Não bastam ‘reforminhas’, é preciso mudar modelo

Enquanto não houver mudança de modelo, o país está condenado à trajetória de instabilidade e crise. “Não bastam ‘reforminhas’ na conhecida tradição política brasileira de ‘conciliação e reforma’”, sentencia o professor titular do Instituto de Economia da UFRJ Reinaldo Gonçalves. “Ampliar e aprofundar o Modelo Liberal Periférico (MLP) aumenta as falhas de modelo, as falhas de mercado e o risco de falhas de governo. Esse risco é evidente nas combinações ‘bizarras’ de regimes monetário (meta de inflação), fiscal (teto de gastos) e cambial (câmbio flexível), processos de privatização ‘a toque de caixa’, contaminação de agências reguladoras (perdão do pagamento de multas, reajustes de preços e tarifas etc.), reformas focadas no retrocesso de direitos sociais, desmonte do aparelho de Estado etc”, aponta Gonçalves, que divulgou nesta quarta-feira o estudo “Conjuntura internacional, falhas nacionais e crescimento econômico. Falhas de governo, mercado e modelo explicam a queda da renda per capita no Brasil (2011-16)”.

O principal objetivo do trabalho é analisar a hipótese que a queda da renda per capita brasileira nos governos Dilma Rousseff (2011 a agosto de 2016) é determinada, principalmente – Reinaldo fala em “quase que totalmente” – por um conjunto de falhas nacionais, com destaque para as falhas de governo. Eventual aceleração das locomotivas da economia mundial pode até recolocar a economia brasileira nos trilhos, porém, no primeiro “engasgo”, o vagão Brasil descarrilha mais uma vez. “Quando o mundo avança, o Brasil avança menos que o mundo; quando o mundo regride, o Brasil regride mais que o mundo. Assim, a trajetória de instabilidade e crise no longo prazo decorre, fundamentalmente, de falhas endógenas. A questão central da economia brasileira não é a instabilidade do capitalismo globalizante e, sim, a baixa capacidade do país de resistência a fatores desestabilizadores externos”, ensina o professor.

O Brasil precisa reduzir drasticamente as falhas de mercado e de governo. Mas, aponta Reinaldo, “correções marginais de falhas de mercado (dominação financeira, cartéis etc.) e de falhas de governo (política fiscal, cambial, monetária etc.) são incapazes de tirar o país da atual trajetória de instabilidade. Nem mesmo governantes ‘virtuosos’, que minimizem os efeitos da inépcia e da corrupção semeadas e colhidas nos governos Lula e Dilma, são capazes de recolocar o país na trilha do desenvolvimento sem mudanças estruturais”.

Ocean Drive

João Doria tenta, na cadeira de prefeito de São Paulo, montar uma imagem midiática do administrador que está limpando – literalmente – a cidade. É o modelo de assepsia que tanto agrada a elite paulista e uma parcela da classe média. Mais fácil seria mudar para Miami, sonho de consumo dessa gente. De quebra, teriam as sonhadas praias.

Menos, menos

Questionado pela RedeTV a respeito de como o STF deve atuar nas questões políticas, o ministro Gilmar Mendes foi enfático: “É bom que o STF não seja imune à política, caso contrário, viraria um autista institucional”.

Ao final da entrevista, Gilmar Mendes fez considerações sobre o presidente Michel Temer. “Ele tem conduzido o Brasil com grande lucidez, num momento extremamente difícil. Sobretudo, acho que se destaca no presidente essa serenidade em momentos difíceis”.

Rápidas

A Fiesp recebe, a portas fechadas, o secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, nesta sexta-feira, às 10h, para debater a reforma da Previdência Social *** A Caixa Econômica Federal divulgou o resultado da seleção de obras inscritas na Mostra Bienal Caixa de Novos Artistas 2017/2018. A relação está disponível em programasculturaiscaixa.com.br *** Prorrogado até 13 de fevereiro o prazo para submissão de trabalhos para o 3º Congresso Brasileiro de Política, Planejamento e Gestão em Saúde. Inscrições em http://abrasconatal17.ufrn.br/index.php/2013-01-31-06-37-23/2013-01-31-07-13-54/submissao-de-trabalhos *** O Hemorio lança nesta quinta-feira a 14ª edição da campanha Vista a Fantasia da Solidariedade. Com ações voltadas para os voluntários à doação de sangue, a iniciativa recebe o apoio da rainha de bateria da Portela, Bianca Monteiro. As ações têm como objetivo reforçar os estoques de sangue para o Carnaval *** Nesta sexta, das 9h às 18h, a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas (Abimaq) oferecerá curso com o tema “DIRF 2017 e Comprovantes de Rendimentos e Comentários a DMED – Regras para Retenção e Preenchimento”. Será na sede da entidade (Avenida Jabaquara, 2925, São Paulo – SP). Mais em www.abimaq.com.br *** A Facha está com as inscrições abertas para turmas dos cursos de extensão. Entre as novidades estão Relações Públicas e Governança Corporativa, Produção de Moda e Comunicação Corporativa em Grandes Eventos. As aulas ocorrerão entre 11 e 25 de março. Informações e inscrições: http://extensao.facha.edu.br/

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

Mortes dos essenciais

Aumentam em mais de 50% óbitos de caixas, frentistas e educadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Eleição no Peru está indefinida. Empate técnico entre 5 candidatos

Primeiro turno será no domingo. segundo turno está previsto para o dia 6 de junho.

Equador: Não haverá contagem rápida no domingo de eleições

Arauz, candidato do ex-presidente Rafael Correa lidera as pesquisas com 37% das intenções de voto contra 30% do candidato do Aliança Creo, o banqueiro Guillermo Lasso.

Indicador econômico global mantém trajetória de recuperação

Segundo FGV, fato reflete avanço das campanhas de vacinação contra a Covid.

Brasil movimentou R$ 2 tri em transações com cartões em 2020

Transações digitais foram impulsionadas por modernização do mercado e pandemia.

IPCA de março variou abaixo da expectativa do mercado

Nossa projeção para o ano que vem permanece de 6,5%, podendo ser antecipada para este ano.