30.4 C
Rio de Janeiro
terça-feira, janeiro 19, 2021

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

A saída da Ford do Brasil trouxe de volta alguns lugares-comuns sobre tecnologias disruptivas que enterram empresas engessadas. Os exemplos são maios ou menos os mesmos: a Blockbuster foi para o vinagre com a chegada da Netflix, Kodak faliu a partir do advento da fotografia digital… (a IBM vai bem, obrigado, e fica, convenientemente, de fora da relação).

O problema de análises tão ligeiras quanto rasas é não aprender com o passado e ver no presente um futuro imutável. Há não muitos anos, o MySpace foi visto como um aplicativo disruptivo, e hoje mal se sustenta num nicho; na outra ponta, até coisa de 1 ano a Tesla era vista como uma fonte de prejuízos que não conseguia entregar o que prometia, e hoje Elon Musk acelerou para o posto de mais rico do mundo.

No caso da Ford, são anos de políticas equivocadas que se acumulam. No Brasil em especial, desde a fracassada parceria na Autolatina, ainda no final da década de 1980. A estagnação da nossa economia após a recessão de 2015 colocou a montadora no cadafalso, e a pandemia e a desvalorização do real ano passado deram o empurrão final.

Não se quer aqui ignorar a mudança que se vê no horizonte na relação entre cliente e automóvel. O efeito poderá ser similar ao do celular nas linhas fixas – no início dos anos 2000, já era um bem em extinção na Finlândia, terra da Nokia (e isso não impediu que esta empresa perdesse o bonde nos smartphones, mas isso é outra história).

Não se pode querer analisar um mercado por um ano atípico, em que o distanciamento e a recessão derrubaram as vendas da indústria automobilística mundial. A estimativa é que as vendas globais de carros tenham caído para 61,9 milhões em 2020, após alcançarem 74,9 milhões em 2019 – pequena queda em relação aos 78,9 milhões vendidos em 2018, mas ainda assim bem acima da média 2010-18, que ficou em 69,7 milhões.

Mesmo com a queda também no Brasil, a Fiat cresceu. E mesmo com as decisões da Ford, a montadora norte-americana anunciou investimentos na Argentina. Em resumo, a razão da saída vem da própria Ford. Mas a estagnação que já dura 6 anos, sem dúvida, ajudou.

 

Paixão pelo Rio

Quem quiser mergulhar no Estado do Rio de Janeiro terá essa oportunidade a partir de maio, com o livro Paixão por fotografar o Rio, de Bayard Do Coutto Boiteux, que conta uma série de histórias através do olhar fotográfico de Thiago Oliveira.

Entre os locais abordados estarão a capital, o Vale do Café, Petrópolis e Paraty. Segundo o autor, pela primeira vez em sua carreira literária, um exemplar é elaborado pelo sistema de crowdfunding, que consiste em colaborações financeiras para a produção.

Para participar, basta acessar Livro Paixão por fotografar o Rio na Kickante.

 

Rápidas

O laboratório para detecção de Covid-19 instalado pelo CR Diagnósticos no Terminal 3 do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, entrou em funcionamento nesta terça-feira (12), com capacidade de realização de 150 mil testes mensais e entrega de resultados em, no máximo, 4 horas, em português e inglês.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Leilões existem há 25 séculos

Modalidade começa na Babilônia e também foi muito utilizada pelos romanos.

Didi Mocó, Mussum, Zacharias e Dedé

Contorcionismo que fazem os homens da saúde do Governo Federal lembra ‘Os Trapalhões’.

Como fica a economia pós-vacina?

Demora no combate à pandemia já engoliu um percentual do PIB de 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportações de suco de laranja recuam 23% entre julho e dezembro

Safra menor e estoques mais elevados estão entre as principais razões para a baixa.

Os desafios para Joe Biden nos EUA

Avanço da Covid-19 pode fazer com que democrata e equipe tenham que apagar alguns incêndios no começo do mandato.

Mercados sobem em véspera do Copom

Campos Neto, presidente do BC, participa da primeira sessão da reunião do Copom.

Mercados locais sobem seguindo Bolsas mundiais

Dia amanhece com tendência de alta para o mercado interno, seguindo NY na volta do feriado.

Contra tudo temos vacina

Dia promete ser de mais recuperação da Bovespa, dólar fraco e juros em queda.