30.1 C
Rio de Janeiro
quinta-feira, janeiro 21, 2021

Não se preocupe, a recessão é dada

O PIB brasileiro deve cair, no mínimo, 5% este ano, assim como o de outras economias latino-americanas e os gigantes China e Estados Unidos. Este é quase um ponto pacífico entre os economistas que tentam manter certo otimismo na revisão das projeções. Mas sair da quarentena para movimentar a economia e evitar esta tragédia é ainda pior, pois levaria a um colapso do Sistema Único de Saúde (SUS), milhares de mortes e consequências ainda mais devastadoras para a economia.

As medidas governamentais para reduzir os impactos negativos da pandemia, que incluem o benefício de R$ 600, adiamento do pagamento de impostos etc. vão aumentar o rombo dos cofres públicos, que já vinha em um momento delicado, pois Guedes, ao contrário do que apregoou lá na campanha eleitoral, não conseguiu transformar o déficit fiscal em superávit já no primeiro ano de governo. Faltava honestidade aritmética, sim, como alertou o economista José Alexandre Scheinkman naquela época.

Liberal de carteirinha, Guedes esperneia cada vez que se fala da necessidade de aumentar os gastos públicos e não é para menos. De acordo com as projeções do secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, o déficit primário brasileiro deve fechar o ano de 2020 em R$ 500 bilhões, contra R$ 61 bilhões em 2019, mas já há projeções acima disso, caso o PIB recue 5% ou mais. O Orçamento deste ano autorizava um déficit de até R$ 124,1 bilhões. A “regra de ouro” – que proíbe o governo de emitir dívida para pagar despesas correntes, como salários – encontra-se suspensa.

O mundo como um todo sofre com as consequências da pandemia. A previsão do FMI é que a economia mundial caia 3%. E nem adianta defender a tese de que foram os comunistas chineses que fizeram isso para se dar bem. O PIB chinês registrou sua primeira queda em quase 30 anos, desde 1992 quando dados trimestrais oficiais começaram a ser publicados. E não foi uma queda qualquer. No primeiro trimestre, a economia encolheu 6,8%.

Para os EUA, a previsão é de que seu produto recue 5%, conforme estima o presidente da distrital de Filadélfia do Federal Reserve (Fed), Patrick Harker. Já James Bullard, presidente do Fed de Saint Louis, prevê um quadro ainda pior: o PIB americano pode despencar 50% no segundo trimestre, algo inédito, com o desemprego passando de 3% para 30%.

No Brasil, ainda tenta-se manter o otimismo. O Boletim Focus demonstrou piora das estimativas, que continuam bem aquém da realidade. A mediana das projeções é de um recuo 1,96%. O percentual está muito aquém do que a própria realidade trabalhada pelo governo e outros órgãos. Guedes acredita em 4% de redução. O Instituto Internacional de Finanças (IIF) espera uma queda de 4,1%, e o FMI projeta contração de 5,3%. O Banco Mundial prevê uma retração de 5% na economia brasileira em 2020. Se este for realmente o tamanho da perda, esta será a maior retração em 58 anos, de acordo com a série histórica do Banco Central, iniciada em 1962.

A consequência da pandemia para o Brasil mostra-se ainda mais grave quando se observa que o país nem chegou a se reerguer da recessão anterior, de 2015 e 2016, quando o PIB recuou o total de 7,5%. Os dados econômicos brasileiros já não eram os melhores: sucessões de déficits fiscais, crescimento da dívida pública, elevada taxa de desemprego e a inaptidão do governo em propor medidas para alterar o rumo econômico.

O desemprego já havia subido em fevereiro, atingindo 11,6% da população e deve registrar crescimento muito maior nos meses de março e abril, junho… Isso sem contar com o corte de salários e renegociações. A recessão é fato. O que se precisa é pensar em como recuperar o leite derramado depois. Não vai ser o movimento “derruba Mandetta” ou “volta pra rua” que vai salvar o cenário. Pelo contrário, posturas como esta são fermentos a mais para a instabilidade do país das panelas.

Ana Borges
Colunista.

Artigos Relacionados

Como fica a economia pós-vacina?

Demora no combate à pandemia já engoliu um percentual do PIB de 2021.

Quebrada ou não, economia exibe fissuras estruturais

Há verdades no discurso do presidente de que o ‘Brasil está quebrado, chefe’.

Tapa um santo, destapa outro

25% dos processos na PGFN no Superior Tribunal de Justiça tratam do PIS/Cofins.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.

EUA: expectativa por novos estímulos fiscais traz bom humor

Futuros dos índices de NY estão subindo, mesmo após terem atingidos novos recordes históricos no fechamento do pregão anterior.

Ajustando as expectativas

Bovespa andou na quarta-feira na contramão dos principais mercados da Europa e também dos EUA.

Sudeste produz 87,5% dos cafés do Brasil em 2020

Com mais de 55 milhões de sacas a região é a principal responsável pela maior safra brasileira da história.

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.