31.1 C
Rio de Janeiro
quarta-feira, janeiro 20, 2021

Não dá para ter inveja

Um grupo de 370 economistas, que inclui oito laureados com o Prêmio Nobel, muitos de tendência conservadora, divulgou carta aberta em que critica Donald Trump e defende o voto “no outro candidato”; russos e chineses ficariam satisfeitos com a eleição do milionário apresentador de TV. Como esta coluna já abordou em outras ocasiões, a situação nos Estados Unidos está longe de ser simples. Trump representa seu papel, o que desagrada ao establishment. Enquanto isso, a democrata Hillary Clinton recebe apoio de Wall Street e da maior parte da mídia – que, ironicamente, criou seu adversário, como assinala o cineasta norte-americano Michael Moore em seu último filme, Trumpland.

Thierry Meyssan, francês, autor de livros como a Assustadora Impostura, a respeito dos atentados de 11 de Setembro, levanta em seu blog uma série de suspeitas sobre a ligação de Hillary com a Irmandade Muçulmana e jihadistas. Meyssan fala sobre as investigações em torno dos e-mails da democrata, em que o FBI não estaria apurando um caso de negligência de regras de segurança, mas sim uma tentativa de conspiração para eliminar a correspondência da então secretária de Estado, que poderia revelar financiamento ilegal e corrupção. A investigação do FBI se voltaria assim para Huma Abedin, chefe de gabinete de Hillary, e Anthony Weiner, ex-marido da assessora e ex-deputado, que teve o computador apreendido – nele foram encontrados e-mails da então secretária de Estado.

Tudo isso deixa a eleição, nesta terça-feira, imprevisível. Nesta terça, modo de falar, pois os votos já estão sendo depositados nas urnas. E o prognóstico, por enquanto, não é bom para os democratas, com comparecimento menor do que esperavam em estados que tradicionalmente votam com o partido. Há uma certa apatia, e não são poucos os que temem que o voto de protesto (f… América, como disse Michael Moore) deságue em Trump.

Sinônimo de crédito

O CDLRio, Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro, comemora, nesta segunda-feira, 61 anos. Fundadora do SPC, a entidade lançou o Acerta, uma ferramenta para auxiliar os lojistas nas vendas a credito para pessoas físicas, com informações completas e detalhadas, incluindo a indicação de probabilidade de os clientes se tornarem inadimplentes.

O aniversário chega junto com o alcance da meta de 15 mil associados. Segundo o seu presidente, Aldo Gonçalves, o CDLRio persegue o caminho da modernização, atualização técnica, operacional e da responsabilidade social, pois sabe que a sobrevivência e a evolução do comércio varejista depende de um contínuo aprimoramento. “É uma nova era em que a entidade está cada vez mais sintonizada com o desenvolvimento do setor, da cidade, do estado e do país”, analisa Aldo.

O Clube tem sua história ligada ao Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), considerado um marco e uma verdadeira revolução na história do sistema de crediário no Brasil. Na época, em 1955, para avaliar a concessão de crédito ao consumidor os lojistas tinham que percorrer um longo caminho, através de informantes profissionais, pessoas físicas, que colhiam informações comerciais sobre o candidato ao crédito em outros estabelecimentos, como açougue, armazém, padaria e vizinhos, nas cercanias da residência do cliente. Tudo isso levava cerca de 20 dias até a aprovação.

Disputa

O Wall Street Journal anunciou uma disputa de editoras por livros de Barack e Michelle Obama, com ofertas de até US$ 15 milhões. Fosse de Lula, e já diriam que era pagamento de propina.

Fulanizar

O Bom Dia Brasil, da Globo, fez ampla reportagem sobre problemas em hospitais do Distrito Federal e de Nilópolis (RJ), com direito a Alexandre Garcia defender que os responsáveis sejam “fulanizados”, ou seja, não basta culpar o serviço público, mas deve-se apontar pessoalmente cada um. Apesar de extensa, foram incapazes de dizer quais são os partidos no poder. Tem-se a certeza, portanto, que não são do PT.

Rápidas

O 9º Congresso Nacional da Fundação Ulysses Guimarães, do PMDB, será realizado de segunda a quarta, no Hotel Kubitschek Plaza, em Brasília. O presidente da Fundação é Moreira Franco, homem-forte das privatizações do Governo Temer. No dia 9 será lançado, no Congresso, o livro 50 anos do PMDB *** A Fundação Getulio Vargas lança em São Paulo um curso intensivo para diplomatas: “Contemporary Brazil: Politics, Economics and Society”. Entre os docentes, Matias Spektor (Oxford), Oliver Stuenkel (Harvard e Duisburg-Essen), Leonardo Weller (LSE) e Kurt von Mettenheim (Columbia University). Informações: (11) 3799-3769/ 3799-3753 ou http://ri.fgv.br/ensino/contemporarybrazil *** O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, participa nesta segunda-feira, às 14h, da Conferência Anual de Startups e Empreendedorismo – CASE 2016, promovida pela Associação Brasileira de Startups (ABstartups). Mais informações: http://case.abstartups.com.br/

Artigo anteriorMas…
Próximo artigo‘America’s vote’
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.

UE planeja iniciar gastos de grande fundo de recuperação em meses

Incerteza econômica na Alemanha continua em 2021; economista mantém previsão de crescimento do PIB do país em +3,5%.

Exterior abre positivo e Copom no radar interno

Na Ásia, Bolsas fecharam sem sinal único; Hong Kong registrou avanço de 1,08%.

Índice Ibovespa futuro opera entre perdas e ganhos

No momento, o futuro do índice Ibovespa está em alta de 0,03% e o futuro do dólar está em queda de -0,34%.

Comportamento indefinido

Ontem, logo cedo, Europa seguia a trilha de alta dos mercados da Ásia, o mesmo acontecendo com o mercado americano.