Na pandemia, 97,56% dos brasileiros usaram internet todos os dias

Para 64,5%, uso foi para fazer compras virtuais, enquanto 40,8% utilizaram a rede para trabalhar.

Informática / 16:07 - 20 de ago de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Pesquisa realizada pela divisão de Mídia da Nielsen Brasil em parceria com a Toluna, com foco em hábitos e tendências do consumo digital, mostrou que 97,56% das pessoas consultadas acessaram a internet todos os dias em junho. A grande maioria usou a rede mais para entretenimento do que para o trabalho: com a necessidade de permanecer no lar, 93,2% dos entrevistados responderam que o acesso foi para assistir filmes, vídeos e programas de TV; 86,97% declararam ouvir música; 77,47% usaram a rede para pesquisas, consultas e e-mail; 77,24% para interagir nas redes sociais; 68,06% para ler notícias; 64,85% para jogar online; 64,5% para fazer compras; 52,87% para administrar sua vida bancária; 50,4% para pedir delivery e 40,84% para trabalhar.

Na comparação com o ano passado, 74,8% das pessoas entrevistadas apontaram que estão usando mais a internet para ver vídeos, filmes e programa de TV neste ano, contra o mesmo período de 2019. No caso das redes sociais, 66,8% disseram estar mais conectados nas mídias (contra 2019).

O trabalho remoto tem a internet como sua principal ferramenta, com 40,8% das pessoas declarando ter feito suas tarefas virtualmente. Na comparação com o mesmo período analisado em 2019, 33,6% dos respondentes disseram ter aumentado o tempo destinado a essa atividade. Segundo os dados, 15,1% dos entrevistados declararam dedicar mais de 15 horas semanais ao trabalho remoto, 13,3% de 10 a 15 horas e 16,2% de 7 a 10 horas, exercendo suas atividades laborais via web.

E os smartphones ganharam força neste cenário pandêmico: 44,9% afirmam navegar mais de 15 horas semanais na internet usando smartphone, seguido de laptop/notebook (13,7%), desktop (11,7%), smart TV/TV ( 11,2%) e tablets (2,9%).

Comportamento que fica mais evidente na análise do local de acesso à internet no período, que passou a ser uma atividade domiciliar. Respondendo a uma questão com múltiplas respostas, 89,8% dos entrevistados informaram que a usaram de casa durante a semana, 75,2% entraram na rede no fim de semana e 35,38% acessaram da casa de amigos e parentes. Por outro lado, apenas 24,5% afirmaram ter conectado à internet do trabalho, 20,2% no transporte, 11.37% em um espaço público e 10,99% em lojas ou shoppings.

Na análise do consumo por faixa etária, as atividades mais acessadas por pessoas de 46 a 55 anos foram: jogos de azar, aplicativos de mensagem ou bate papo e shows gravados. Também é a faixa que mais lê jornal/revista online (47%), porém a terceira que mais lê jornal/revista impresso (17.98%). A leitura de veículos de comunicação impresso é liderada pela faixa etária superior a 56 anos, e em segundo lugar aparecem pessoas com 36 a 45 anos. De acordo com o estudo da Nielsen Mídia, 50,4% dos pesquisados disseram ter usado delivery no período.

Quando o assunto é compras virtuais, 64,5% dos pesquisados disseram ter adquirido algo via internet, o que significa uma alta na comparação com o mesmo período do ano passado, quando 46,2% disseram ter aumentado o tempo dedicado nas compras pela internet.

Durante o mês de junho, os participantes da pesquisa disseram ter visualizado mais publicidade de alimentos (66,5%), bebidas (58,5%) e limpeza (52,5%). Mas, na hora de desembolsar no comércio eletrônico, a procura foi maior por alimentos (46,2%), roupas (33,2%) e papelaria (46,2%).

O levantamento entrevistou 1.260 pessoas das classes A, B e C, segundo critério de classificação de classes utilizado pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep), em que pessoas da classe C2 tem renda média domiciliar de R$ 4.500 por mês. Estudo feito com pessoas acima de 16 anos, de todas as regiões brasileiras, com 3 pontos percentuais de margem de erro e 95% de margem de confiança. A coleta de dados ocorreu no dia 30 de junho, considerando as quatro semanas anteriores à sua aplicação, e em algumas questões somente na semana anterior (entre 24 e 30 de junho).

 

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor