Nas estradas, Brasil é ultrapassado até pela Venezuela

Investimento privado em infraestrutura não cresce, e país anda para trás.

Estradas de alta velocidade que podem transportar mercadorias em locais distantes aumentam a produtividade, reduzem a pobreza e são um importante contribuinte para o desenvolvimento econômico sustentável e inclusivo, informa o Fundo Monetário Internacional (FMI), que desenvolveu uma medida da qualidade das estradas em 162 países usando o Google Maps para determinar o tempo médio ou médio que leva para dirigir entre grandes cidades que estão a pelo menos 80 quilômetros de distância.

As estradas mais rápidas do mundo são encontradas em economias mais ricas, incluindo Estados Unidos, Portugal, Arábia Saudita e Canadá. As estradas mais lentas são encontradas nos países mais pobres. O Brasil não está nesse pior grupo, mas quase. Figura no mapa entre as nações do segundo bloco (de 4), com velocidades entre 61 e 75km/h. Os vizinhos Argentina e Chile aparecem na ponta, com estradas de 91-110km/h. China, Rússia, México e até a Venezuela ficam no grupo intermediário (76-90km/h).

A deterioração da infraestrutura brasileira só piorou nos últimos 7 anos. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que o investimento está abaixo da taxa de reposição – ou seja, não é suficiente sequer para manter o que já existe.

A aposta no investimento privado para suprir a falta do público mostrou-se um grande equívoco. De 2015 a 2021, os valores vindos de empresas privadas vem diminuindo, enquanto o do Estado desabou: no ano passado, foram R$ 42 bilhões do setor público em infraestrutura, praticamente a metade do valor de 2015 (R$ 83,5 bilhões). Um erro ideológico que provoca danos econômicos.

 

A conta certa

Foi uma demonstração de força a quantidade de pessoas que participaram da Parada LGBT+ em São Paulo. Porém divulgar que houve 4 milhões de participantes é atropelar os números. O Monitor Mercantilmostrou que a Avenida Paulista comporta um público máximo de 948,5 mil pessoas, isso num cálculo de sete pessoas se espremendo por metro quadrado, semelhante a um trem lotado. Mesmo assim, seria necessário renovar o público mais de 4 vezes para chegar à quantidade divulgada pela organização. A Parada não fica menor se respeitar a física.

 

Pioneira

Enquanto na Europa se testa a semana de 4 dias, ao menos em 1 secretaria de Niterói (RJ) a demanda dos trabalhadores já é realidade: o servidor tem 1 dia a cada 5 para ficar longe da repartição e cuidar de seus afazeres pessoais.

 

Rápidas

O desenvolvimento do mercado de crédito de carbono será o principal tema do webinário “Bolsa de Ativos Sustentáveis no Rio de Janeiro”, organizado pela Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil (Britcham) nesta quarta-feira. O secretário de Estado de Planejamento, Nelson Rocha, será o principal expositor, pelo canal da Britcham no YouTube, a partir das 10h *** Até sexta-feira, ocorre no Expo Center Norte (SP) a ABF Franchising Week. Julio Monteiro, CEO da Megamatte, participará do Seminário de Transformação Digital, nesta quinta, às 9h.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

SUS poderia ter salvado 338 mil norte-americanos

Assistência à saúde universal pouparia 1/3 das vidas na pandemia.

Ricaços da indústria foram poupados de perdas

Ações de empresas de tecnologia derreteram.

1984

LGPD: a polêmica entre responsabilidade civil objetiva ou subjetiva

Últimas Notícias

Ovo aumentou 202,13% acima da inflação oficial

Pesquisa do IBPT analisou o preço de 40 produtos, entre março de 2020 e maio de 2022.

Exterior misto deve acrescentar volatilidade nos negócios locais

Nesta quarta, dólar também ganha força ante moedas emergentes e ligadas a commodities, o que deve pressionar o real.

BNDES: R$ 317,2 milhões nos aeroportos de Mato Grosso

Ao todo serão investidos R$ 500 milhões nos quatro aeroportos, com participação de 65% do BNDES

Fintechs emprestaram mais de R$ 12 bi em 2021

Crédito é quase o dobro do ano anterior, diz pesquisa da ABCD e PwC Brasil

Regulador divulga primeiro balanço sobre o 5G em Portugal

No final do primeiro trimestre, já havia 2.918 estações de rede 5G espalhadas por 198 cidades (64% das cidades)