Na praça

Depois de deixar a Secretaria municipal de Planejamento de São Paulo, o economista João Sayad desistiu de se candidatar ao cargo de secretário-executivo da Cepal. Segundo uma fonte do Chile, país que sedia a comissão, Sayad solicitou que seu nome fosse retirado da lista de concorrentes àquela vaga. Free-lancer, se somou ao time de críticos da política do ministro Antônio Palocci, que, para ele, mantém a mesma política de Malan, não por tática, mas por estratégia.

Genéricos
Os genéricos responderam por 18,2% do volume de medicamentos vendidos no país, no primeiro semestre, segundo levantamento da Pró Genéricos, entidade que reúne as principais indústrias do setor no país. A comparação foi feita apenas em relação aos medicamentos que já têm princípios ativos disponíveis na versão genérica e somam 256 tipos, respondendo por 38% das vendas. Em relação ao faturamento contabilizado em dólar, o segmento abocanhou 15%.  Se considerado o mercado como um todo, a participação cai para 8,04% das unidades comercializadas e 6% do faturamento em dólar. Em alguns princípios ativos, no entanto, a participação dos genéricos ultrapassa os 50%, como no da Amoxicilina, cujas vendas de genéricos alcançaram 65% no primeiro semestre.

Segurança
O chefe de Polícia Civil do Estado Rio de Janeiro, Álvaro Lins, debate a “Segurança Bancária Dentro do Contexto do Tema Segurança no Estado”, promoção da Associação e do Sindicato dos Bancos do Estado do Rio de Janeiro. Será no próximo dia 5, às 14h30m, no Auditório Theophilo de Azeredo Santos (Av. Rio Branco 81 – 19º andar – Centro). Inscrições: (21) 2203-2188 ou 2253-1538.

Dominó
O fim do governo Sanchez de Lozada na Bolívia pode ser o primeiro da série de impeachments por rebeliões populares contra o neoliberalismo. No Peru, Alejandro de Toledo, cuja popularidade gira em torno dos 11%, pode cair a qualquer momento, segundo impressões de executivos brasileiros em viagem de negócios naquele país. Eleito como oposição a Alberto Fujimori, Toledo adotou e aprofundou as mesmas políticas que levaram o El Chino a seu exílio de luxo no Japão. Com o desemprego e o subemprego atingindo cerca de 80% da população, a violências nas ruas, principalmente nas zonas mais populares, como são chamadas as regiões mais próximas da capital, impressiona mesmo a moradores de grandes urbanos brasileiros.

Prévia
O apagão que vitimou Florianópolis ontem e anteontem pode ser uma amostra da ameaça que paira sobre o país para quando decolar a bolha de crescimento arquitetada pela equipe econômica a tempo de fazer efeito sobre as eleições do ano que vem. Diferentemente de 2001, quando foi a única região a escapar do racionamento, o Sul agora é um dos lugares com reservatórios em situação mais crítica a ponto de precisar receber energia do Sudeste.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDucha fria
Próximo artigoPorteira

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás