Na chuva

Antes de se aventurar a pedir crédito aos bancos privados que anunciam ter baixado suas taxas de juros, os correntistas devem estar atentos à expressão “a partir de”. Sob essas três letras, o juro rotativo do cartão de crédito, por exemplo, pode variar de 2,49% ao mês a 11,4% ao mês. Tal elasticidade lembra antiga e atual definição do mordaz escritor estadunidense Mark Twain: “Um banco é um estabelecimento que nos empresta um guarda-chuva num dia de sol e nos pede de volta quando começa a chover.”

Defensiva
Na verdade, como registrou o vice-presidente da Associação Nacional de Executivo de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel de Oliveira, essencialmente, o que os bancos particulares fizeram foi baixar os juros de algumas linhas mais competitivas, como crédito consignado e para aposentados e financiamento de veículos, para não “perderem clientes”.

Desafogo
Apesar dessa tentativa de evitar a sangria de correntistas para Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, a principal perda a ser sofrida pelas instituições privadas deve ocorrer no segmento de pessoas jurídicas, em particular, nas pequenas e médias empresas carentes de capital de giro.

Lessa diz sim
O economista Carlos Lessa, ex-presidente do BNDES, aceitou o convite da Associação Desenvolvimentista Brasileira (ADB) e será o presidente de honra da entidade, que deve ser criada até o fim do primeiro semestre. Um dos principais objetivos da ADB será recolocar na ordem do dia o debate sobre um projeto de desenvolvimento para o país. A primeira grande atividade da associação está marcada, significativamente, para o 7 de Setembro, quando também será lançado seu site.

Volta dӇgua
A Cedae conclui hoje, às 8h, as obras de remanejamento e interligação do tronco adutor da Barra da Tijuca, nas proximidades do mergulhão da Cidade da Música. As obras atenderam a pedido da Prefeitura do Rio, para a execução das obras da Transcarioca. Embora, o abastecimento de água deva estar normalizado hoje, a Cedae salienta que o serviço pode levar até 36 horas para ser completamente normalizado.

Barraco no Metrô
Invadido com frequência por homens que não respeitam o direito de gênero, o carro exclusivo para as mulheres do Metrô do Rio foi palco, há cerca de dois meses, de uma agressão física. Na estação Afonso Pena, uma mulher reclamou com um homem, que além de invadir o vagão feminino, se recusava a ceder seu lugar. O mal-educado reagiu a tapas e acabou rolando pelo chão do vagão com a mulher em meio a dezenas de passageiras – e alguns passageiros – que assistiam à cena apavorados. Ao chegar à estação São Francisco Xavier, ele foi retirado do carro por seguranças do Metrô e deixou o vagão culpando a mulher!

Bolha parlamentar
A deputada estadual Clarissa Garotinho (PMDB) apresentou projeto de decreto de lei para invalidar o decreto do governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), do último dia 9, que desapropria o prédio da Bolsa Valores, no Centro do Rio, para dar lugar às novas instalações da Assembléia Legislativa do Estado do Rio (Alerj). O edifício foi avaliado em cerca de R$ 500 milhões, noves fora as benfeitorias promovidas pelos antigos proprietários. Para garantir a transferência de sede, a Alerj vai desembolsar a bagatela de cerca de R$ 1 bilhão. Além de criticar “o valor absurdo”, a deputada cobra do presidente da Alerj que debata a questão com o conjunto da Casa: “O presidente Paulo Melo não pode falar em nome de todos os parlamentares e não pode decidir sozinho. Existem milhares de outras possibilidades além de desapropriar o prédio da Bolsa e pagar esse valor absurdo”, destacou.

De castigo
A juíza federal Leila Paiva, titular da 10ª Vara Federal Cível de São Paulo, condenou a União e o Estado de São Paulo a pagarem indenização de R$ 1 milhão por descumprirem a determinação do Conselho Nacional de Educação que proíbe submeter ao “vestibulinho” as crianças que desejam ingressar no primeiro ano do ensino fundamental. Segundo a revista Consultor Jurídico, a juíza considerou que a omissão colocou as crianças “em desigualdade de direito”.

Artigo anteriorPreocupados
Próximo artigoHood Robin
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.