Negociações com China trazem oportunidades de crescimento para Equador

O presidente equatoriano Guillermo Lasso elogiou o início das negociações de um acordo de livre comércio (ALC) entre o Equador e a China, mencionando que o aumento das exportações para a China gerará oportunidades de crescimento para seu país.

O presidente equatoriano Guillermo Lasso concedeu uma entrevista para a Xinhua em Quito, Equador, 31 de janeiro de 2022. (Palácio Presidencial Equatoriano/Folheto via Xinhua)

Xinhua - Silk Road

 

Nos últimos anos, a cooperação econômica e comercial entre a China e o Equador alcançou resultados notáveis, com um crescimento significativo no comércio bilateral, anunciou o Ministério do Comércio da China em um comunicado no início desta semana.

Quito, 10 fev (Xinhua) — O presidente equatoriano Guillermo Lasso elogiou o início das negociações de um acordo de livre comércio (ALC) entre o Equador e a China, mencionando que o aumento das exportações para a China gerará oportunidades de crescimento para seu país.

Lasso, que concluiu sua visita oficial à China na semana passada, fez as declarações em uma entrevista coletiva nesta quarta-feira, onde apresentou os benefícios que virão com estas negociações para o Equador.

O ministro do Comércio da China, Wang Wentao, e o ministro da Produção, Comércio Exterior, Investimento e Pesca do Equador, Julio Prado, assinaram recentemente um memorando de entendimento, marcando o início das negociações bilaterais do ALC.

“A economia global é uma realidade”, disse Lasso. “Acredito que cedo ou tarde teríamos que chegar a esse ponto com a China.”

O presidente enfatizou a necessidade de melhorar e diversificar as exportações além de produtos de primeira linha, como a pitaia, ainda observando: “Vender mais camarão e mais banana para a China significa mais emprego no Equador. Esses mercados serão fortalecidos”.

“Acredito que um país pequeno como o Equador, com 17,7 milhões de habitantes, tem muitas oportunidades nesse grande mercado de 1,4 bilhão de habitantes. É muito positivo para o Equador”, disse Lasso.

Embora sua recuperação instável no pós-pandemia COVID-19 não permita um grande salto econômico de modo a fortalecer a geração de empregos, o Equador pode “encontrar um caminho frutífero na China” para o crescimento por meio do aumento da abertura comercial, afirma ele.

Como apenas três em cada dez equatorianos possuem ocupações formais, um dos desafios do governo equatoriano é aumentar o emprego. Aumentar as exportações e atrair investimentos tornaram-se tarefas urgentes.

Nos últimos anos, a cooperação econômica e comercial entre a China e o Equador alcançou resultados notáveis, com um crescimento significativo no comércio bilateral, disse o Ministério do Comércio da China em comunicado no início desta semana.

A China é o segundo maior parceiro comercial do Equador por dois anos consecutivos. Em 2021, o comércio bilateral totalizou 10,95 bilhões de dólares, um aumento anual de 44,5%.

A assinatura de um acordo de livre comércio ajudará a explorar ainda mais o potencial do comércio bilateral e promover seu desenvolvimento sustentado, estável e diversificado, segundo o comunicado. Fim

Leia também:

Empresas de Quanzhou da China fornecem equipamentos para as Olimpíadas

Xinhua Silk Road
Agência de notícias oficial do governo da República Popular da China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Banco central da China injeta liquidez via recompra reversa

O Banco Central da China injetou na sexta-feira 10 bilhões de yuans (cerca de 1,48 bilhões de dólares) de recompra reversa, visando manter a liquidez do sistema bancário.

Representante chinês pede coordenação e estabilidade sobre alimentação

Um representante chinês pediu na quinta-feira para que a comunidade internacional trabalhe em conjunto, no objetivo de estabilizar o mercado global de alimentos, garantir suprimentos diversos de alimentos e facilitar globalmente o comércio agrícola.

Envios de celulares na China alcançam 69,35 milhões de unidades no Q1

As remessas de telefones celulares da China tiveram uma queda anual de 29,2%, chegando cerca de 69,35 milhões de unidades no primeiro trimestre deste ano, de acordo com um relatório da Academia Chinesa de Tecnologia da Informação e Comunicações (CAICT, sigla em inglês).

Últimas Notícias

Baixas temperaturas e geadas trazem prejuízos a agricultores

Balança comercial do agro, entretanto, apresentou superávit de US$ 43,7 bilhões no acumulado do ano, de janeiro a abril.

A pandemia do burnout

Por César Griebeler.

OIT: crises geraram déficit de 112 milhões de empregos no mundo

Guy Ryder: 'efeitos sobre os trabalhadores e suas famílias, particularmente nos países em desenvolvimento, serão devastadores.'

Banco central da China injeta liquidez via recompra reversa

O Banco Central da China injetou na sexta-feira 10 bilhões de yuans (cerca de 1,48 bilhões de dólares) de recompra reversa, visando manter a liquidez do sistema bancário.

Representante chinês pede coordenação e estabilidade sobre alimentação

Um representante chinês pediu na quinta-feira para que a comunidade internacional trabalhe em conjunto, no objetivo de estabilizar o mercado global de alimentos, garantir suprimentos diversos de alimentos e facilitar globalmente o comércio agrícola.