizadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) no primeiro trimestre deste ano atingiram benefícios estimados pelo órgão em R$ 1,4 bilhão. O valor é “2,97 vezes superior ao custo de funcionamento da instituição no mesmo período”.

Surpreendente é saber que o TCU custou quase meio bilhão em apenas um trimestre.

 

Rápidas

Lideranças das centrais Força Sindical, CUT, UGT, CSB, CTB e Nova Central estarão, nesta terça-feira, às 12h, com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, para discutir a geração de empregos *** No próximo sábado, o Caxias Shopping terá uma edição muito especial do Busucão: uma campanha de adoção de animais idosos e portadores de deficiência. O evento acontecerá das 11h às 16h *** A FGV Eesp debate nesta terça-feira, às 11h, educação e políticas para a juventude. Os palestrantes serão Gabriel Barreto Corrêa, Teresa Pontual e André Portela. Veja mais em http://eesp.fgv.br/

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ANS determina que planos cubram novos remédios, exames e cirurgias

Novos exames e tratamentos passaram a fazer parte da lista obrigatória de assistência, que deverá ser observada a partir de abril.

Ibovespa futuro sobe no momento, mas com muita cautela

No exterior, Bolsas globais recuam em meio a preocupações com a inflação nos EUA.

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...

Trava política impede recuperação mais forte

Nesta segunda, mercados aqui foram na mesma direção do exterior em recuperação, mas sem mostrar maior tração. 

Sony deixará de vender áudio e vídeo no Brasil

Multinacional japonesa venderá aqui apenas consoles de games importados.