Não bastam ‘reforminhas’, é preciso mudar modelo

Enquanto não houver mudança de modelo, o país está condenado à trajetória de instabilidade e crise. “Não bastam ‘reforminhas’ na conhecida tradição política brasileira de ‘conciliação e reforma’”, sentencia o professor titular do Instituto de Economia da UFRJ Reinaldo Gonçalves. “Ampliar e aprofundar o Modelo Liberal Periférico (MLP) aumenta as falhas de modelo, as falhas de mercado e o risco de falhas de governo. Esse risco é evidente nas combinações ‘bizarras’ de regimes monetário (meta de inflação), fiscal (teto de gastos) e cambial (câmbio flexível), processos de privatização ‘a toque de caixa’, contaminação de agências reguladoras (perdão do pagamento de multas, reajustes de preços e tarifas etc.), reformas focadas no retrocesso de direitos sociais, desmonte do aparelho de Estado etc”, aponta Gonçalves, que divulgou nesta quarta-feira o estudo “Conjuntura internacional, falhas nacionais e crescimento econômico. Falhas de governo, mercado e modelo explicam a queda da renda per capita no Brasil (2011-16)”.

O principal objetivo do trabalho é analisar a hipótese que a queda da renda per capita brasileira nos governos Dilma Rousseff (2011 a agosto de 2016) é determinada, principalmente – Reinaldo fala em “quase que totalmente” – por um conjunto de falhas nacionais, com destaque para as falhas de governo. Eventual aceleração das locomotivas da economia mundial pode até recolocar a economia brasileira nos trilhos, porém, no primeiro “engasgo”, o vagão Brasil descarrilha mais uma vez. “Quando o mundo avança, o Brasil avança menos que o mundo; quando o mundo regride, o Brasil regride mais que o mundo. Assim, a trajetória de instabilidade e crise no longo prazo decorre, fundamentalmente, de falhas endógenas. A questão central da economia brasileira não é a instabilidade do capitalismo globalizante e, sim, a baixa capacidade do país de resistência a fatores desestabilizadores externos”, ensina o professor.

O Brasil precisa reduzir drasticamente as falhas de mercado e de governo. Mas, aponta Reinaldo, “correções marginais de falhas de mercado (dominação financeira, cartéis etc.) e de falhas de governo (política fiscal, cambial, monetária etc.) são incapazes de tirar o país da atual trajetória de instabilidade. Nem mesmo governantes ‘virtuosos’, que minimizem os efeitos da inépcia e da corrupção semeadas e colhidas nos governos Lula e Dilma, são capazes de recolocar o país na trilha do desenvolvimento sem mudanças estruturais”.

Ocean Drive

João Doria tenta, na cadeira de prefeito de São Paulo, montar uma imagem midiática do administrador que está limpando – literalmente – a cidade. É o modelo de assepsia que tanto agrada a elite paulista e uma parcela da classe média. Mais fácil seria mudar para Miami, sonho de consumo dessa gente. De quebra, teriam as sonhadas praias.

Menos, menos

Questionado pela RedeTV a respeito de como o STF deve atuar nas questões políticas, o ministro Gilmar Mendes foi enfático: “É bom que o STF não seja imune à política, caso contrário, viraria um autista institucional”.

Ao final da entrevista, Gilmar Mendes fez considerações sobre o presidente Michel Temer. “Ele tem conduzido o Brasil com grande lucidez, num momento extremamente difícil. Sobretudo, acho que se destaca no presidente essa serenidade em momentos difíceis”.

Rápidas

A Fiesp recebe, a portas fechadas, o secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, nesta sexta-feira, às 10h, para debater a reforma da Previdência Social *** A Caixa Econômica Federal divulgou o resultado da seleção de obras inscritas na Mostra Bienal Caixa de Novos Artistas 2017/2018. A relação está disponível em programasculturaiscaixa.com.br *** Prorrogado até 13 de fevereiro o prazo para submissão de trabalhos para o 3º Congresso Brasileiro de Política, Planejamento e Gestão em Saúde. Inscrições em http://abrasconatal17.ufrn.br/index.php/2013-01-31-06-37-23/2013-01-31-07-13-54/submissao-de-trabalhos *** O Hemorio lança nesta quinta-feira a 14ª edição da campanha Vista a Fantasia da Solidariedade. Com ações voltadas para os voluntários à doação de sangue, a iniciativa recebe o apoio da rainha de bateria da Portela, Bianca Monteiro. As ações têm como objetivo reforçar os estoques de sangue para o Carnaval *** Nesta sexta, das 9h às 18h, a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas (Abimaq) oferecerá curso com o tema “DIRF 2017 e Comprovantes de Rendimentos e Comentários a DMED – Regras para Retenção e Preenchimento”. Será na sede da entidade (Avenida Jabaquara, 2925, São Paulo – SP). Mais em www.abimaq.com.br *** A Facha está com as inscrições abertas para turmas dos cursos de extensão. Entre as novidades estão Relações Públicas e Governança Corporativa, Produção de Moda e Comunicação Corporativa em Grandes Eventos. As aulas ocorrerão entre 11 e 25 de março. Informações e inscrições: http://extensao.facha.edu.br/

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Governo sabota emprego doméstico

Desconto no Imposto de Renda, que acabou, incentivava a assinatura da carteira.

Últimas Notícias

Sindicatos defendem política pública para tratar dos combustíveis

Melhor alternativa é considerar todas as etapas e beneficiar o consumidor

Redução dos impactos socioeconômicos das mudanças climáticas

Engajamento necessário de todos os atores sociais, especialmente das empresas.

O cenário da construção civil para 2022

Por Victor Gomes.

Sai edital da primeira desestatização de portos no país

Em Vitória a capacidade de movimentação portuária é de 7 milhões de toneladas

‘Olhos de Água’, romance delicado e apaixonante

Por Paulo Alonso.