26.4 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 18, 2021

Necrofilia

O salto no número de pedidos do iPhone 4S, que alcançou cerca de 1 milhão, apenas poucos dias após a morte de Steve Job, apesar das críticas anteriores de especialistas e a decepção de consumidores que esperavam pela chegada do iPhone 5, tem explicação mais psicológica do que tecnológica: fetiche.

Donos do Congresso
“Alguém tem dúvida de que o Fed pertence ao sistema financeiro americano? A Lei Dodd-Frank é a maior prova de que eles são donos do Congresso. Conseguiram produzir um documento com 2.200 páginas, que cria 140 instituições (…) Essa crise é uma repetição da crise de 1929, o que mostra claramente que o sistema financeiro, uma vez desimpedido e desregulado, produz sempre os mesmos efeitos. Eu costumo brincar dizendo que os banqueiros sempre voltam ao local do crime. É visível que o sistema financeiro e bancário precisava ser salvo, mas não é visível que os acionistas dos administradores desse sistema deveriam ser salvos.”
Enganou-se quem atribuiu esta declaração a algum esquerdista. É parte de entrevista do ex-ministro Delfim Netto à Revista Conjuntura Econômica, da FGV.

Armas de destruição
Delfim continua: “Hoje, eu vejo críticas de que a atual crise é consequência do welfare state. Coisa nenhuma. Essa crise que está aí resulta de governos incompetentes, míopes, e de uma disfunção do sistema financeiro, que, em vez de servir ao setor real, acaba servindo-se dele. Os derivativos podem estimular uma melhoria de funcionamento do sistema, mas também podem se tornar armas de destruição em massa.”
Mas contemporiza o ex-ministro: “As inovações não são más; elas foram mal usadas.”

Relaxante
Segundo o jornal espanhol El Pais, o governo da Espanha pressiona a União Européia (UE) para que não endureça os testes de estresse que, supostamente, examinam a saúde financeira dos bancos da região. Deve ter boas razões para isso. O banco franco-belga Dexia, por exemplo, teve de ser estatizado para não ir à breca apenas três meses após passar por esse tipo de teste, que só conseguiu identificar problemas em oito instituições européias (cinco espanholas, duas gregas e uma austríaca). Pelo visto, em vez de estressantes, os novos testes serão low profile.

Nono
Em 2010, o Brasil ficou na nona posição mundial na reciclagem dos plásticos, com o reaproveitamento de 19,4% dos plásticos pós-consumo, atrás da Alemanha (34%), da da Suécia (33,2%), da Bélgica (29,2%), da Noruega (25,7%), da Suíça (24%), da Itália (23%), da Eslovênia (21,4%) e da Dinamarca (21%). A média da União Européia (UE) no ano ficou em 21%.
De acordo com o Plastivida Instituto Sócio Ambiental dos Plásticos, a reciclagem tem crescido no Brasil. Em 2009, a marca ficou em 17,9%. A Região Sudeste foi a que mais reciclou plásticos em 2010 (60%), seguida pelas Regiões Sul (26%), Nordeste (11%), Centro-Oeste (2%) e Norte (1%).

Falta coleta
As 738 empresas dedicadas à reciclagem de plástico, juntas, faturaram R$ 195 bilhões no ano passado, crescimento de 5,2%. Elas empregam 18,3 mil pessoas. A utilização da capacidade instalada – de 1,5 milhão de toneladas – foi de apenas 64,5%. Dos 5.565 municípios brasileiros, apenas 443, ou seja, 8% contam com coleta seletiva estruturada.

Bond in Rio
Como aproveitar a chance oferecida pela realização da Copa do Mundo e das Olimpíadas no estado? Como funciona uma agência online ou o que é preciso para montar uma agência de viagens em casa? Esses e outros assuntos – que vão da chegada das empresas estrangeiras a como satisfazer o desejo de um cliente que quer ser o James Bond – serão apresentados e discutidos durante o 39º Congresso Brasileiro de Agências de Viagens Abav 2011, que será realizado entre os próximos dias 19 e 21, no Riocentro (RJ).

Artigo anteriorViva o sonho
Próximo artigoOcupem o BC
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.