Nem o garantidor

Os recursos do Federal Deposit Insurance Corporation (Fdic), agência federal dos Estados Unidos responsável por garantir cerca de US$ 4,5 trilhões em depósitos bancários, viu suas reservas encolheram para apenas US$ 10,4 bilhões, no fim de junho de 2009. O derretimento dos depósitos torna-se mais dramático por coincidir com a informação do próprio Fdic de que o número de bancos vulneráveis no país atingiu 416, com ativos de cerca de US$ 300 bilhões. Os dados são apresentados pelo advogado Durval de Noronha Goyos Jr., sócio sênior de Noronha Advogados e árbitro da Organização Mundial do Comércio (OMC) e da Comissão Internacional de Arbitragem Comercial da China (Cietac), para advertir que a crise tornou ilíquido o próprio fundo garantidor de depósitos da, ainda, principal economia do mundo, representando “mais um duro golpe na já combalida credibilidade do sistema financeiro dos EUA”.

Bola de neve
Goyos Jr. acrescenta que a Fdic informou ainda que os pagamentos de empréstimos bancários com pelo menos 90 dias de atraso registraram a 13ª alta consecutiva, em junho, atingindo 4,3% do total. A área mais atingida continua a ser a do setor imobiliário: cerca de 13% de atrasos no segundo trimestre, para os imóveis residenciais, e cerca de 17% nos  comerciais, como escritórios e centros de comércio. O Fdic foi criado em 1933 como uma das agências federais do governo em resposta à Grande Depressão de 1929. Desde sua instituição, nenhum depositante de bancos dos EUA perdeu recursos até o piso garantido, hoje de US$ 250 mil por pessoa.

É vosso?
O ex-genro, o ex-professor e o renitente lobista de multinacionais, todos em estado de insurgência permanente contra a Petrobras desde que o presidente Lula enviou ao Congresso Nacional a proposta para regulamentar a exploração do pré-sal, carecem de explicar questão essencial: se o pré-sal não deve ser explorado pela Petrobras, esse privilégio deve caber a quem? À Chevron?

Jornalismo esportivo
Discutir o papel do jornalismo esportivo e a importância cultural do esporte no Brasil é o objetivo da terceira edição do curso de extensão “Mídia, esporte e cultura: pensando o jornalismo esportivo”, que será realizado de 21 de setembro a 30 de novembro, na Uerj. Coordenado pelo professor Ronaldo Helal e oferecido pela Faculdade de Comunicação Social da Uerj., o curso tem como público-alvo graduandos e graduados das áreas de Comunicação, Sociologia, Antropologia, História, Educação Física, Ciências Políticas e Psicologia, jornalistas esportivos e demais interessados no assunto. As inscrições poderão ser feitas até dia 18 pelo site www.cepuerj.uerj.br ou no Centro de Produção da Uerj (Cepuerj), na sala 1006, Bloco A, campus Maracanã. Outras informações pelo e-mail [email protected] ou pelos telefones (21) 2334-0639 e 2334-0300.

Mudez – 1
Esta coluna esperou dois dias e não conseguiu encontrar ao menos um dos inflamados discursos e ofensivos textos de colunistas da grande mídia contra a tentativa de se perpetuar no poder de um candidato a ditador na América do Sul. Pelo menos é assim que as penas de aluguel tratam qualquer proposta de Hugo Chávez – ainda que submetida a plebiscito – para mudar o sistema eleitoral na Venezuela. Só que, desta vez, quem quer impor um terceiro mandato é o queridinho Álvaro Uribe, da neolibral Colômbia.

Mudez – 2
No seu Ex-blog, o ex-prefeito do Rio Cesar Maia também manteve surpreendente silêncio sobre Uribe. Justo Maia, ferrenho crítico dos “golpes chavistas”.

Mudez – 3
Igualmente não foram vistos protestos contra a fraude das eleições… no Afeganistão.

“Revival”
Não deixa de ser significativo que, às vésperas de mais um 7 de Setembro, os mesmos setores que, há cerca de 50 anos, se insurgiram contra a criação da Petrobras, se lancem em nova cruzada contra a empresa, para impedir que ela seja a protagonista da exploração do petróleo do pré-sal.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVerdadeira maldição
Próximo artigoInteresse

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

‘Governo não apenas poderia, como deveria intervir na Petrobras’

Para especialista, Governo Federal deveria estar mais atuante para combater os preços abusivos dos combustíveis em toda a cadeia.

Exterior cauteloso pode prejudicar negócios locais

Índices futuros acionários em Nova Iorque operam em queda significante: temores relacionados a uma possível recessão nos EUA.

Marrocos quer se desenvolver como polo de tecnologia

Setor digital emprega 120 mil pessoas no país; país tem investido em acordos e memorandos para aumentar investimento na área.

Ipea prevê crescimento de 1,8% para o PIB em 2022

Setores de agropecuária e industrial devem mostrar relativa estabilidade; ´para 2023, a estimativa é de variação positiva de 1,3%.

Receita paga hoje restituições do segundo lote do IR

Estão sendo depositados R$ 6,3 bi a 4,25 milhões de contribuintes; já o prazo de entrega da declaração anual do MEI termina nesta quinta.