Nas nuvens

Com o engessamento do câmbio produzindo um dos mais altos custos de vida do mundo, os setores ligados ao turismo na Argentina estão oferecendo descontos de 20% em hotéis, restaurantes, bares, cafés, casas de tango e espetáculos e museus. A campanha é dirigida, principalmente, aos países vizinhos, com um foco especial no mercado de São Paulo. Apesar da intensa campanha de propaganda que deve começar no próximos dia 28, a campanha deve esbarrar, em obstáculos intransponíveis. Afinal, refeições e shows com preços variando de US$ 30 a US$ 45 (contra US$ 60 a US$ 70 antes) não é programa para qualquer bolso. O Hard Rock Café, porém, assim como alguns restaurantes de Buenos Aires, criou menus turísticos individuais entre US$ 6 a US$ 11.

Fartura na miséria
Embora boa parte de sua população passe fome, o Brasil é um dos principais mercados mundiais da indústria de produtos alimentares e bebidas. O setor, que cresce cerca de 2% ao ano e emprega 150 mil pessoas no país, faturou ano passado R$ 100,2 bilhões. Deste total, os segmento de alimentos abocanhou R$ 86,4 bilhões e o de bebidas, R$ 13,8 bilhões. Os dados são da Associação Brasileira da Industria Alimentícia (Abia), que participa, de 12 a 15, na Unicamp, do IV Simpósio Latino Americano de Ciência de Alimentos (Slaca). O evento deve reunir cerca de 1.500 participantes, entre professores, pesquisadores, cientistas, alunos de graduação e pós-graduação, técnicos, empresários e autoridades do setor de 21 países, incluindo Brasil, Estados Unidos, França, Inglaterra, Alemanha e Japão.
Café com leite
A Abia calcula que existam 35 mil empresas do setor instaladas no Brasil. Os laticínios são o carro-chefe do setor no país, faturando R$ 16,4 bilhões, seguido por café e cereais (R$ 13,8 bilhões), derivados de carne (R$ 13,6 bilhões), óleos e gorduras (R$ 10,3 bilhões), derivados de trigo (R$ 9 bilhões), açúcares (R$ 8,3 bilhões), derivados de frutas e vegetais (R$ 7,1 bilhões) e chocolates e balas (R$ 2,4 bilhões). O setor investe em média 2% a 4 % em pesquisa e desenvolvimento e as grandes indústrias lançam de 20 a 50 produtos por ano.
Um dos objetivos do evento é ampliar a interação entre universidade e empresas brasileiras e estrangeiras.

Sujeira
Sempre crítica à poluição causada por outras esferas, a Prefeitura do Rio de Janeiro poderia voltar a atenção para o próprio umbigo. Ontem, o caminhão de lixo da Comlurb placa LCC 1320 circulava, por volta de 19h, próximo ao Sambódromo – a poucos metros da sede da prefeitura – soltando uma escura fumaça pelo escapamento.

Cobertor curto
A festejada apreciação do real, que soma 6,65% na semana, não enseja apenas comemorações. Se, por um lado, ajuda a aliviar a pressão sobre a dívida interna, provocada pela irresponsável indexação de cerca de 30% dos papéis públicos à variação do dólar, por outro, sua continuação ameaça interromper o melhor e mais visível efeito da desvalorização do real: a redução do déficit externo. Assim, pela lógica da camisa de força da dependência externa imposta o país, nos próximos dias o Banco Central deve atuar para deter a valorização do real.

Dissenso
Tendo como principal palavra de ordem “Não à guerra” um expressivo grupo de sindicalistas de Nova York divulgou manifesto criticando os ataques ao Afeganistão, deflagrados pelo Governo Bush. Intitulado “Os sindicalistas de Nova York contra a guerra”, o manifesto prega ainda “Justiça, sim; vingança, não”, defendendo que um Tribunal Internacional Independente investigue, julgue e prenda os responsáveis pelos ataques de 11 de setembro. Segundo os cálculos dos autores do manifesto, cerca de mil sindicalistas morreram nos escombros do World Center e aproximadamente 100 mil novaiorquinos perderam seus empregos.

Sob controle
A pontaria mostrada pelos aviões dos Estados Unidos que bombardeiam o Afeganistão revelaram nova faceta da aliança Casa Brança/Hollywood. Como deixam claro os alvos atingidos pelos norte-americanos, as bombas inteligentes de Bush são planejadas por Mister Magoo.

Artigo anteriorSaúde
Próximo artigoDois em um
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Empresa pode dar justa causa a quem não se vacinar?

Advogado afirma que companhias são responsáveis pela saúde no ambiente de trabalho.

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

A cabeça do dragão

Por Gustavo Miotti.

Portugueses pedem extensão das moratórias bancárias

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) está pleiteando a prorrogação das moratórias bancárias até 31 de março de 2022”. O...

China libera reservas de metais não ferrosos para reduzir custos

A China disse que continuará a liberar suas reservas estatais de cobre, alumínio e zinco para garantir preços estáveis para as commodities e aliviar...